Artigo de Ann Coulter sobre a violência dos Liberais

O vídeo abaixo mostra o momento em que Ann é quase agredida por um homem que tenta jogar uma torta em seu rosto. Virou moda nos EUA e na Europa esse tipo de violência, geralmente recebida com humor pelas vítimas, que costumam comentar o sabor da torta

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=YPsU-kSBnwI]

 

 

Nota do blog- Ann analisa um fenômeno clássico: os  Democratas e Liberais sempre mantiveram os Republicanos e Conservadores na defensiva, insultando, caluniando, e fazendo os que lhes dá na telha, enquanto as vítimas continuam, há décadas, extremamente educadas, sem entenderem que o jogo é outro. A imagem que chega ao Brasil, e pelo mundo afora, é que os republicanos são broncos e violentos, enquanto os democratas são inteligentes e gentis. É exatamente o contrário, mas a mídia, toda ela liberal, nos faz de bobos.

COM AMIGOS FEITO ESSES QUEM PRECISA DE INIMIGOS ? 

Enquanto seguem comprometidos com espantosa depravação, vulgaridade e violência  para com os republicanos, os liberais agora acusam ativistas amáveis e cumpridores da lei,do movimento político “Tea Party”,de serem racistas violentos.

Respondendo a essas acusações indignas, os “sábios” conservadores da televisão pensam ser uma grande represália dizer:“Existem radicais em ambos os lados”.

Ambos os lados? Realmente? E que tal: “Isso é uma mentira desprezível”? Esta réplica não ocorreu a vocês, seus cretinos de sorrisos afetados, como uma possível resposta à caluniosa alegação de que os conservadores são racistas veementes?

Todas as acusações de “racismo” em reuniões  anti-Obama até agora se tornaram completamente falsas. A mais notória foi a alegação de que um congressista negro foi cuspido e outro chamado de “N”‘ 15 vezes, num encontro contra a reforma de saúde de Obama,no Capitólio, em março último.

O particularmente sensível deputado Democrata Emmanuel Cleaver, talvez andando muito perto de um manifestante que cantava “Kill the Bill”*, foi atingido por alguma gota de saliva – e por um momento pensou que era um “Freedom Rider”!**  Quando observadores contestaram o relato de Cleaver – comprovadamente evidenciado em vídeo – ele  retirou sua queixa de ter sido cuspido

*Kill the Bill:

**Freedom rider: ativista dos direitos civis (N. do T.)

A difamante queixa de que um manifestante  chamou o herói dos direitos civis John Lewis de ‘negro’ 15 vezes foi uma mentira ultrajante –  queixa nunca feita pelo próprio Lewis – mas fomentada infindavelmente por repórteres com olhos cheios de lágrimas, e cuja maioria não sabe contar até 15.

A mídia nunca se retratou, mesmo depois que a alegação do xingamento de “negro’ provou-se ser falsa, com uma ainda não coletada recompensa de 100,000 dólares por dois segundos de vídeo com evidencias de uma manifestação rasteira,desse tipo, mesmo com as câmeras de vídeos e de repórteres famintos por um ato de racismo.

É como ver Hitler denunciando histericamente a Polônia por ser má com a Alemanha nazista enquanto os comentaristas de TV poloneses defendem a Polônia dizendo: “Existem falhas em ambos os lados”.

Enquanto isso, nós temos sim, um vídeo mostrando a presença  dos Novos Panteras Negras com cassetetes, do lado de fora de uma  zona eleitoral na Filadélfia em 2008, ameaçando eleitores de cor branca que tentavam votar. E existem  sequências  de vídeo de Sarah Palin, Karl Rove, Condoleezza Rice bem como um monte de oradores da escola conservadora sendo atacados por liberais enlouquecidos. Nota do blog: eu vi inúmeras vezes vídeos desse tipo, inclusive Ann Coulter sendo impedida de falar, primeiro pela violência, e depois pela própria reitoria, em uma universidade no Canadá.

Nós também temos provas dessa inclinação dos liberais para a violência, em inúmeras gravações de prisões. Os manifestantes liberais na Convenção Nacional Republicana de 2008 foram presos por amassar carros de policia, rasgar pneus, quebrar vitrines de lojas e por estarem de posse de coquetéis molotov, bombas de napalm e variadas armas de fogo. (Se pelo menos eles pudessem encorajar esse tipo de espírito de luta em campos de batalha estrangeiros.)

Não houve prisões de conservadores na Convenção Nacional do Partido Democrata.

Durante as duas eleições passadas, sedes de campanha  eleitoral  de Bush e McCain pelo país foram repetidamente vandalizadas, saqueadas, assaltadas e alvejadas (por leais defensores  do controle de armas,sem dúvida); os cartazes da campanha de Bush e McCain foram incendiados; e voluntários da campanha republicana foram atacados fisicamente.

Foi um dia bom aquele em que uma imagem de George Bush  comparada com a de Hitler ou, mais inofensivamente, com a de um macaco, foi apenas  queimada.

No outono de 2008, os seguidores de Obama jogaram gás lacrimogênio em voluntários idosos num escritório da campanha de McCain em Galax, Virginia. Em ataques separados, meia dúzia de liberais lançaram coquetéis molotov,  pisaram e rasgaram cartazes de McCain  na frente de casas de família perto de Portland, Oregon. Um defensor de Obama quebrou um cartaz de McCain que estava sendo carregado por uma mulher pequena, de meia idade, em Manhattan, antes de acertá-la na face com o cabo. Esses são só uns poucos atos de violência da esquerda, muito numerosos para serem catalogados.

Houve prisões em todos esses casos. Não houve, entretanto, absolutamente nenhuma cobertura nacional dos ataques perpetrados pelos defensores de Obama.

Obama corre perigo com os membros do “Tea Party”! Os poloneses estão se mobilizando na fronteira!

Desde que Obama se tornou presidente, a única violência gravada em “Tea Parties” ou câmaras municipais foi cometida por liberais. No último outono, um conservador teve seus dedos mordidos por um homem de uma multidão da MoveOn.org, em Thousand Oaks, Califórnia. Dois brutamontes do Sindicato Internacional  dos Empregados de Serviços foram acusados de espancarem um afro-americano que vendia adesivos anti-Obama para parachoques em um “Tea Party” em St.Louis, em agosto de 2009.

Nomes respeitáveis e antigos do Partido Democrata referiram-se ao “dialeto Negro” de Obama (Harry Reid), disseram que ele estaria levando café para eles há alguns anos atrás (Bill Clinton), e o chamaram de inocente, educado (Joe Biden). Nota do blog: isso foi muito interessante. Esses três personagens realmente trataram Obama feito um “negrinho”, o que pode ser um tremendo ato falho. Sabe-se que Hillary muito tempo atrás deu um grito em seu escritório: ” A culpa é daquele judeu filho da puta!”

Assim, eu penso que talvez quando os conservadores forem chamados de racistas na TV, em vez de dizer: “Há elementos radicais em ambos os lados”, os comentaristas conservadores poderiam pensar em dizer: “Isto é uma completa mentira”.

Os liberais explodem de raiva quando os acusamos de serem impatrióticos com base em 50 anos de comportamento traiçoeiro. Eles não possuem nenhum exemplo de racismo pelos conservadores, mas o melhor que nosso porta-voz pensa em dizer quando acusado de racismo é: “Nenhum homem é perfeito”.

Os conservadores que preferem serem bem recebidos na TV como extraordinariamente moderados do que falar a verdade, deveriam encontrar outra linha de trabalho e parar de difamar o conservadorismo com suas considerações tipo “ambos os lados”.

TRADUÇÃO: Célia Savietto Barbosa

7 agosto, 2010 às 00:08

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *