Arruda : alguma surpresa ?

bags-of-money

Os analistas e formadores de opinião já deveriam ter formulado alguma coisa mais complexa do que apontar a impunidade para explicar a roubalheira no Brasil. Sem dúvida, impunidade é crucial, mas não esgota a discussão do fenômeno.  O mercado financeiro trabalha há quarenta anos com a hipótese de quem está no poder ou está roubando, ou vai roubar. E tem se dado muito bem  com essa premissa. Da mesma forma, empresários que prestam serviços aos diversos governos partilham da mesma convicção. A quantidade de roubos evidencia algo além da impunidade. Não é apenas a repressão que evita crimes, mas também os valores morais que cada um carrega dentro de si. Parece que esse valores desapareceram do Brasil.

Por que os corruptos enfrentam tão bem a opinião pública quando são descobertos? Por que razão se mostram tão seguros, tão confiantes, com os agressivos repórteres e seus microfones? Não é  estranha a frieza , a calma, o desprezo que  Renan Calheiros mostrava quando questionado ? Por que Maluf nunca perdeu a pose?  Por que Sarney resiste tão bem á todas as pressões ? Simplesmente porque sabem que no lugar deles a grande maioria das pessoas (políticos e não- políticos), estaria fazendo a mesma coisa. Exatamente isso. Essa é a tremenda verdade. Essa é a fonte da confiança que dá a eles uma força que nos surpreende, que faz com que fiquemos meio perdidos com tanta tranqüilidade na defesa do indefensável. Eles  conhecem mil outras falcatruas que nunca foram descobertas, de amigos ou adversários, e vêm como pecado apenas o fato de terem sido apanhados. Não se conformam em serem acusados por aqueles que eles têm certeza que, ou já fizeram,  ou fariam a mesma coisa se lhes fosse dada a oportunidade. Não sei em que momento da nossa história as pessoas jogaram para o alto sua dignidade e passaram a ter um preço. Talvez, apenas como palpite, a nossa completa desmoralização tenha começado no momento em que general Figueiredo anunciou o seu ministério, um ninho de consagrados corruptos.  ( 1979?)

O Brasil é o quinto país do mundo em tamanho,  tem uma população imensa, e está crescendo econômicamente.  O dinheiro movimentado é diretamente proporcional a essas grandezas, ou em outras palavras, são números gigantes. Quem rouba 100 mil dólares no Paraguai é o presidente da república, e por aqui é o chefe de gabinete de algum ministro.  As fundações, ou fundos de pensão, aplicam milhões de dólares, todos os dias, e ALGUMAS ( remember Paulo Francis), roubam quase todos os dias. Não é força de expressão, ou eu diria todos os dias. De vez em quando estoura um escândalo com uma delas e, em pouquíssimo tempo, já nem se fala no assunto.  Quando o envolvido é um governador, e ainda mais governador importante, participante de cenas cinematográficas, o fato torna-se motivo de  interesse porque estamos falando de política. Essa é a diferença. E até na denúncia do roubo acontecem equívocos. O caso Arruda é um bom exemplo. Essa historia de cinquenta mil reais, para cá cem mil para lá, não representa o que está acontecendo. Um governador de estado rouba milhões, e não apenas essas dezenas de milhares. Além da compra de fazendas, apartamentos, o  dinheiro é depositado no exterior (disso o mercado também se encarrega), e o fato de terem sido filmados esses momentos em que quantias “mínimas”  trocam de mãos , não mostra o verdadeiro quadro das enormes importâncias envolvidas.

Quando alguém é nomeado para algum cargo importante, se é prerrogativa da pessoa alocar recursos  em  aplicações financeiras, ou compras de imóveis, ou o que seja que envolva dinheiro, alguém no mercado procura imediatamente saber quem é amigo de quem, para então chegar ao novo czar, antes dos concorrentes. Rapidamente essa pessoa é localizada e começam os contatos. Os números apresentados ao novo dono do cargo são estonteantes. Seus sonhos podem se realizar. E, com raras exceções, logo a pessoa é convencida de que “ se todo mundo faz e eu não vou ser bobo”.  Isso quando a sua nomeação já não foi programada exatamente para que seja uma fonte de recursos para os que estão no poder. Nesse caso tudo já foi preparado, tudo já foi combinado com o escolhido. Trata-se de um cúmplice do governo em operações fraudulentas.Esse comportamento está se tornando a regra, excedendo em muito o primeiro exemplo a que me referi. As minas de ouro no governo já são bastante conhecidas, e por isso a briga de foice por esses lugares. Outro dia, Fernando Henrique  referiu-se ao poder financeiro das fundações como instrumento político. O governo conta com esses fundos de pensão  tanto para fins particulares de enriquecimento quanto para corromper.

Os corruptos ganharam confiança porque contam com a conivência dos aparelhos policial e judiciário. Quantas investigações pararam no meio, ou nunca chegaram ao nosso conhecimento porque os policiais foram subornados ? Nós não sabemos.  Até pouco tempo achava-se que a Justiça fosse imune às tentação do dinheiro. Impossível. Os juízes também têm os seus sonhos, e tornaram-se venais.  É uma situação tão dramática que até agora eu não consegui ler nada que pudesse ser o esboço de um plano,  ou nem mesmo uma boa idéia para resolver essa situação. Só se fala em impunidade. Como resolver o problema da impunidade ? Como punir, se os agentes da punição também são subornaveis? Não quero falar nos salários dos policiais e dos juízes, porque infelizmente já passamos dessa fase.  Agora é tarde. Nenhum pagamento mensal vai cobrir o que pode ser oferecido por grandes traficantes ou corruptos da máquina governamental, incluindo governadores. A corrupção é  feito um câncer. Mais facil de ser tratada no início.

Não tenham dúvidas, os casos descobertos são uma fração mínima do que está ocorrendo. E, se deram errado, houve alguma falha no meio do processo do roubo. Quase nunca  acontece em virtude da honestidade de algum santo que por acaso estava no meio do caminho. O mais normal é alguém ficar inconformado por ter sido deixado de fora, ou a impossibilidade de comprar todas as pessoas da lei (porque as vezes são muitas) e a operação acaba vindo a público.

A sociedade brasileira está corrompida até os ossos.  Não vamos fazer a distinção infantil entre políticos canalhas e povo bonzinho  Outro dia eu assisti alguém dizer que era honesto, incorruptivel, para uma poderosa figura do governo. A resposta veio cortante: “ E como é que você sabe  disso? Você nunca esteve em nenhum lugar estratégico para alguém te oferecer dinheiro!!!” Exatamente. Infelizmente, no Brasil, só vendo para crer. Eu jamais acreditarei que um presidente de fundo de pensão e seu diretor financeiro sejam honestos. Está fora de questão. Se você,  leitor, tem COMPLETA intimidade com alguma pessoa do mercado financeiro faça a ela essa pergunta.

A mulher do ex-governador, senador, prefeito,  Newton Cardoso, brigou com o marido e, para prejudica-lo,  disse que ele tem uma fortuna de 2 bilhões e 500 milhões de reais. Atingido, o sujeito resolveu espezinhar e disse que não, o que ele tem  são 3 bilhões!  Fantástico. Como é possível  justificar esse patrimônio, se chegou pobre na prefeitura de Contagem em Minas Gerais?   Onde está a Receita Federal ? Hum, se você se esquecer de colocar o seu carro na declaração de imposto de renda pode ser chamado a se explicar.  O que vocês acham que está  acontecendo ? Ele é conhecido como um dos maiores corruptos do país.  Como essa figura faz o seu imposto de renda ? O que se passa TODO ANO entre ele e a Receita Federal? Como é possivel que ele tenha cento e tantas fazendas, como a revista Veja noticiou,  e ande calmamente pelas ruas ? Os famosos ” sinais exteriores de riqueza” já não preocupam os corruptos como no passado.

Há vinte e cinco anos atrás o mercado sabia ( apenas o mercado ) que a maior fortuna cash do país era de Orestes Quércia. Conversando com o senador Fernando Henrique eu disse que achava interessante que a pecha de corrupto não grudasse naquela figura,  como em Maluf, por exemplo. Ele pensou e disse, “ é, você tem razão, nele não gruda mesmo”. De lá para cá, tudo mudou.  Quércia é reconhecidamente tido como corrupto.  De prefeito de Campinas para a maior fortuna líquida do Brasil. De que maneira ele conseguiu enganar a Receita ?

Houve algum choque com a notícia de que Arruda está roubando ? Estendam seus olhos para outros governadores e prefeitos. Eles vão se esquivar da oportunidade de ficarem ricos se acharem que o risco vale a pena ? Depois de tudo que vocês viram nessas últimas décadas ainda existe a surpresa ?

Por último: os jornalistas não sabem nem metade do que acontece no país. Esse é um privilégio do mercado financeiro.

__Img04_12

4 dezembro, 2009 às 10:11

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *