A diplomacia topa tudo ( Carlos Alberto Sardenberg)

Está certo que a diplomacia requer gestos de aproximação aos países com cujos governos se negocia. Mas o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, precisava aparecer sorridente diante dos fotógrafos entregando uma camisa da seleção brasileira para o também sorridente presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad?

 Dirão: ora, foi uma simples gentileza, que não melhora nem piora a complexa questão de como lidar com o Irã.

Vá lá, aceitemos provisoriamente a desculpa.

Agora, se não estivesse escrito em documento oficial, pareceria uma gozação dizer que os governos brasileiro e chinês farão “um intercâmbio de experiências e de melhores práticas” na área de… direitos humanos!

Pois é, está cravado no documento que lança o Plano de Ação Conjunta Brasil-China. Portanto, cabe especular sobre quais práticas poderão ser trocadas.

Os chineses poderão nos ensinar técnicas de execução de condenados, pois são bons nisso. É o país em que mais se aplica a pena capital.

Também poderemos aprender com eles como calar a oposição política, como prender dissidentes e processá-los por crimes comuns.

O governo chinês detém ainda uma tecnologia que muita gente por aqui pode vir a gostar: como controlar e censurar a internet. Com inovadoras ferramentas, as autoridades chinesas conseguem bloquear todas as informações que consideram ser inconvenientes.

O presidente Lula vive reclamando que a imprensa não cobre corretamente os bons feitos do governo. Pois seu colega Hu Jintao não tem do que se queixar: a imprensa de lá só publica o que o chefe quer ler. O governo decide o que o público deve saber, assim como define o que sejam direitos humanos.

E que experiências o Brasil poderia enviar à China? Nosso sistema prisional, por exemplo, que solta rapidinho os condenados. Ou que tal um Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH) que, aplicado lá, tornaria obrigatória a abertura dos arquivos da Revolução Cultural da era Mao Tsé-tung, apontando-se os responsáveis por milhões de assassinatos, torturas e violações generalizadas?

Não se trata de brincar com coisa séria. Se é, então a brincadeira é anterior, de quem colocou em um documento oficial que o Brasil e a China trocarão experiências na área de direitos humanos.

Alguns dizem que é tudo por negócios. No mundo democrático, ninguém desconhece como age o governo chinês e todo mundo faz negócios com eles. Também muitos países ocidentais e/ou democráticos fazem negócios com o Irã.

Verdade, mas isso apenas prova que é possível fazer negócios sem gestos que denotem tolerância ou mesmo simpatia a posições indefensáveis.

Tome-se o Irã. Entre os principais países que exportam para lá estão Alemanha, Itália e França. Os três endossam e participam do processo de definição de sanções ao Irã, os três são críticos severos do programa nuclear e das declarações do presidente Ahmadinejad.

Se o Brasil tiver produtos e serviços importantes para o Irã, não precisa entregar camisas da seleção para vendê-los.

Do mesmo modo, o comércio com a China cresceu muito nos últimos anos, não por causa da diplomacia Sul-Sul, muito menos por causa da aceitação dos direitos humanos à chinesa.

Aconteceu, simplesmente, que os chineses precisam muitíssimo de minério de ferro, soja e petróleo, produtos disponíveis no Brasil. São esses três itens que compõem a maior parte das exportações brasileiras – e que continuariam compondo a maior parte das exportações mesmo se o presidente Lula fizesse uma homenagem especial ao dalai-lama.

Há sete anos, quando o presidente Hu Jintao esteve no Brasil pela primeira vez, prometeu bilhões de dólares em investimentos diretos em troca de o governo brasileiro declarar a China como “economia de mercado”, condição importante para sua posição na Organização Mundial do Comércio (OMC).

As empresas chinesas não investiram e o governo brasileiro não concretizou a declaração. E as nossas exportações cresceram mesmo assim.

Os investimentos estão começando a chegar, mas são menores e vão especialmente para áreas que interessam diretamente aos negócios chineses. Eles estão entrando em minas de ferro, usinas de aço e portos que exportam para a China.

Já o agronegócio brasileiro tem muita vontade e condição de exportar carnes para lá, mas esbarra nas regras sanitárias aplicadas seletivamente pelo governo chinês. Há negociações, houve uma liberação parcial para exportação de frangos, mas vai tudo muito lentamente.

Os chineses não têm pressa, pois seu mercado é bem abastecido por carnes americanas, por exemplo. (E, por falar nisso, a Rússia, nossa colega de Bric, também dá mais espaço às carnes dos Estados Unidos.)

E se aqueles gestos da diplomacia brasileira não têm eficácia econômica, qual seu objetivo? O comando da política externa parece entender que consegue a liderança sendo tolerante e passivo diante das posições e atitudes dos outros.

O presidente Lula está seguro que deu certo, que ele é um grande líder mundial e que as exportações do Brasil cresceram por causa disso.

Porém o Brasil, economicamente estável, é um baita país, qualquer que seja o presidente ou a presidenta; todos os emergentes importantes aumentaram suas exportações e nem todos têm Lula.

(publicado no Estadão em 19 de abril de 2010)

19 abril, 2010 às 11:15

Tags:

Categoria: Artigos

Comentários (1)

 

  1. JORI disse:

    Muito bom

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *