A herança da ditadura militar no Congresso; Nossos militares evoluiram ; O anti-americanismo e nossos intelectuais; Escreve o coronel Marco Balbi ; Simon’s Site: Marcus Melo: Lulismo ou qualunquismo? ; Fotos e Charges

 

 

Img_22012014_001

 

 

Na peculiar ditadura militar que vivemos a partir de 1964,  o Presidente da República dependia, e muito, do Congresso, mesmo depois de um monte de cassações de mandatos.  Para facilitar as coisas resolveram aumentar a proporção de deputados nordestinos no parlamento. Por que ? Ora, me contaram que eram muito mais servis e dóceis,com uma ignorância beirando o semi-analfabetismo. Ideais para aquele momentoEsta foi uma pesadíssima herança que os militares deixaram, mas ninguém toca no problema, já que é politicamente incorreto.  Então, os grotões, os estados mais atrasados da República, têm proporcionalmente muito mais representantes do que os estados adiantados, como, por exemplo, São Paulo. Tudo que for burro, irracional, desonesto, possui maiores chances de aprovação (será verdade ?) Lembram-se do Zéferino o espantoso presidente da Câmara?  Como corrigir o problema ? Não existe solução. Os deputados “lá de cima” precisariam cometer suicídio e votar pela redução das suas próprias bancadas.  

 

 

 

<br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
Dilma Rousseff e Angela Merkel em uma feira de tecnologia na Alemanha, em 2012<br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
Foto: 5-3-2012

Quando chefes de estado de línguas diferentes se encontram para discutir assuntos de importância, cada um leva seu tradutor. Não pode haver margem para erros. Mas, quando estão numa festa, posando para fotos, ou conversam amenidades, usam a lingua universal, o inglês.

Essa coisa, aí em cima, é a nossa lavadeira conversando com a Angela Merkel. Conversando ???  Se nem consegue falar português, imagine entender alguma coisa  em inglês. Parece que não temos um tradutor, e a cara da dona é de quem, ou está de porre ( mas sabemos que não está) , ou de quem, meio assustada, tenta mostrar que está entendendo o que a alemã diz. A postura de Merkel é aquela de quem abre um semi-sorriso e também finge que existe uma conversa entre elas. As duas estão loucas para se afastarem uma da outra.

 

 

Alô, militares: parece que os senhores se conformaram em ficar batendo continência para essa dona que não conseguiria ser eleita vereadora por nenhuma cidade grande do Brasil, mas é PRESIDENTE DA REPÚBLICA !  Alguma coisa deve estar muito errada , pois não ? De alguma forma o povo brasileiro foi manipulado, enganado, não lhes parece ?  E pensar que  boa parte dos senhores queria impedir a posse de Juscelino porque ele não havia alcançado a maioria absoluta em sua eleição!  Estranho como as coisas mudam… E caso não tenham se dado conta, o episódio do Mensalão foi o seguinte: O ex-presidente da república, e todos seus auxiliares mais próximos, roubaram do Estado para modificar as leis do Estado com o objetivo de se perpetuarem no poder. Desta forma o ex-presidente é um dos maiores criminosos de toda a história republicana. O mais nojento é que a tentativa de tomar o país não se deu através  de uma revolução, ou alguma coisa máscula, mas simplesmente roubando o nosso dinheiro para comprar os deputados. Nunca se viu nada parecido.

 

Os senhores não percebem que estamos cada vez mais fundo numa ditadura constitucional petista?  Que o aparelho estatal cresce de maneira gigantesca com os militantes desse partido imundo funcionando como quinta-colunas ? Que somos inimigos do mundo ocidental ? Que apoiamos todos os governos comunistas e terroristas que existem no planeta, a ponto de financiarmos, com o dinheiro que os petistas nos roubam, o governo de Cuba, e para isso inventamos a importação dos escravos cubanos? E os senhores antigamente só falavam em defender este país de um regime marxista-leninista, de uma república sindicalista, do anarco-socialismo e blá, blá, blá, e da corrupção, e, sim, negaram uma cadeira para o presidente Juscelino e o colocaram em cima de um tamborete para humilhá-lo enquanto ele depunha em Inquerito Policial-Militar, sendo que o grande homem era inocente. E quando o Exército, com medo de que ele se suicidasse, achou melhor que deixasse o país, a rapaziada da Aeronáutica invadiu a pista do Galeão tentando impedir o embarque.  Nossa, que pessoal valente !  Por onde eles andam agora ???

 

O Brasil continua uma porcaria ainda maior do que nos tempos da minha infância: sub-desenvolvido, atrasado, com a roubalheira crescendo numa velocidade tão espantosa que não há mais dúvidas: quem tem acesso ao dinheiro público vai roubar, ou hoje, ou amanhã, mas vai meter a mão. Os bandidos dominam as cidades e matam até por divertimento – vivemos na república do medo. O engraçado é que somente os senhores evoluiram:  agora são militares do tipo americano, inglês, noruegues, alguma coisa assim. Deixaram aquela história surrada de guardiães da Constituição. Estamos muito felizes com o seu comportamento. Seria terrivel que seguissem o exemplo dos seus colegas egípcios que derrubaram um presidente legitimamente eleito só porque ele tencionava transformar o Egito numa república islâmica aliada do Terror.

Que mal pergunte: Se Dilma convidar Raul para visitar o Brasil os senhores vão bater continência para ele também ?

 

 

 

 

 Os russos sufocam a rebelião dos húngaros em 1956

.-

 

 

 

 

 

CZECHOSLOVAKIA. Prague. August 1968. Warsaw Pact tanks invade Prague.

Os russos sufocam a rebelião na Techoslovaquia em 1968

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-..-.-..-.-.-.-.–.–..-.–.-.-.-.–.-.-.—.-.-.-.-.-.-.—-.–..- 

 

 

           Os criminosos mais loucos e crueis de todos os tempos :   O Politiburo de Stalin

 

 

Eu me lembro muito bem do horror que nossos pais sentiam em relação ao comunismo… Eles enxergavam o preto no branco, sabiam quem eram os mocinhos e os bandidos. Passavam longe do relativismo, e achariam muito graça nas regras do politicamente correto que poluem nossas vidas. Quanto a nós, há muito tempo já batemos em retirada e temos medo de cometer erros que nos compliquem na Justiça. Portanto ficam proibidas algumas belas músicas carnavalescas: A marchinha ” O teu cabelo não nega, mulata, porque és mulata na cor, mas como a cor não pega mulata, mulata eu quero o teu amor”…. ou o samba:  “Ai meu Deus que bom seria, se voltasse a escravidão, eu pegava esta mulata e prendia no meu coração…”  A distorção dos fatos é completa, e assistimos a marcha vitoriosa da esquerda que imaginávamos derrotada em 1990. Estamos presos na irracionalidade e na burrice. Sofremos com a nossa impotência e estamos em permanente estado de revolta lamurienta. Os nossos textos refletem esse estado de espírito.

 

 

 

Os intelectuais brasileiros detestam o PT, mas existe algo político muito maior, aonde Lula, Dilma e Zé Dirceu são sub-produtos despreziveis. Estou falando do anti-americanismo que continua moldando o mundo de forma implacavel. Todos aos nossos redor detestam os Estados Unidos. Nossos intelectuais imaginam-se, por princípio, anti-radicais ( é anti-científico!), e sendo assim recusam, indignados, a pecha de anti-americanos. O que se passa – eles nos ensinam – é que sabem distinguir entre os Estados Unidos do principe Barack Hussein Obama, e os Estados Unidos dos caipiras Bush, pai e filho. Jamais seriam tão “vulgares” como os petistas, que não enxergam a diferença. 

 

 

Mas, sejamos justos: Nossos pobres intelectuais não são diferentes dos seus colegas ao redor do mundo. Todos eles não se dão conta de que tudo que sabem a respeito dos republicanos veio da imprensa esquerdista-liberal americana. Em suma, são vítimas de lavagem cerebral da mesma forma que os semi-analfabetos que defendem o PT com unhas e dentes.  Não fazem a mínima ideía do que se passou no Iraque e as armas de destruição em massa. Acreditam em tudo que lhes foi enfiado goela abaixo. Não leram nada, e se recusam terminantemente a procurar saber por outras fontes o que pode ter acontecido naquele país. São iguais às macacas de auditório do Lula que não admitem críticas ao seu ídolo. Para nossos intelectuais, Dick Cheney é o próprio demônio. É tudo o que mais detestam DEPOIS do Lula. Trata-se de um sujeito execrável, abaixo do perversor de menores. Não fazem a mínima ideía de quem ele seja realmente. Todas as informações vieram dos articulistas do NYTimes, da CNN, e dos ridículos filmes hollywoodianos. Não sabem que apoiando os american liberals apoiam um imenso movimento anti-Estados Unidos  – isto está anos-luz de sua compreensão.  Não conhecem a origem do movimento liberal e sua ligação com o totalitarismo fascista (que perdura até hoje de maneira clara) e julgam os republicanos, ou conservadores, como uns sujeitos podres de ricos que pouco se importam com o problema social da pobreza. A própria palavra “conservador” tem uma conotação pejorativa nos países atrasados. É sinônimo de um sujeito retrógrado, racista, ignorante, ganancioso e violento. A sofisticada posição conservadora a favor das armas para “a defesa de si e de sua família” é um ótimo exemplo da desonestidade dos liberais: eles estão sempre brandindo estatísticas do tipo ” de cinco em cinco horas morre uma criança por causa de armas guardadas em casa”, uma mentira do tamanho de um bonde. É um dos passatempos dessa turma: inventar números que sirvam para provar suas causas. E os incautos leitores creditam! Acreditam em tudo que sai nos jornais e tvs. Bem, também vou começar a criar as minhas próprias estatísticas:  1)  De cada 20 batidas policiais em morros cariocas morre um PM, e quatro são feridos.   2)  Para cada manifestação dos rolezinhos em shoppings o prejuízo das lojas é, em média, de 43%  3) O dinheiro gasto com os estádios para a Copa do Mundo daria para construir 42 hospitais de alto nivel, 768 postos de saúde e 35 penitenciárias de segurança máxima Que tal ? Pensam que eu estou brincando ? É assim que funciona. Fica um conselho: Quando estiverem discutindo sejam “criativos” com os números. Se a vítima perguntar de onde eles sairam, digam que foi da FGV ( Fundação Getúlio Vargas), ” dois mêses atrás”.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-..-..-
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

Os nossos amigos liberais não reconhecem, por insistirem em ler os livros que apenas confirmam suas crenças, o papel exercido pelos Estados Unidos no passado e no presente como defensores do Mundo Livre. A própria expressão “Mundo Livre” provoca arrepios, é considerada cafona, não erudita, simplificadora. Acham que os interesses comerciais americanos são o verdadeiro motivo para suas intervenções no planeta, embora um poucos admitam que a política de contenção do expansionismo soviético possa ter sido um mérito dos Estados Unidos. Julgam-se muito espertos, mas de fato estão carregados de preconceitos, e nem lhes passa pela cabeça a hipótese de colocarem em dúvida suas crenças. Não são cientistas, de maneira alguma. Se não entenderam o que se passou na 2a. Guerra Mundial (porque não leram nada a esse respeito com exceção do “Ascenção e Queda do III Reich”, de William Shirer), como é que conseguiriam entender a Guerra Fria ? E sendo assim, de que maneira poderiam se convencer de que existe uma luta de vida ou morte contra o Terror? Imaginam ser um exagêro, uma invenção da direita para alcançar objetivos que eles não conseguem definir quais sejam. Desta maneira tornam-se mais realistas do que o próprio rei, já que Obama mostrou que aprendeu um bocado em cinco anos, e,  embora continue evitando a expressão  “Guerra ao Terror”, passou a ser mais cauteloso em suas negativas a respeito do perigo que corremos. Mas, assim mesmo, esse homúnculo, o maior desastre na história americana, continua negando a relação entre os muçulmanos e os atos de terrorismo, alguma coisa tão absurda como negar a relação entre o PT e o Mensalão.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-
´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´´.´´.´.´.´.
-´.´.´.´.´..-.-.-.-.-.–.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.—.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.—.-.-.-
Nossos liberais, nossos intelectuais, concordam de uma maneira simiesca com os liberais americanos, os fornecedores mundiais da munição para enfraquecer o anti-comunismo e o anti-terrorismo. Assim, seu programa é fortalecer o esquerdismo; fortalecer as barbaridades do politicamente correto e dos “direitos humanos”. Desta maneira estamos submetidos às ditaduras das minorias, dos gays, dos drogados, das putas, dos “destituídos”, dos criminosos, porque todos eles não são, nada mais, nada menos, do que vítimas dos nossos preconceitos e das nossas políticas equivocadas no tratamento das ambiguidades humanas.
-.-.-.-.-.-..-.-.-..-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.–.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-
´-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.–.–.-.—.-.–.–.-.-.-.-.–.-.-.-.–
Depois do comunismo a ascenção do liberalismo nos USA é a maior desgraça das últimas décadas em termos planetários. Tudo o mais é consequência. Até a ascenção do terrorismo, com o consequente ataque às Torres é culpa dos liberais e o seu horror ao uso da força. Clinton poderia ter matado Bin Laden antes que esse tivesse se tornado famoso, poderia ter evitado uma boa parte do massacre dos muçulmanos pelos sérvios, mas nem pensar. Isso implicaria em lutar, e os liberais só pensam em fugir. Estão sempre marcando datas para retiradas das tropas, oferecendo ao inimigo essa vantagem extraordinária, inconcebivel num conflito. Qualquer molequinho de morro sabe disso ( Epa!, “molequinho de morro, nossa, preciso mudar essa redação!) As guerras no Afeganistão, e no Iraque foram monitoradas por eles para que a força necessária não fosse empregada. Ao mesmo tempo sistematicamente aparecem figuras como Snowden, um típico maldito liberal, apoiado pelo quinta-coluna NYTimes e pela mídia em geral. O monumental, repito, monumental, sem igual, sem termos de comparação, poderio militar americano é escondido para que não se diga : ”  Por que eles não vão lá e arrebentam logo com tudo?”  Ah, não, os liberais nos impingiram que essa pergunta reveladora é de fato absurda, “a realidade geopolítica é muito mais sofisticada do que isso”. Além, naturalmente, de espalharem a notícia de que os Estados Unidos são um país decadente que rapidamente será ultrapassado pela China. Tudo mentira.  Agora temos a inacreditavel retirada da ajuda militar americana ao Egito. Com é possivel tamanha barbaridade, mesmo depois da extraordinária sorte dos militares egípicos conseguirem retomar o poder e expulsarem a Irmandade Muçulmana, evitando um estado terrorista ? Como sabemos, o Egito é o único estado da região que reconhece Israel. Só isso já seria suficiente para levantar as mãos para os céus e entupir o governo militar de armas. Mas… os liberais os consideram ditadores ( e são mesmo)  e nada pior para um liberal do que uma ditadura de direita. As de esquerda são toleradas e até incentivadas.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-
Está claríssimo que Bashar Al Assad deve ser mantido (e vigiado) pelos Estados Unidos e,  consequentemente, pelo Ocidente. Sem ele a Síria deve cair nas mãos dos terroristas islâmicos. Vale a pena o risco, a quase certeza ? Perguntem aos cristãos sírios o que eles acham da ídeia!  Mas, diriam os liberais, Bashar é terrorista ! Não, seus tolos desinformados, ele ERA. Agora, da mesma forma que nos fabulosos dias da invasão do Iraque, o homem amansou, e desta vez para sempre. Sabe que não pode continuar enfrentando os ocidentais, já são outros tempos, a rebelião acabou com sua forças, militares e políticas.  A Rússia correu um grande risco de perder seu porto em território sírio, e Putin de agora em diante não vai mais dar liberdade ao seu cupincha.  Mas é um ditador e….  A velha conversa dos liberais. Querem a democracia, ou um ditador de esquerda. De direita jamais. Abra-se uma exceção para Saddam Hussein. Esse episódio é realmente extraordinário: Os liberais no início concordaram com a invasão do Iraque, mas depois voltaram atrás. Acharam burrice a idéia de tirar Saddam pois sem ele seria pior, o país ficaria sem controle, e blá, blá, blá. Conseguiram sabotar o imenso sucesso que foi a democratização do país, e quando o moleque Obama assumiu a presidência tudo deu prá trás. Retirou as tropas antes do tempo e com seus infames discursos desmoralizou a presença americana no país.
–.-.-.-.-.–.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.–.-.-.-´.´.´´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.
-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.—.-.-.-.-.-.-
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-
O Grande Satã, o anjo decaído, de fato está no Estados Unidos. São os liberais, em sua expressão máxima: o canalha Obama. E os intelectuais, se fazem alguma crítica a ele, são aquelas de não haver fechado Guantânamo, de usar os drones, de continuar com a tortura, e de ESPIONAR governos e pessoas. Não conseguem pensar seriamente no que significa ele haver repetido, em parte, a política de Bush – seus cérebros não permitem, seria a violenta desestruturação freudiana. Melhor dizer que o Obama é meio que uma decepção, e vamos continuar a odiar o truculento texano com todas as nossas forças.
´-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.—.-.-.-.–.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-
-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.—.—.-.-.-
As armas de destruição em massa! Por que vocês não vão ler alguma coisa imparcial a esse respeito ? Por que não vão procurar a relação entre Saddam, que usou as armas contra o Iran e contra os curdos, e o perigo de um Iraque sob seu comando tornar-se um santuário terrorista ? Pensem que ele poderia voltar a fabricá-las quando lhe desse na telha, pensem que foram armazenadas e despachadas. Deixem de considerar filmes de Matt Damon e Sean Penn como fontes científicas. Continuem fingindo que são sérios, mas pelo menos parem de tirar suas conclusões através de Hollywood, lendo jornais, e vendo televisão.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.
Desculpem as repetições no texto mas no momento não posso fazer melhor.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

 

Political Cartoons by Robert Ariail

 

 

 

 

 

Jan. 12, 2014. Chickens are seen in the midst of plants covered by ash from
Mount Sinabung near Sigarang-Garang village in Karo district, Indonesia’s North
Sumatra province

 

 

 

 

 

 

David Kennerly’s photo of the Ali-Frazier prize fight in Madison Square Garde

 

 

 

 

1968, Kabul, Afghanistan  ( Thomas J.Abercrombie)

 

 

 

 

 

 

5  segundos antes da bala ricochetar na capota do carro e penetrar o pulmão de Reagan

On March 30, 1981, AP photographer Ron Edmonds made pictures of the assassination attempt on Ronald Reagan that would earn him the Pulitzer Prize for Spot News Photography. On the 30th anniversary, he talked to LightBox about the story behind the pictures.

 

Jan. 14, 2014. Lightning flashes over the Christ the Redeemer statue on top of Corcovado Hill in Rio de Janeiro.
Oct. 11, 2013. Saad Imran, 6, walks his painted sheep home in Islamabad,
Pakistan
Jan. 14, 2014. A male Mandrill (Mandrillus sphinx) looks defiant at the Madrid
Zoo.
Jan. 11, 2014. A bicycle rider waves to friends at the Uyuni Salt Flats in Uyuni, Bolivia.
Jan. 12, 2014. The side of the cruise liner Costa Concordia is pictured during
the “parbuckling” operation outside Giglio harbor, Italy.
Jan. 14, 2014. An Indian Muslim boy holds a sleeping child as they ride a horse during a procession to mark the birth anniversary of Prophet Muhammad in New Delhi, India.
Jan. 14, 2014. A model gets fitted with a blue contact lens to present a creation from Patrick Mohr’s Autumn Winter 2014 collection during the Mercedes Benz Fashion Week in Berlin.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-
Escreve o coronel Marco Balbi 
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.—-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-
Recebi várias mensagens, de civis e militares, a respeito da publicação da Portaria Normativa Nr 3461/MD de 19 de dezembro de 2013, que trata da Garantia da Lei e da Ordem.
Confesso que um amigo havia me enviado a portaria fazia tempo, mas ela estava aqui guardada na gaveta como coisas para serem lidas a posteriori, por falta de tempo de ler tudo que aparece na área.
Assim, diante das diversas manifestações a respeito do assunto, parei para ler o documento.
A primeira pergunta que faço a todos, em especial aos que criticaram-no é a seguinte: leram o documento?
Trata-se de uma norma legal que me parece vem preencher uma lacuna, talvez a última, necessária para preservar o emprego da tropa. Lembro que para a operação no Complexo do Alemão aqui no Rio de Janeiro teve que ser assinado um termo de ajuste e conduta entre o CML e o governo do Estado, salvo melhor juízo, e ainda assim alguns problemas ocorreram.
Como todos sabem, o artigo 142 da Constituição de 1988 prevê o emprego das Forças Armadas nas operações de GLO. Em função disso foi votada no Congresso a Lei Complementar 97, no ano de 1999 e posteriormente o Decreto 3897/2001, todos regulamentando assuntos relacionados às Forças Armadas. Todos estes diplomas legais os senhores encontram para a consulta na internet! Google neles!
Além disso a portaria normativa lista uma série de outros documentos legais, desde 1965, que tratam de eleições, até os dias atuais, sobre a atuação na área do pré-sal. Ou seja, abarca uma gama enorme no tempo e no espaço da possível atuação das Forças Armadas.
E esta atuação parte da premissa do previsto no art 144 da Constituição que trata da SEGURANÇA PÚBLICA, eu coloquei em maiúsculas propositalmente, e na impossibilidade de os órgãos responsáveis por ela se declararem incapazes de mantê-la. Aí sim, feito o pedido à Presidência da República, inicia-se o processo. Há, de fato, uma margem de manobra que permitiria ao Chefe do Poder Executivo tomar esta iniciativa.
Caberá ao MD, através do EMCFA e às Forças Singulares, detalhar o planejamento das ações a realizar, incluindo a integração com outros órgãos do Judiciário e do MP, além de exercer o controle operacional dos meios de segurança pública que já estiverem sendo empregados.
A norma prevê, ainda, a elaboração das regras de engajamento específicas para a situação a ser vivida. Lembro que isto ocorreu aqui no Rio de Janeiro, onde toda a tropa que esteve envolvida na operação cumpriu a missão segundo as regras estabelecidas para o Complexo do Alemão.
Outro aspecto importante é a definição de Forças Oponentes e das Ameaças que elas poderão representar. Lembro que esta denominação veio modificando-se ao longo do tempo. Já foram chamadas de Inimigo Interno, posteriormente foram chamadas de Forças Adversas e agora de Forças Oponentes. Parece-me uma evolução natural no contexto das modificações dos conflitos e dos diplomas legais necessários para combatê-los, caso necessário.
Ao fim e ao cabo ressalto que a Portaria oferece a oportunidade de pessoas contribuírem para o seu aperfeiçoamento, fornecendo endereços para a comunicação, inclusive endereços eletrônicos.
E para terminar mesmo, acho que não há nada de ilegal ou imoral na portaria. Pode ser que eu seja anjo, nos meus 65 anos já vividos, mas vejo a norma como um avanço para o emprego da tropa e sua salvaguarda jurídica.
Muito mais preocupante, me parece, é a existência desta Força Nacional de Segurança, esta sim claramente inconstitucional e que mereceria que alguém ou algum órgão arguisse a sua constitucionalidade. Este sim pode ser o braço armado da revolução, junto com os movimentos sociais que pululam pelo Brasil.
É a minha opinião. Marco Balbi

 

 

 

 

Para o julgamento dos leitores:

 

 

 

Simon’s Site


Marcus Melo: Lulismo ou qualunquismo?Posted: 16 Jan 2014 10:53 AM PST

UnknownVota primeiro, e pensa depois!

Lulismo ou “qualunquismo”?

Marcus André Melo

Há duas visões rivais sobre a política  brasileira na era dos governos petistas. A primeira aponta para um fenômeno supostamente novo – o lulismo – que representaria um realinhamento histórico que teria ocorrido na última década. A denominação lulismo – em lugar de petismo – chama a atenção para o fato de que os votos no PT e no presidente passaram a dissociar-se. Este realinhamento se daria pela conquista dos grotões : o eleitorado petista teria se deslocado definitivamente para as regiões mais pobres – o nordeste, o norte – áreas que estiveram por décadas sob controle de setores conservadores.  Para isso teria contribuído a ampliação de programas sociais, como o bolsa família, e uma estratégia de comunicação nova – por direta e eficaz – que o presidente Lula encarnaria. A visão alternativa é que este realinhamento não teria ocorrido e a “conquista  do nordeste” seria uma mera re-atualização da patologia recorrente da política brasileira: o governismo.

Em livro clássico sobre o clientelismo no mezzogiorno italiano, Chubb analisou o “qualunquismo” – o governismo arraigado somado à indiferença e cinismo cívico. Prefiro esse termo para caracterizar a situação brasileira porque o termo governismo tout court pode sugerir alguma forma de identificação política com o governo.  “Qualunquismo” – derivado de “qualunque”, qualquer um – é uma variante invertida  do hay gobierno soy contra. Mas a ela se conjugam o cinismo, o alheamento frente ao mundo da política.

A versão forte ou maximalista do argumento do lulismo é que finalmente os pobres acordaram de sua entorpecimento histórico. A meta-narrativa presente nesta visão é que – permitindo-me recorrer a um termo meio esquecido do léxico político – os pobres passaram a ter “consciência de classe”.

Que suporte empírico é mobilizado para sustentar o argumento do lulismo? O primeiro é que ocorreu uma inegável reorganização territorial do voto no Brasil a partir de 2006. O voto petista efetivamente concentrou-se nos estados mais pobres. Inferir o comportamento individual dos eleitores de dados agregados (neste caso, municípios ou estados mais pobres) é um dos erros elementares de análise estatística (a chamada falácia ecológica) , mas há evidências que os mais pobres de fato votam no PT.  Uma variante é que estaria ocorrendo uma polarização de base territorial. Esse argumento ecoa algo da literatura acadêmica sobre realinhamento partidário nos EUA.  Só que no Brasil não há nenhum equivalente à clivagem entre o norte e o sul nos EUA em torno da questão racial. Os quatro realinhamentos que essa literatura identifica – desde a fundação do partido democrata por Andrew Jackson até a década de 60 – tiveram ela como vetor. Não há evidências que qualquer fator regional esteja associado ao lulismo – como nos EUA ou mesmo em outros países na América Latina – , para além de comentários preconceituosos disparados no facebook. Nesse caso o argumento parece uma idéia fora de lugar.

O argumento do ”qualunquismo” tem sido defendido com base em evidências que o eleitor dos grotões sempre tende a apoiar quem está no governo, mesmo quando não mantem afinidades eletivas com ele. De fato, as pesquisas mostram que nas últimas cinco eleições presidenciais o voto nessas regiões tem sido invariavelmente governista. A lógica por trás do voto ”qualunquista” já foi discutida há mais de 50 atrás por Victor Nunes Leal em “Coronelismo, enxada e voto”. A dependência dos grotões frente ao governo central impelia os moradores dessas áreas a apoiarem o governo. A intensa competição política local era apenas “uma disputa para ver quem iria ter o privilégio de apoiar o governo central”.  Nesse sentido, o voto petista concentrado no norte/nordeste  não representou uma “marcha para o nordeste” mas apenas a chegada do partido ao poder. O privilégio de quem vai apoiar o governo central continuaria sendo disputado por elites atrasadas. A força intuitiva desse argumento  vem do fato de que o rol dos que tem o privilégio de apoiar o governo central é assustador: uma mirada para Alagoas e Rondônia, passando pelo Pará e Maranhão, seria suficiente. Quem está na oposição só tem a oferecer ideologia e princípios: por isso o PT, como o MDB antes dele, nasceu urbano e cosmopolita. Mas os testes estatísticos sustentam esse argumento robustamente.

Embora a tese do qualunquismo seja mais persuasiva e esteja firmemente ancorada em evidências, ela é ainda insatisfatória. A conquista dos grotões não é nada mais que um reflexo da consolidação da democracia no Brasil.  Quando se inaugura um mercado eleitoral competitivo – como o brasileiro – a tendência no médio e longo prazo é que ocorra um realinhamento de políticas. Essa é a essência do teorema do eleitor mediano – uma espécie de lei da gravidade da ciência política. Quando a renda é fortemente concentrada, a renda do eleitor mediano é significativamente menor do que a renda per capita. Haverá então pressões redistributivas  –  tanto mais fortes quanto maior o hiato de renda entre a mediana da distribuição de renda e sua média. Isso explica porque todos os principais  contendores da disputa presidencial atual apoiam o bolsa família ou até prometam elevar seu escopo e valor. A política de transferências sociais é o que os cientistas políticos denominam  “valence issue“.  Sua consensualidade – pelo menos no que se refere à redistribuição moderada de renda – implica que os políticos são avaliados apenas pela maior ou menor competência em garantir que os objetivos da política sejam atingidos. Assim não é o nordeste mas a maioria dos brasileiros, que tem baixa renda, que sob a democracia, apoia medidas redistributivas. O que há de novo na política nacional é a “federalização  do crédito político” com a política social, o que antes só existia na fixação do salário mínimo. A política de transferência de renda não tem intermediários:  o eleitor de baixa renda vota no presidente que redistribui mais e melhor  (e no oligarca local que aprova a emenda ao orçamento). Mas o eleitor se defronta com um dilema: se deixar de apoiar seu candidato local que garante benefícios estará dando um tiro no próprio pé. Nessas outras áreas de política há um intermediário: ele se alinhará ao que tiver mais chances – em geral o incumbente do cargo – qualunque!

 

–.-.-.–.-.-..-.-.-.-.-.-.-..-.-.—-.-.-.-.-.-.-.—.-.-.-.-.-.-..-.-.–.-.-.-.–.–.–

Hillary Clinton é uma vergonha até para os critérios de um criminoso dentro de uma penitenciária no Maranhão. É cínica, demagôga, a mulher mais mentirosa da história universal – feia por fora e hedionda por dentro. É perfeita para ser a mulher de Bill Clinton. Que casal !!! Como é que os Estados Unidos chegaram a esse ponto? E nossos intelectuais a consideram inteligentíssima, merecedora de ser a próxima presidente dos Estados Unidos. Sem duvida chegamos ao Apocalípse.  

 

 

 

Political Cartoons by Glenn McCoy

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Glenn Foden

 

 

 

 

Political Cartoons by Nate Beeler

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Lisa Benson

 

 

 

Political Cartoons by Gary McCoy

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Lisa Benson

 

 

 

 

Political Cartoons by Glenn McCoy

 

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Henry Payne

 

 

 

 

Political Cartoons by Jerry Holbert

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Glenn Foden

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Lisa Benson

 

 

25 janeiro, 2014 às 17:22

Tags:

Categoria: Artigos

Comentários (3)

 

  1. Marco Balbi disse:

    Cláudio! Eis que a petista esquerdista Eliane Catanhede publica a reportagem com o link abaixo:

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/149237-apos-criticas-defesa-ira-alterar-manual-para-tropas.shtml

    Postei a seguinte mensagem a respeito do assunto
    O borra-botas encagaçado e petista de carteirinha, que também cumpre expediente no MD, já deu uma de que assinou, sem ler, e vai voltar política e corretamente atrás. Ninguém quer dar nome aos bois e a boiada vai passar por cima de todos nós, democratas, inocentes úteis e companheiros de viagem. Iremos todos para um paredon, certamente será um pouco mais moderno que o empregado pelos irmãos Castro e Che em Cuba. Mas, podem se preparar!

  2. brasilacimadetudo disse:

    É possível mesmo que eles venham de Cuba e os Exm Sr Gen brasileiros prestem continência aos matadores, que ensinaram aos guerrilheiros do Brasil a matarem soldados. Sou praça da ativa aqui no Rio, na tropa considerada de elite. Observo a ignorância qual esses assuntos são tratados por oficiais subalternos, que desconhecem o FORO DE SAOPAULO e o básico da história brasileira, para mero conhecimento do cenário atual. Reconheço que não é de competência neste nível de comando, porém a total falta de descaso com material, mudança em instruções e melhoria profissional da tropa é tamanha que só dá para observar a auto punição. Os militares, agora, não passam de meros funcionários públicos que fazem sua própria máquina burocrática funcionar. Os comandantes vivem de apologias a épocas passadas repetindo o que ouvem dos mais antigos e nada de pro-atividade – por mais que cobrem de seus subordinados. O fato que era para acontecer, ao contrário do que há, era o incentivo da tropa com equipamento, instrução, profissionalização do soldados( que são temporários) e tudo mais que chama-se atenção para a criação de um espirito de corpo militar, culminando numa futura ação contra essa alta traição que o PT comete contra a nação brasileira e não esperar que seremos invadidos pelos EUA – pensamento atual. Ademais, continuo acompanhando seu blog e agradeço pelo real notícia que trás para nós.

    • claudiomafra disse:

      Alysson, muito obrigado pelo comentário que ilustra o blog. Continuamos escrevendo, um pouco desesperançados. Um forte abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *