Falam os Generais (5)” E a Esperança morreu” – General de Brigada Valmir Fonseca Azevedo Pereira

E a ESPERANÇA… morreu

Há nove dias, vários fatores colaboraram, decisivamente, para o infeliz passamento da ESPERANÇA.

Entre tantos, a valiosa e suicida colaboração do candidato Serra, por leniência, subserviência, falta de gana e frouxo ímpeto, sem oferecer nada que o diferenciasse da sua beócia oponente, nem rebater com veemência os ataques e as difamações.

Serra, indubitavelmente, bebeu da fonte que acovarda os indivíduos, e foi incapaz de, pelo menos, balbuciar “O REI ESTÁ NU”.

O lastimável Serra tinha um elenco formidável de alegações que poderiam ser usadas à larga, pelo menos, indiretamente, contra a excrescência – mor.

Certamente, acusá – lo frontalmente seria a sua morte anunciada, mas, pelas beiradas, levantando o pano da bandalha, sorrateiramente, surgiriam os principais implicados e às suas sombras, por detrás dos bastidores, mesmo alegando não saber de nada e, talvez por isso, poderiam ser delineadas e expostas as descaradas cumplicidades e falsidades do impune falastrão.

Talvez, usando subterfúgios, mas veemente e taxativo, destacando as patifarias e demonstrando a impossibilidade de seus oponentes não saberem de nada, como foi o caso da ex – ministra Erenice, lograsse o nosso titubeante representante (?) enfraquecer os adversários onde eles são mais fortes, no enunciar os maiores despropósitos, no alegar desconhecimento, e as revelações seriam de tal monta que talvez a plebe ignara caísse na real.

Mas, o Serra, nada. Sua educada defensiva foi a bandeira branca da rendição.

Ah, preclaro Serra, por que não fostes capaz de rebater com provas, falsos números e rasas afirmações? Onde estavam os teus assessores, os teus marqueteiros? Alhures? Torciam pela Dilma?”

Se o incolor Serra tem parte no falecimento da ESPERANÇA, o que dirá a gigantesca massa de analfabetos funcionais e de jeitosos miseráveis que aplaudiram e perseveraram no continuísmo suicida?

Outro fator, não menos pernicioso, é a constatação de que o crime compensa. Nenhuma novidade, pois já conhecemos o filme, contudo, nunca tão às escancaras, desavergonhadamente.

Felizmente, a cada novo dia, uma nova ESPERANÇA renasce, neste caso, pelas circunstâncias, mais débil do que as anteriores, é verdade, mas, ainda assim, ESPERANÇA.

ESPERANÇA seja bem-vinda, nós precisamos de você.

A débâcle moral corroeu a sociedade em geral, mas quem se importa? E a bulha econômica se aproxima a passos céleres de seu desenlace, e esperamos que a canalha fique com as vísceras expostas, e que na busca dos culpados, a verdade surja, cristalina, sem máscaras e embromações, e a ignara turba caia na real, e sinta na pele o fruto de sua insensatez.

E que ocorra logo, para não dar chance ao cretino impune de retornar, em quatro anos, como o salvador da pátria, pois ao que tudo indica, se aproximam uma indigesta marolinha econômica e uma tremenda onda de lulo – socialismo, que farão estremecer esta terrinha.

Mas, não se preocupe sua etapa de M… já está reservada.

Brasília, DF, 09 de novembro de 2010

Gen. Bda Rfm Valmir Fonseca Azevedo Pereira

É melhor não contrariar.

14 novembro, 2010 às 05:23

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *