Assim é dificil: O medroso artigo de Rodrigo Constantino; Tópicos

Img_12092013_b
 O general e o Fidel fracassado
A respeito do artigo de Rodrigo Constantino sobre os 40 anos do golpe de estado no Chile, onde o articulista mostra a tentativa de Salvador Allende em cubanizar seu país, fiz alguns comentários. Estou cansado de ver bons articulistas evitarem ir fundo em suas apreciações temendo bater de frente com mentiras consagradas. É profundamente irritante.  Faço meus comentários em primeiro lugar, e o artigo encontra-se logo abaixo. Deveria ser o contrário, mas infelizmente só pode ser assim.
-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-..-.-.-..-.-.–.-.–.-.-.-..-..-.-.-.-.-.-..-..-..-.
O artigo é bom, mas infelizmente, seguindo a regra, existe o medo de afirmar que Pinochet foi um herói -o que Tatcher, Paul Johnson e mais um caminhão de pessoas muito mais inteligentes, mais bem informadas e mais corajosas do que o articulista mostram em seus livros. Além da decisão de derrubar Allende, o que exigiu fibra, destemor, e convicção de um dever a ser cumprido, Pinochet ainda suportou uma imensa pressão mundial, principalmente dos EUA (Jimmy Carter),e não se dobrou. Pode-se imaginar sua dificuldade para governar o Chile. E também não aguento mais ospassaportes” usados para tornarem esses artigos palatáveis. Diz o autor:Nada disso pretende justificar os anos que se seguiram do regime de Pinochet. Ditaduras não merecem aplausos    É medroso e irracional. Inúmeras ditaduras merecem aplausos.  Vide Egito. Além do mais é dificil acreditar que Rodrigo Constantino seja contra Allende e ao mesmo tempo contra Pinochet, mas temos a frase vaselina: “Allende, neste sentido, foi o pai político de Pinochet.Sem aquele não teria existido este”
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.
Este artigo é um ótimo exemplo para entendermos porque não conseguimos enfrentar a máquina esquerdista.  O pavor em admitir Pinochet como salvador do Chile nos diminui, nos coloca sem apelação ao lado dos acovardados. Eu não quero ser confundido com quem pensa assim, mas pelo comportamento de outros sou jogado na mesma canoa.  A versão que temos dos anos que se seguiram do regime Pinochet” é da esquerda, caro Rodrigo Constantino. A esta altura do campeonato ainda é preciso alertá-lo ? Não sabemos o que houve. Excessos ? Claro que sim, o que é natural nessas situações, mas precisaríamos conhecê-los, nem que fosse em parte. Seria bom deixar de lado, por exemplo, tortura de crianças, uma afirmação que circula com o maior descaro e que o senso comum nos induz a não acreditar nela.
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.—–.-.-.-.-.–.-.—
É preciso levar em conta que os torturadores(psicopatas fora) sabiam que Allende preparava para o Chile um regime soviético, cubano, leste-europeu, e estavam com as mãos justamente em cima daqueles que seriam os responsáveis pelo horror do qual haviam escapado, tanto eles quanto suas famílias.  Quem trabalha no aparelho policial geralmente é violento por natureza, e numa situação dessas é facil imaginar que não consideravam nada frágeis (e por regra não eram), dignos de compaixão (alguns), os sujeitos que interrogavam- torturavam. Acima de tudo não queriam dar chance a que o Chile corresse o mesmo risco outra vez. Podem ter sido brutais? Certamente que sim.
.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.—-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.–..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-
Este é um artigo para ser aplaudido por 99% de anti-petistas, além de Vargas Lhosa, Almodovar, entre muitos “notáveis” que se manifestaram contra Pinochet em nossos jornais, o que foi matéria do blog. Ocioso dizer que o mundo inteirinho, com raríssimas exceções, considera o general um demônio. Seu nome tornou-se sinônimo de perversidade, inclusive entre os que pensam haver escapado da lavagem cerebral. Acabo de ler um artigo do Serra no Estadão a respeito da sua experiência naqueles dias em Santiago. Nada de novo, além da auto-promoção. Termina mostrando por quê jamais devemos votar nele: ” Os valores que me fizeram resistir (!) estão vivos em mim e definiram para sempre a minha vida de homem público”. 
´.´.´.´´.´.´.´.´.´.´.´.´´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´.´´´.´.´´´.´.´.´.´.´.´´
O ARTIGO:
 -.-.-.-.-.—.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.—.-.-.-.-.-.-.-.–.-.—
 

Quarenta anos do golpe que derrubou Allende no Chile. Mas o golpe veio antes!

Rodrigo Constantino

 

Hoje faz 40 anos do golpe militar liderado por Augusto Pinochet que tirou Salvador Allende do governo chileno. Um artigo de Vladimir Safatle ontem contém tanta inverdade que preciso rebater logo os mitos e a vitimização da esquerda.

Falaremos de seu governo e dos motivos que o levaram a ser deposto. Antes, as mentiras de Safatle:

País historicamente avesso a intervenções militares, o Chile era, até 11 de setembro de 1973, um dos mais inovadores laboratórios de transformação social do Ocidente.

Salvador Allende liderou um governo que procurava, ao mesmo tempo, superar índices vergonhosos de desigualdade econômica, enquanto aprofundava mecanismos de democracia direta e de respeito às estruturas da democracia parlamentar. Seu caminho era uma via inovadora entre as sociedades burocráticas do Leste Europeu e as dos países capitalistas.

Na verdade, tal caminho encarnava o medo mais profundo de países como os EUA em plena Guerra Fria. Tratava-se do medo de uma experiência capaz de aproximar práticas socialistas de redistribuição de riquezas com uma democracia pluripartidária.

Os fatos: Allende liderava uma tentativa de golpe socialista dentro da democracia, tal como Hugo Chávez conseguiu fazer décadas depois, na Venezuela. Seu governo era uma afronta constante aos preceitos constitucionais do país, e uma aberração econômica.

Allende não foi eleito presidente do Chile por uma maioria absoluta. Ele recebeu apenas 36,2% dos votos, contra 34,9% do candidato conservador, e 27,8% do candidato democrata-cristão. Em outras palavras, mais de 60% dos eleitores não queriam Allende no poder.

Mas no Chile não havia um segundo turno para situações como esta. Cabia ao Congresso completar a eleição. Uma aliança entre os dois outros partidos poderia, dentro da Constituição chilena, colocar outro candidato em vez de Allende na presidência. Não havendo consenso entre eles, Allende acabou sendo indicado, mas não sem antes um compromisso de que ele não iria desrespeitar a Constituição do país (tal receio já existia na época das eleições).

Uma vez no cargo, Allende iria ignorar tal compromisso, e governar com a meta de destruir a própria democracia, promovendo uma ruptura social e institucional no país. Logo no começo este objetivo ficou evidente. A tradição chilena era que o presidente eleito estendesse a mão aos que não haviam votado nele, assumindo a postura de presidente de todos os chilenos.

Allende preferiu romper esta tradição, anunciando que suas ações partiriam da premissa de que existiam, no Chile, conflitos de classe irreconciliáveis. Quais classes seriam privilegiadas estava evidente nas bases do governo: movimentos revolucionários de esquerda, grupos que se preparavam para uma guerra civil inspirada nas táticas de Che Guevara.

O ex-presidente Eduardo Frei afirmou que os allendistas “aplicaram deslealmente as leis ou as atropelaram abertamente”, desrespeitando inclusive os Tribunais de Justiça. O governo interferiu nas eleições sindicais, favorecendo grupos aliados ou criando grupos paralelos quando seus aliados perdiam as eleições.

Eles chegaram a propor a substituição do Congresso por uma “Assembléia Popular” e a criação de “Tribunais Populares”, algo semelhante aos “tribunais do povo” dos jacobinos na era do Terror. Uma Guarda Pessoal foi criada em 1971, altamente armada. O sistema de educação seria convertido num processo de doutrinação marxista.

A Corte Suprema da Justiça, por unanimidade, censurou o Poder Executivo por desrespeitar sistematicamente as decisões dos Tribunais. No segundo semestre de 1973, já não havia dúvidas de que uma ditadura totalitária estava sendo instaurada no Chile. Milhares de representantes da extrema esquerda foram para o Chile, e a embaixada cubana virou um verdadeiro ministério paralelo.

Escolas de guerrilha foram criadas, treinando paramilitares sob a proteção do governo. Houve uma acelerada importação clandestina de armas pesadas. A infraestrutura para um exército paralelo estava instaurada. A democracia estava com seus dias contados.

No campo econômico, a crise, gerada pelo próprio governo, foi vista como oportunidade para mais intervenção ainda. Allende congelou os preços, manipulou artificialmente o valor da moeda, elevou consideravelmente os gastos públicos, e comprou por meio do estado inúmeras empresas privadas. Outras tantas foram perseguidas pelo governo. Fazendas foram tomadas. A mineração de cobre, principal indústria chilena, foi expropriada e colocada sob gestão estatal.

Após um ano de governo, Allende teve que pedir uma moratória para a dívida externa do governo. Entre junho e dezembro de 1972, o índice de preços de consumo foi multiplicado por quatro, e ainda dobraria outra vez depois. A produção agropecuária chegou a cair 25%. O caos era total, resultado das medidas do governo Allende, que explorava este caos politicamente.

Os socialistas chilenos não conseguiam conviver com os limites do poder do estado, com a liberdade de expressão, com a alternância de poder. O diplomata venezuelano Carlos Rangel, em Do Bom Selvagem ao Bom Revolucionário, escreveu que a experiência chilena provou, uma vez mais, algo mais do que sabido: “a incompatibilidade do marxismo-leninismo com a democracia”.

Os socialistas acabam usando as brechas democráticas para instalar uma ditadura totalitária. Criam, assim, um ambiente de guerra, onde, de uma forma ou de outra, o resultado será uma ditadura. Allende, neste sentido, foi o pai político de Pinochet. Sem aquele não teria existido este. O clamor de boa parte do povo chileno era pelo resgate da ordem e da lei.

Nada disso pretende justificar os anos que se seguiram, do regime de Pinochet. Ditaduras não merecem aplausos. Mas é fundamental compreender o contexto do “golpe”, que contou com o apoio de muitos defensores da Constituição, usurpada pelos golpistas liderados por Allende.

Não podemos tampouco ignorar o sucesso no lado econômico, negado por Safatle por malabarismo estatístico. Os primeiros anos foram de ajustes, mas as reformas liberais, orquestradas pelos economistas da Universidade de Chicago (casa de Milton Friedman), colocaram o país novamente nos eixos, após a catástrofe gerada por Allende.

O Chile despontou, com importantes privatizações, incluindo a da previdência. Virou o país com economia mais estável na região, e com o melhor nível de IDH. Os esquerdistas gostam de relativizar a ditadura cubana, ainda existente, com base nas “conquistas sociais” do regime, que não passam de mito. Ora, se é para ser pragmático, deveriam elogiar Pinochet, pois os resultados chilenos, sim, foram concretos e podem ser sentidos até hoje.

Na ditadura chilena, foram mortos cerca de 3 mil pessoas, sendo que quase a metade logo no começo, numa guerra civil com comunistas. Não eram inocentes, na maioria dos casos, mas guerrilheiros tentando transformar o Chile em Cuba. Já na ditadura cubana, que ainda sobrevive depois de meio século, foram assassinados, por baixo, uns 20 mil inocentes. Isso para não falar dos que morreram tentando fugir da Ilha-presídio, algo inexistente no Chile, pois qualquer um poderia deixar o país livremente.

Mas nada disso importa. São apenas fatos, e a esquerda não liga para eles. Prefere enaltecer um golpista fracassado como Allende, posando de vítima inocente dos imperialistas americanos e de suas marionetes militares na América Latina. A mentira ainda vende bem por aqui. Não é mesmo, Safatle?

 

 

 

 

SOMENTE O MERCADO FINANCEIRO CONHECE A EXTENSÃO DA CORRUPÇÃO NO PAÍS. JORNALISTAS, JAMAIS.

O mercado sabe que o governo poder ordenar à Petrus, ou à Previ, que, em 48 horas, sejam depositados 200 milhões de dólares no exterior. Digamos que seja uma emergência do tipo comprar os votos dos ministros do Supremo Tribunal Federal, tarefa logisticamente muito mais facil do que a mal sucedida operação com os deputados. 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.—.-.-.-.-

Por esses dias o segundo homem no Ministério do Trabalho roubou “sozinho” 400 milhões de reais, os mesmos US$200 mi. E vejam a enorme diferença entre esse pé rapado e um ministro.

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.–.-.-.–.-.—.-.-.

A composição do Supremo deve mudar rapidamente nos próximos anos, com uma significativa maioria petista dando as cartas. E, por falar nisso, que demagogo horrendo o tal do Barroso. Pela segunda vez (hoje), disse que não se preocupa com a voz de milhões, mas com a justiça, Que não se preocupa com a popularidade do Supremo, nem com os jornais. Descobriu a pólvora. Só a mediocridade dos outros ministros para não receber um cala a boca.  

 

 

 

Islamismo é mais ou menos assim:

“Menina de oito anos morre após lua de mel com marido de 40 anos”

A criança, identificada como Rawan, teve hemorragia causada por ferimentos internos no útero  (Arábia Saudita)

Se o pedófilo Maomé casou-se com uma garota de 9 anos, qual é o problema ? Lembrem-se, Maomé é o rei da cocada preta, o santo, o sujeitinho que dita as regras nessa religião de ódio. Ah, existem os muçulmanos bonzinhos e os muçulmanos mauzinhos. Deixem de ser ingênuos. TODOS ao redor do mundo pularam de alegria com o ataque que matou 3,500 inocentes em de 11 de setembro de 2011.

 

Os babacas

“Ainda havia filetes de sangue nas águas rasas do Mapocho, o riozinho que corta Santiago, quando cheguei ao Chile para cobrir o golpe que derrubou o presidente constitucional Salvador Allende Gossens.”  (Clovis Rossi – Folha de SP) – VAI MENTIR ASSIM NA PRAIA!!!

 

 

12 setembro, 2013 às 19:50

Tags:

Categoria: Artigos

Comentários (3)

 

  1. Ricardo disse:

    Ué mas na escola aprendíamos que o errado era o Pinochet.
    E até hoje existe um abismo social entre os chilenos uns com muitos e muitos com uns punhados para sobreviver.
    Existem documentários que mostram que em ambos os casos o Chile iria ter prejuízo de uma forma ou de outra.
    Faltou explicar isso no seu artigo, mas estou curioso em saber que realmente a história deve ser revista de tempos em tempos.

  2. Nicolau disse:

    Pinochet deveria matar mais comunistas! Imagine que no seu governo morreram so 3 mil vagabundos comunistas! Só na pequena Albânia com 3 Milhões de habitantes, os assassinos comunistas mataram mais de 200 mil albaneses! Os bandidos comunistas não se tratam com argumentos humanitários, mas sim, só com o fio da espada e a bala na cara!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *