A Fogueira das Insanidades ( Ann Coulter discorre sobre a esquerda americana,a declaração fora de propósito do general Petraeus, queima de Corão, a maldita mesquita)-charges


Fogueira das insanidades

Em resposta a condenação pelo general Petraeus do direito do pastor Terry Jones da Flórida de fazer um protesto simbólico aos ataques de 11 de setembro de 2001 queimando cópias do Corão, o presidente Obama disse: “*Deixem-me ser claro: Como cidadão e como presidente, eu acredito que membros do Dove World Outreach Center1 têm o mesmo direito a liberdade de expressão e religião como qualquer um nesse país

  • **Nota do blog: eu não agüento mais ver esse megalômano narcisista usar essa expressão “Deixem-me ser claro”. Desde a campanha! Nenhuma alma piedosa para dizer a ele que já encheu o saco?!!

1-Pequena igreja cristã carismática de Gainesville, Flórida, conhecida por suas mensagens anti-Islã. (N. do T.)

O governador Charlie Crist da Flórida elogiou as observações de Obama dizendo que a America é “um lugar onde se supõem que você possa praticar sua religião sem que o governo diga que você não pode”.

O prefeito de Nova York Michael Bloomberg chamou as palavras de Obama de “defesa alta e clara da liberdade de religião” – e também afirmou que ele recentemente topou com um jihadista sujo que na verdade concordava com a queima do Corão!

Keith Olbermann leu o poema no ar, “First they came…” 2 em defesa dos incendiários do Corão, quase se derramando em lágrimas pela sua profundidade.

2-Famosa declaração do pastor Martin Niemoller sobre a inatividade dos intelectuais alemães frente ao crescimento do nazismo. (N. do T.)

Não, espera aí, me enganei. Isso é o que os liberais disseram sobre a mesquita no Marco Zero há apenas 5 minutos atrás, quando eles estavam pousando de absolutistas da Primeira Emenda. De repente, eles foram acometidos de amnésia quando se trata do direito da liberdade de palavra de queimar o Corão.

Estranhamente, os conservadores que se opuseram a construção da mesquita no Marco Zero são também contra a queima do Corão. (Exceto no meu caso. Acontece que sou a favor, mas porque queimá-los contribuirá para o aquecimento global).

Os liberais não podiam se interessar menos pela Primeira Emenda. Ao contrário, censurar palavra e religião é a especialidade da esquerda! (Qualquer religião exceto o Islã).

Eles promovem códigos de discurso, crimes de ódio, zonas de liberdade de expressão (conhecidas como “America” dos ativistas de campus das faculdades) e andam pelo país arrancando toda referencia a Deus das praças públicas – via infindáveis ações judiciais pela ACLU3.
3-American Civil Liberties Union (ACLU): organizações sem fins lucrativos que focam litígio e tentativas de comunicação e lobby  legislativo. (N. do T.)

Sempre que você vir um liberal se escorando em nossos preciosos direitos constitucionais, pode estar certo que estamos falando de direito dos muçulmanos no Marco Zero, dos manifestantes em funerais com slogans “Deus detesta bichas”, dos nudistas, do The New York Times publicando documentos secretos, dos pornográficos, dos molestadores de crianças, dos assassinos, dos sabotadores, dos terroristas, dos que queimam bandeiras (mas não os que queimam Corões!) ou mulheres vivendo de doações  do National Endowment of the Arts4 colocando inhames em seus orifícios em público.

4-Agência independente do governo federal americano que oferece suporte e fundos para projetos de excelência artística. (N. do T.)

E falando de anões mentirosos, semana passada no “The Daily Show”, Bloomberg contou que estava comendo um hamburguer com sua “namorada” quando um homem veio até ele e falou sobre a mesquita no Marco Zero: “Eu acabo de voltar de dois ‘tours’ de lutas pela America no exterior. É por isso que estávamos todos lutando. Vá e mantenha-se firme”.

Estamos lutando pelo direito dos muçulmanos de construir mesquitas no Marco Zero? Pensei que nos estávamos tentando manter os muçulmanos LONGE de nossos arranha-céus (que mal-entendido desconcertante). POR FAVOR, RETIREM OS SOLDADOS IMEDIATAMENTE.

Mas de volta ao assunto principal: estava Bloomberg comendo um Burguer Duplo Trufado de 150 dólares no Bistro Moderne ou um mais simples, de 30 dólares no Club 21 quando deu de encontro com seu veterano imaginário?

Adicionando um elemento de realismo a essa pequena vinheta, Bloomberg disse: “Eu peguei um hamburguer e um picles e uma batata frita, ou algo assim”.

Uma batata frita? Tradução: “Eu não sei o que eu estava comendo, porque estou inventando toda essa historia – eu nunca seria pego comendo ‘uma batata frita’ ou qualquer outra comida ridícula oferecida por camponeses”. No mínimo, Bloomberg não reclamou do homem que se aproximou dele e ficou com o mérito por colocar a bomba na Times Square, porque ele era um ativista do movimento político conservador “Tea Party”aborrecido com o Plano de Saúde de Obama – como Frank Sherlock , vice-presidente  da empresa Bloomberg, tão cuidadosamente especulou na época.

General Petraeus fez objeção ao protesto da fogueira dos Corões pois essa atitude poderia ser usada por jihadistas radicais para convocar muçulmanos a atacar americanos.

Isso é o que liberais dizem toda vez que fazemos qualquer coisa irritante para o inimigo – invadir o Iraque, manter terroristas capturados em Guantánamo, interrogar jihadistas capturados ou publicar caricaturas de Maomé. Há em qualquer lugar um site listando tudo que encoraja o recrutamento de terroristas?

Se o objetivo principal do general é impedir recrutamento de ‘jihadistas’ posso respeitosamente sugerir rendição incondicional? Porque, sobre essa teoria, você sabe o que realmente mataria a habilidade de recrutamento de terroristas? Se adotássemos a lei da Sharia!

Mas espera – não estávamos assegurados pelo diretor da segurança nacional de Fire Island, Andrew Sullivan, de que se a America elegesse “um homem de cor cujo pai fosse um africano, que cresceu na Indonésia e Hawaii, que frequentou uma escola muçulmana quando menino”, os terroristas iriam parecer mais como um punhado de tolos, incapazes de recrutar?

Isso não funcionou dessa forma. Tem havido mais ataques terroristas no solo dos Estados Unidos por esses supostamente acalmados muçulmanos nos primeiros 18 meses de governo de Obama do que nos 6 anos do governo Bush, após ter invadido o Iraque.

E ainda, como eu me lembro, não havia Guantánamo, nem guerra do Afeganistão ou do Iraque em 10 de setembro de 2001. E ainda assim, de alguma forma, Osama Bin Laden não teve problemas em recruta-los na época. Podemos então, retirar o argumento “isto os ajudará a recrutar” agora?

A razão para não queimar os Corões é que isto é indelicado – não para os jihadistas, mas para os muçulmanos que não têm a intenção de nos fazer mal. O mesmo serve para a construção da mesquita no Marco Zero – em ambos os casos, não é uma questão de “direitos” de qualquer um, é justamente porque é uma coisa sórdida de se fazer.

TRADUÇÃO: Célia Savieto Barbosa

3 outubro, 2010 às 13:22

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *