Charges americanas comentadas pelo blog; A imagem do rosto mesclado Bush-Obama ; As mulheres na frente de batalha (mais uma ridicularia do politicamente correto – o blog e Margaret Tatcher); Tópicos

 

Political Cartoons by Eric Allie

O jovem repórter está furioso com a espionagem de Obama na imprensa. Resolve ligar e dar uma bronca “O SENHOR PODE ME OUVIR AGORA, SENHOR  PRESIDENTE” ? mas, quando houve a querida voz:   ” Sim”.   é conquistado imediatamente e diz baixinho, gaguejando, :Eu… eu ainda  amo você”   Obama responde“Eu sei”.

Perfeito. Qualquer coisa que Obama faça será desculpado, já que é um Liberal e a imprensa o adora. As críticas procuram minimizar o que aconteceu. Ninguém está chamando Obama de fascista, burro. Pegam de leve, e procuram levar a maior responsabilidade para cima do Congresso e do Judiciário. Querem nos convencer que Obama está errado, MAS QUE  NO FUNDO ELE NÃO É ASSIM.   Bush agiu do mesmo jeito, mas este trata-se de um filho da puta de um Republicano que tem por hábito ser mau, já nasceu desse jeito, ele e toda a sua família de milionários impiedosos. Aliás, por falar nos antípodas, o grau de popularidade de Obama baixou para 47% e o de Bush subiu para 47%. Estão empatados.

Embora eu deteste esse cara que está destruindo os Estados Unidos, concordo inteiramente em que a imprensa não pode revelar segredos de estado que coloquem em risco a segurança americana. Nesse ponto Obama está certo. Quando chegou ao poder descobriu o óbvio, isto é, que sem sacrifício da privacidade os terroristas vão promover um atentado atrás do outro.  Decidiu continuar com a mesmíssima política de Bush, mas é tão desonesto que insiste  ( agora de maneira mais cautelosa) em criticar o ex-presidente porque sem demonizar seu antecessor não consegue esconder os próprios erros, além de perder o apôio da imprensa.

 

 

 

 

e                                        .
Esta imagem genial mostra o rosto de Bush mesclado com o rosto de Obama. Para o ex-presidente a brincadeira mostra o apôio do atual presidente à sua política de não fechamento de Guantânamo, a escuta telefônica, o não conformismo com os jornais divulgando segredos contra o terrorismo, o uso dos drones, a concordância com o Ato Patriótico.  É possivel que Bush tenha dado algumas gargalhadas e foi cuidar de outra coisa. Ser o lado mau, o lado Mr. Hyde de Obama, não vai lhe custar um minuto de sono.

Muito diferente com Obama. A imagem é uma síntese de todas as críticas que lhe tem sido feitas há muito tempo. Deve ter sido importante para ele. Sem dúvida fingiu bom humor, fêz alguma piada, mas viu o próprio retrato de Dorian Gray, e isto não é moleza.  Deve ter sentido amargura, decepção, e mais do que tudo: a sensação de fracasso. Afinal, já faz algum tempo que ele está em processo de perceber que não é tão inteligente como pensava, e, mais do que isso, está chocado com a descoberta de que precisa admitir de uma vez por todas que Bush tinha razão em muitos pontos importantes de seu governo. Desde quando pisou na Casa Branca que se avolumam as concessões que ele jamais imaginou que teria que fazer á política de seu antecessor. Também deve lamentar suas promessas na primeira campanha, muito distantes da realidade que o esperava. Apostas extraordinárias, tipicas de um ególatra. Pensava que tinha poderes para consertar o mundo, que faria baixar o nivel do mar, e agora não passa de mais um Liberal. Sua única realização, beirando a impopularidade, foi o Obamacare, nada mais.  Achava-se diferenciado dos seus colegas de partido, considerando-os medíocres, politiqueiros, longe das transformações que somente ele poderia executar, e, assim, passar para a História americana não só como o primeiro negro presidente, mas principalmente na qualidade do grande estadista que apontou o caminho revolucionário para os Estados Unidos. Suponho que seu tipo de inteligência não exclua a autocrítica, por isso estas minhas observações. Vai se sentir envergonhado quando cruzar com a Hillary. Sentia-se muito superior a ela, e de uma hora para a outra não é bem assim. Claro que, como todos nós, vai racionalizar, mas não há como esconder que nos últimos meses transformou-se num político comum, perdeu a magia que lhe dava um sentimento de superioridade. Isto é um perigo. Pode tentar uma jogada radicalíssima para se diferenciar, para mostrar que ainda é o antigo Obama. Dificil que seja no plano internacional. Nesse campo já tentou todos os diálogos possíveis, passou, e muito, do limite da dignidade que um presidente americano precisa ter. Restaria ameaçar, dar murros na mesa, mas esse jogo é dificil para ele. Seu radicalismo liberal, maior do que o de qualquer outro Democrata, o faz temer a guerra, qualquer guerra, por mais justa que seja. Desta maneira está limitado na sua capacidade de ação. Quando, numa situação dificil, tentou um blefe, Assad pagou prá ver e Obama se retirou da mesa. Já tentou tudo na política da mão estendida e “com todas as opções sobre a mesa” e nada deu certo, muito pelo contrário aumentou a agressividade dos que receberam seus favores. Fez concessões vergonhosas, como a retirada do escudo anti-missil da Polônia, chegou a revelar o numero de ogivas atômicas que os Estados Unidos possuem, mas não aconteceu nada, para sua imensa surpresa. Os adversários continuaram sem entender suas boas intenções. Com toda razão viram nele um fracote, um homem totalmente despreparado para negociações duras. Imagino Obama se lamuriando com Michelle antes de dormir:  “… e os outros presidentes foram tão ruíns, a CIA interferiu tanto nos outros países, que agora ninguéma credita em mim. A culpa é deles!”  Errou na Rússia, errou na Coréia do Norte, em Israel, na Síria, na China, Iran,Turquia, e até em HondurasDe fato, é mesmo um amador, preso no anacronismo das piores posições de seu partido.

Desta maneira, ele precisa de alguma coisa interna, a anistia para os imigrantes, abrir todas as fronteiras, ou sei lá o que mais. A queda do seu prestígio tornou o que já era dificil numa tarefa ainda maior. Pode se recuperar ? Claro que sim, “política é feito nuvem, cada vez que a gente olha está diferente”, mas jamais será a mesma figura. Os que lhe renderam uma extrordinária recepção na Europa, no seu tour de presidente eleito, uma recepção maior do que recebem os grandes astros “pop “, devem estar arrependidos. Ele representava a crítica suprema aos Estados Unidos, às “maldades americanas”, negava a excepcionalidade de seu país, era o presidente anti-americano, um sonho para a platéia. Agora apresenta-se como uma espécie de fraude. “Repetiu a política de Bush”, deve ser a frase decepcionada entre os que o idolatravam. Obama não sabia que adolescentes loucos de alegria não tem nada a ver com frios chefes de estado no tabuleiro de xadrez do jogo geopolitico, um jogo que ele desconhece por completo.

O rosto mesclado dos dois presidentes apenas repete os últimos artigos publicados ao redor do mundo, mas com que força!  Obama deve ter sentido o golpe de maneira muito mais severa do que as críticas dos articulistas. É o poder da charge, ou, no caso, da imagem.

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Robert Ariail

 

 

 

 

Political Cartoons by Steve Breen

 

 

ALGUMAS CASAS DE CELEBRITIES

 

A casa de Pete Sampras em Thousand Oaks, California –    20 milhões de dólares

 

Contemporary Masterpiece

 

Infinity Pool

 

 

 

 

A casa de Bruce Willis em, Idaho. Ele a vendeu por  13 milhões de dólares.

 

Bruce Willis' Idaho Home

.

A casa de Matt Damon em Miami Beach –  14 milhões

 

Biscayne Bay View

A casa de 75 acres, em Connecticut,  que Mel Gibson vendeu por 24 milhões

 

Mel Gibson's Connecticut Home

 

 

 

 

Political Cartoons by Ken Catalino

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Chip Bok

 OBAMA : “Bem, definitivamente é vermelho, mas será uma linha ?”

Refere-se ao tremendo erro de Obama quando estabeleceu uma linha vermelha” na Síria. Insinuou que se Assad usasse armas químicas os Estados Unidos reagiriam manu militari.  Assad não deu a mínima, usou as armas, e Obama não fêz nada. Teve que engolir suas palavras. Desmoralizado, a imprensa o criticou da mesma maneira que um pai repreende um filho querido.

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Chuck Asay

                                                MONUMENTOS DE GUERRA

O monumento da Guerra ao Terror mostra o burrinho Democrata em desabalada fuga.

 

 

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Henry Payne

Susan Rice que mentiu 5 vezes sobre o episódio em Benghazi é promovida de embaixadora na ONU a Assessora para Mentiras Deslavadas  ( Assessora para a Segurança Nacional). Essa mulher faz parte da típica turma  de Obama:  Incompetente, irresponsável, arrogante, filhote dos hippies que até que enfim assumiram a Casa Branca.

 

 

 

 

Political Cartoons by Gary McCoy

 

style=”display:inline;”>

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

style=”display: inline;”>

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Lisa Benson

 

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Nate Beeler

 

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Chuck Asay

O general americano com a pasta “Segredos americanos” olha espantado para o general chino carregando a mesma pasta que ele, obtida pelo roubo dos hackers . Obama, como sempre, está eufórico por cumprimentar um inimigo. 

Obama passa a mão na cabeça dos gatunos chinêses. Os maiores larápios do globo, completamente sem vergonha, estão roubando segredos industriais de todo o mundo, e , principalmente, segredos militares dos Estados Unidos. Obama não consegue falar duro com eles, é impossível, está em seu DNA de liberal. Um sujeito acovardado, que acredita na culpa imperialista dos Estados Unidos e teme enfrentar os canalhas mundiais. O curioso é que sua figura passa uma imagem máscula, a de um homem corajoso.

 

 

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Chip Bok

 

 O policial  :   “Ele está aqui para as gravações de seu telefone, e eu quero o DNA de vocês.”

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Michael Ramirez

A Suprema Corte estabeleceu que o DNA pode ser tomado após a prisão do suspeito

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Bob Gorrell

 

 

 

 

Political Cartoons by Bob Gorrell

                                            A AUDÁCIA DA ESTUPIDEZ

Ouçam bem Republicanos… Eu estou nomeando Susan Rice  como minha nova Assessora de Segurança Nacional”

 

Os senadores republicanos vetaram a nomeação de Susan Rice para nova Chefe do Departamento de Estado em virtude dela haver mentido adoidado sobre o que ocorreu na embaixada americana em Benghazi , quando morreram o embaixador e mais 5 americanos. No caso, Obama  os está provocando, porque o importantíssimo cargo de Assessora de Segurança Nacional não depende da aprovação do Senado. 

 

 

 

 

Political Cartoons by Jerry Holbert

Grupos conservadores disseram que foram grampeados durante seus testemunhos no Congresso

 

 

 

 

 

 

 

 

 photo tumblr_mlsixlWlDN1qhh3mro1_500_zps1d5d98e3.jpg

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Henry Payne

 

 

gun control photo: Gun Control GunControl-2.jpg

 

 

 

 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.—.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.—.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

MULHERES NAS FORÇAS ARMADAS

 

Os gays e as mulheres, contra todo o bom senso, podem ingressar nas Forças Armadas e entrar em combate.  Fizeram granadas especiais para as moças, menores e menos letais, já que elas não têm força para arremessar as de tamanho normal. Dá para acreditar ? São tantas as coisas ridiculas que o politicamente correto exige que nem consigo mais escrever sobre isso.-.-.-.-.-..—.-.-.–.-.-.-……-.-.-.-.-.-.-.-.–…..-.—…-.-..-..-..-.-.

Deve-se examinar a situação em Israel: A população é muito pequena e por isso as mulheres se tornam necessárias, além de ser altíssimo o seu grau de motivação. Conversei com algumas, sentem-se muito orgulhosas, mas estão no  SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO. Não sei se existe carreira militar para elas, duvido muito, mas, no caso afirmativo, com toda certeza os israelenses não são estúpidos de colocá-las na frente de batalha.

O GLOBO faz uma apologia das mulheres nas Forças Armadas. Em seguida encerra a matéria expondo um dos enormes problemas que essa novidade ocasiona

 

O GLOBO:  “…um dado alarmante: elas continuam sofrendo preconceito dentro das Forças Armadas e os casos de estupro são freqüentes. Por exemplo: cerca de 3 mil militares norte-americanas sofreram violência sexual em 2008, 9% a mais do que no ano anterior. Dentre as que estavam servindo no Iraque e no Afeganistão, o número subiu para 25%.

Em 2009, segundo dados do Exército americano divulgados pelo site da BBC, 30% das mulheres foram estupradas durante o serviço militar, 71% foram vítimas de violência sexual e 90% de assédio sexual.

Isso sem considerar os casos não divulgados. Um relatório do Government Accountability Office, organismo investigativo do Congresso dos EUA, concluiu que 90% das agressões sexuais não são notificadas, na maioria dos casos, devido ao receio das vítimas de serem perseguidas”

 

 

Após as fotos leiam o perfeito artigo de Margaret Tatcher sobre Mulheres no Exército

302726252423222019

17

 

 

 

 

3

 

 

 

 

 

 Hot military women

 Hot military women

BHot military women

Hot military womenHot military womenHot military womenHot military womenHot military womenHot military women

Vejam o que Margaret Thatcher diz a respeito de mulheres no exército:

 

 

Milit_mulh001

…”Mas os militares também são diferentes, porque a vida da caserna é distinta da vida do civil. As virtudes que precisam ser cultivadas por aqueles que são chamados a colocar em risco suas vidas no cumprimento de seu dever simplesmente não são as mesmas exigidas de um homem de negócios, de um funcionário civil ou, sem sombra de dúvida, de um político. É vital, acima de tudo, ter coragem — coragem física.

Os militares precisam desenvolver a camaradagem com seus companheiros em muito maior grau. Devem ser capazes, implicitamente, de confiar uns nos outros. Soldados, marinheiros e aviadores também são indivíduos e basta ler suas biografias para compreender isso. Mas não podem ser individualistas. Para aqueles que vivem em regime disciplinar, são os deveres e não os direitos que balizam suas vidas. Eis por que a vida militar é justamente considerada uma nobre vocação e por que, através dos anos, muitos dos que abandonam a carreira militar para ingressar na vida civil sentem dificuldade para se adaptar.

Como regra, os militares necessitam ser fisicamente fortes. Não é suficiente ser talentoso, embora a habilidade certamente ajude. Nenhuma força combatente pode se permitir abrigar, mesmo em pequena proporção, pessoal que não esteja apto a cumprir missões que lhe possam vir a ser atribuídas.

Assim, sou contra as atuais tentativas de empregar conceitos liberais e institucionais da vida civil em nossas forças armadas. Programas visando introduzir sistemas jurídicos segundo o modelo civil, promover direitos homossexuais e franquear novas atividades para mulheres são, no mínimo, irrelevantes para as funções que se espera sejam desempenhadas pelo militares. Sob um enfoque pessimista, contudo, ameaçam a capacidade militar de forma realmente perigosa.

O militarismo feminista nas forças armadas talvez seja o mais pernicioso desses agentes “reformadores”. O fato de a maioria dos homens ser mais forte do que a maior parte das mulheres significa ou que as mulheres devem ser excluídas das missões fisicamente mais exigentes, ou que precisa ser reduzida a exigência de tais missões, algo evidentemente mais fácil em treinamento do que em combate. Porém, obviamente, é essa segunda alternativa que as feministas procuram ver adotada e, com muita freqüência, suas pretensões são aceitas.

Quando se constatou que as mulheres não são capazes de lançar granadas comuns à distância desejável, para que não sejam atingidas pela explosão, a solução foi não deixar a tarefa só para homens, mas construir granadas mais leves (e menos letais). Quando se descobriu que mulheres a bordo de navios de guerra precisam de instalações não exigidas pelos homens, A Marinha dos Estados Unidos teve que “reconfiguar” suas belonaves para proporcioná-las — apenas no USS Eisenhower, ao custo de US$ 1 milhão. Quando a maioria das mulheres (corretamente, em minha opinião) opta por não assumir funções de combatente, a resposta, de acordo com um professor da Universidade de Duke, é fazer com que os militares abdiquem de atributos como “autocontrole, autoconfiança. agressividade, independência, auto-suficiência e determinação para assumir riscos. As mulheres dispõem de inúmeras tarefas em que podem servir com destaque. Algumas de nós até dirigimos nações. Mas, em geral, somos melhores lidando com bolsas do que com baionetas.

Guerra sempre envolverá o emprego de baionetas ou equivalentes. É irrealista pensar que as guerras possam vir a ser travadas sem jamais ocorrer contato físico e confronto direto com o inimigo.

Tendo em mente essas considerações, penso que nossos líderes políticos e militares devem:

· Revelar mais firmeza, resistindo aos lobbies de pressão “politicamente corretos” que contribuem para subverter a ordem e a disciplina em nossas forças armadas.

· Deixar claro que a vida na caserna não pode tomar como modelo os procedimentos, a moldura legal ou as peculiaridades da vida civil.

· Recusar-se a colocar a doutrina liberal adiante da eficácia militar.

· Demonstrar um pouco de bom senso”

 

 

10 junho, 2013 às 19:34

Tags:

Categoria: Artigos

Comentários (4)

 

  1. Marco Balbi disse:

    Ótimo. Estou divulgando geral!

  2. Felipp Frassetto disse:

    Excelente!
    As PMs Brasil afora fazem o mesmo: reduzem os requisitos para poder incorporá-las.
    E, o que é pior: mesmo nos BOPEs e tropas policiais afins!!
    Isso é ridículo!
    Como se as missões que terão que cumprir fossem nas condições ideais para elas. Que “tropa especial” é essa que reduz requisitos?!
    Realmente, esse “politicamente correto” tá dando no saco já.
    Claudio, você não acha que, no Brasil, esa insistência é também uma maneira de diminuir a eficiência das Forças Armadas?

    Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *