A sensacional Laura Ingraham (entrevista traduzida,vídeos e fotos)

The Obama Diaries by Laura Ingraham

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=IAt_uGH95CI]

—————————

Sobre a proibição das burcas na França, e seu novo livro ‘Os Diários de Obama’ – Programa O’ REILLY FACTOR – FOX NEWS. Convidada  especial: Laura Ingraham

CLIQUE ABAIXO E VEJA O VÍDEO DA ENTREVISTA DE LAURA. DEPOIS DO VÍDEO TEMOS TODA A TRANSCRIÇÃO EM PORTUGUÊS:

CLIQUE :  http://video.foxnews.com/v/4281519/should-muslim-women-in-america-wear-burkas/

Esta é uma primeira transcrição feita às pressas, do programa “The O’Reilly Factor, de 13 de julho de 2010  e deve ser atualizada. Assista “The O’Reilly Factor”, de segunda a sexta, as 20:00  e as 23:00 hs, horário do Leste! (nota do programa)

Antes pudéssemos! No Bananão o horário mais cômodo era às 9 horas da noite, mas a SKY tirou a FOX NEWS da sua rede, sem dar a menor satisfação para ninguém. Deve ter sido pelo fato da emissora ser de direita, além do Glenn Beck, um dos seus âncoras, ter falado mal da maldita Petrobrás. A SKY deve ter recebido uma ordem do governo Lula (Marco Aurélio Garcia) mais ou menos assim:“Tira essa merda do ar ou vamos colocar a Receita Federal em cima de vocês!!”

COMEÇA A ENTREVISTA:

Bill O’Reilly (anfitrião): No segmento “História Pessoal” esta noite: A Sra. Ingraham tem um novo livro “Os Diários de Obama”, onde ela caçoa do presidente.

Laura Ingraham : Ah, por favor.

O’Reilly: Ora, vamos lá. Mas antes disso, hoje no Parlamento francês, eles votaram 335 contra 1 ( 335 contra 1 !) a favor da proibição do uso de véus pelas mulheres muçulmanas. E as enquetes dizem que 82% da população francesa defendem a proibição. Mas aqui na America, de acordo com o Centro de Pesquisas  Pew, 65% dizem que as mulheres muçulmanas deveriam ser permitidas de usar véus. Assim, parece que os Estados Unidos são bem mais tolerantes do que a França. C’est la vie.

Conosco agora, a Laura Ingraham. Tudo bem, o que você pensa? Você esta se mudando para a França por causa disso? Esta se mudando para lá?

Ingraham: Bem Bill, primeiro eu perguntei aos seus produtores. Eles disseram que eu absolutamente não podia usar uma burca inteira.

O’Reilly: Eu disse que estava Ok. Eu liberei.

Ingraham: Eu o vi no hall de entrada. Eu queria usar a burca inteira com aquela tela, sabe, o Taleban, a assustadora burca. Aqui está o que eu penso: Os muçulmanos americanos na sua maioria…

O’Reilly: Certo.

Ingraham: … não todos, mas a maioria tem feito um trabalho muito melhor de assimilação à sociedade americana.

O’Reilly: Sem dúvida.

Ingraham: Então, americanos não tem o mesmo, você sabe, oh meu Deus, estamos no limite. Estamos no limite aqui.

O’Reilly: Certo.

Ingraham: Mas eu penso que na Europa, é bem diferente. E parte da culpa está com os europeus. Não ficar garantido que as pessoas, abracem a cultura européia, trazendo-as para mais perto, incorporando-as. O que devemos ver nesse vídeo, você esta vendo agora, isto não é uma declaração religiosa, Bill. Isto é uma sentença de subjugação. Quando você vê como eu tenho visto…

O’Reilly: Aos olhos dos ocidentais, é.

Ingraham: Não, não. É um símbolo de subjugação. Quando passei um tempo na África…

O’Reilly: Espera um pouco, deixe-me provocá-la em relação a isso.

Ingraham: Não…

O’Reilly: Porque houve um caso há poucos anos atrás, e você deve se lembrar, onde havia uma mulher americana que se casou com um saudita. E eles se apoderaram dela lá. E nos poderíamos tê-la tirado de lá com a ajuda da Embaixada Americana. E ela disse não, eu não quero. Eu acredito nisso.

Ingraham: Bem, bom. Ela pode ficar lá. Para mim, tudo bem.

O’Reilly: Certo. E ela ficou. A maior parte das mulheres muçulmanas que usam esse traje, usam esses véus e burcas, elas acreditam que é assim que deve ser.

Ingraham: Bem, eu não acho que temos certeza sobre isso.

O’Reilly: Agora, as mulheres ocidentais…

Ingraham: Nós estamos realmente confiando nessas pesquisas sobre mulheres muçulmanas, que são dominadas pelos homens ?

O’Reilly: Bem…

Ingraham: Dos quais muitos deles são misóginos…

O’Reilly: Estive nesses países e culturas o suficiente…

Ingraham: … e as tratam como um bem, um objeto pessoal. Bill, quando eu estava na África do Sul…

O’Reilly: Eles sofreram lavagem cerebral.

Ingraham: …há poucos anos atrás, eu estava – eu nunca vou me esquecer disso. Eu estava indo para Table Moutain na Cidade do Cabo. Naquele bondinho subindo e o bondinho estava cheio de mulheres muçulmanas com seus maridos. E eles, todos, usavam trajes ocidentais, shorts e sandálias, você sabe, e examinavam as outras mulheres no bonde. Sinto muito. E atrás deles havia mulheres que só se podia ver a fenda de seus olhos, que estavam, sabe, amontoadas lá atrás, e pareciam, sinto muito, pareciam muito desconfortáveis.

O’Reilly: Ok.

Ingraham: Eu não gosto disso. A America não é assim.

O’Reilly: Você acredita que a maioria das mulheres muçulmanas deseja sair disso? Será que elas não gostam?

Ingraham: Eu não disse – acho que não sabemos, mas eu sei sim, o que a America é. America é feita de relacionamentos, relacionamentos pessoais. Você pode cobrir sua cabeça, mas eu quero ver a sua cara.

O’Reilly: Certo.

Ingraham:  As freiras se cobrem, mas suas cabeças, você sabe. Tudo bem. Nós queremos ver suas faces.

O’Reilly: Então você pertenceria aos 65% que diz sim aos véus?

Ingraham: Queria ver a cara das pessoas. Queria ver a cara.

O’Reilly: Então você esta com a minoria sobre isso?

Ingraham: Estou feliz em estar nessa minoria. É um caso de segurança nacional.

O’Reilly: Então você proibiria mulheres muçulmanas americanas?

Ingraham: Penso que é um caso de segurança nacional quando as pessoas vão a lugares públicos. Temos câmeras em todos os lugares; temos que ser capazes de ver.

O’Reilly: Então você esta a favor dos franceses? Você está apoiando os franceses?

Ingraham: Nessa instancia, sou totalmente pelos franceses. Posso falar em francês com você?

O’Reilly: Vá em frente. ‘Croissant’.

Ingraham: Não, eu não, desculpe.

O’Reilly: Não?

Ingraham: Não faça isso.

O’Reilly: Croissant?

Ingraham: Sou espanhola e russa. Este é o meu caso.

O’Reilly: Tudo bem. Tudo bem. Senhoras e senhores, Ingraham está do outro lado, é contra o véu.

Tudo bem, agora o seu livro; Laura me mandou uma copia antecipadamente porque, na realidade, estou em muitas partes dele, mas você esta zombando do presidente e do vice-presidente dos Estados Unidos. Como ousa?

Ingraham: Bill, aqui esta o que eu penso que tem acontecido nos últimos 19 meses, por aí. Estamos vendo a America lentamente, porém, seguramente se desmantelando. Nosso sistema de mercado livre esta sob ataque.

O’Reilly: Então você esta na zona Glenn Beck?   NOTA DO BLOGfamoso jornalista de rádio, TV,  apresentador do The Glenn Beck Program, na Fox News,  acredita que o governo Obama é uma conspiração de esquerda para transformar os Estados Unidos. Glenn foi capa do Time por essa causa.

Ingraham: Nossa fé esta sendo atacada. Acho que o que esta acontecendo é que os americanos em geral…

O’Reilly: Certo.

Ingraham: Talvez eles não estejam totalmente na “spin zone” ou na “‘No Spin Zone” ( não estariam mentindo totalmente -alusão ao próprio programa de O’Reilly que tem essa frase como lema, ou seja, “sem mentiras, sem enrolação”). Mas eles estão vendo – espera um minuto – a ficção é que o incentivo (stimulus), iria criar empregos. A ficção é que, de alguma forma a reforma da saúde iria diminuir nossas taxas de planos de saúde. Isso iria ser melhor para os pacientes. Nada disso vai acontecer.

O’Reilly: Ok. Olha, você esta certa porque as pesquisas hoje, a CBS tem uma nova pesquisa de opinião, a ABC também tem uma nova pesquisa.

Ingraham: São devastadoras.

O’Reilly: Certo.

Ingraham: Acho que você é a única pessoa que esta dando a eles o benefício da dúvida.

O’Reilly: Não estou dando nada a eles. Estou apenas informando honestamente.

Ingraham: Oh, você tem uma ‘queda’  por Obama.  NOTA DO BLOG: Bill O’Reilly tem a maior audiência de programa de notícias comentadas em todo os Estados Unidos. Lidera o ranking há nove anos. É muitíssimo vaidoso e arrogante. Bem, quando ele entrevistou Obama, antes das eleições, falou um tempão sobre o fato e, curiosamente, se achou o máximo por causa da entrevista. Um dia, em um rápido debate com Laura Ingraham teve a coragem de dizer displicentemente, com afetada imparcialidade: “Eu não tenho nada contra Obama”. Ela deu uma resposta sarcástica: “Você só pode estar brincando!!, que escrito não tem a mesma força.

O’Reilly: Isso é bobagem. É uma bobagem total.

Ingraham: Tem sim.

O’Reilly: Não, não.

Ingraham: Quero dizer, você mostrou em seu ‘Talking points’ (a parte introdutória do programa, o editorial, do programa)

O’Reilly: Se você me der um exemplo de uma situação onde eu os tratei injustamente, no bom sentido.

Ingraham: A primeira vez de Michelle Obama na política. Você disse aquilo no “Talking Points Memo”. Primeira vez na política.

O’Reilly: Eu não disse primeira vez.

Ingraham: Não, você disse que era a sua primeira real incursão em política.

O’Reilly: Ela falou de política. Foi  uma das primeiras vezes que ela falou desde…

Ingraham: Todo o jardim é política.   NOTA DO BLOG: Ingraham está se referindo á um documentário que foi feito dentro da Casa Branca, uma verdadeira propaganda dos Obamas. Em determinado momento Michelle aparece mostrando um jardim e uma horta. Insiste em que é uma inovação, nunca existiu antes, faz uma apologia dos adubos orgânicos, e fala sobre as crianças que cuidam e consomem as verduras.

O’Reilly: Todo o jardim?

Ingraham: O jardim é tudo sobre a reforma de saúde.

O’Reilly: O jardim?

Ingraham: Deu a ela uma plataforma política.

O’Reilly: Cultivando morangos. Isso é político.

Ingraham: Você conheceu Michelle nos “Diários”?

O’Reilly: Você esta louca ou o que?

Ingraham: E a mãe dela? Bill, você conheceu a mãe dela nos “Diários”, e eu sei que você pensa que isso é ficção. A mãe dela…

O’Reilly: Sim.

Ingraham: …viu o Serviço de Parques Nacionais plantando mudas já crescidas…

O’Reilly: Sim.

Ingraham: …naquele jardim.

O’Reilly: Então isso…

Ingraham: E então, as crianças vêm e arrancam inhames do tamanho de uma bola de basquete.

O’Reilly: Certo, e isso é político? O jardim é política para você?

Ingraham: O jardim dá a ela uma plataforma conveniente para a reforma da saúde.

O’Reilly: Certo. E isso é político.

Ingraham: E agora deixamos que ela fale sobre a reforma da saúde. Isso é “No Spin Zone”?  Será que eu vou voltar para aquele copo de ‘Kool Aid’ agora mesmo, Bill? (Kool Aid, suco artificial; beber ‘Kool Aid” tem o sentido figurativo de acreditar piamente em uma missão ou filosofia).

O’Reilly: Tudo bem.

Ingraham: Sim ou não? Quero dizer, você e Michelle.

O’Reilly: Quero dizer…

Ingraham: O que – é justamente…

O’Reilly: Estou tentando entender isso. Estou tentando.

Ingraham: Bill, Bill?

O’Reilly: Porque o jardim é político porque de alguma forma ele retoma a questão da saúde.

Ingraham: Bill, é o alvoroço. É o foco na Primeira Dama como mãe e jardineira-em-chefe…

O’Reilly: Sim.

Ingraham: … porque ninguém nunca teve um jardim. Ninguém na Casa Branca teve um jardim.

O’Reilly: Então você é contra o jardim?

Ingraham: Abigail Adams (esposa de John Adams, segundo presidente dos Estados Unidos). É pura… é balbúrdia.

O’Reilly: Tudo bem.

Ingraham: É o que precisamos para falar. E “Os diários de Obama” é uma forma de decodificar…

O’Reilly: Mas eu só quero explicar para a audiência o que eles estão comprando aqui, porque acho que o livro vai ser um sucesso. Você elaborou isso. Isso é sátira.

Ingraham: Não, Bill, em primeiro lugar, o que é ficção aqui? O que é fato e ficção na terra de Obama? O projeto de lei de incentivo é fato e ficção? Estamos tentando com Gibbs e o Major Garrett para confirmar esses diários. Eles não vão confirmar.

O’Reilly: Posso projetar uma coisa? Você é realmente Glenn Beck? Você esta aí de baixo, Beck? Você esta na pele de uma Laura Ingraham?

Ingraham: Fato ou ficção? O projeto de lei de incentivo vai criar empregos? Ok.

O’Reilly: Ficção.

Ingraham: Ficção.

O’Reilly: Ficção, ficção.

Ingraham: Eles são mestres da ficção. Estou simplesmente mostrando.

O’Reilly: Então você esta imitando, copiando.

Ingraham: Você terá que decidir por você mesmo.

O’Reilly: Sra. Laura Ingraham esta copiando a administração Obama escrevendo ficção baseada na ficção deles.

Ingraham: Sabe que ele te chamou de tolo?

O’Reilly: Quem?

Ingraham: Obama.

O’Reilly: O que? No seu livro? É um ultraje.

Ingraham: Ele diz que você é furtivo, sub-reptício. Você tenta armar armadilhas para as pessoas no “No Spin Zone”.Ele gosta de acompanhar Brian Williams naqueles eventos ‘gourmets’ de hamburgers.  Aquilo é ‘spin zone’.

O’Reilly: Ok.

Ingraham: Ele gosta de estar lá.

O’Reilly: Tudo bem, o livro chama-se “Os Diários de Obama”, pessoal. E todos vocês que tem jardins por aí, é melhor parar já.

Ingraham: Ah, por favor. Você esta apaixonado por essas pessoas. Você esta apaixonado por elas. 

TRADUÇÃO: Célia Savietto Barbosa

23 julho, 2010 às 19:42

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *