Conversando com um amigo liberal

Eu, de minha parte já joguei a toalha: é muito dificil ler o editorial do New York Times. São alucinações, delírios, desonestidade,fascismo. Esse clube é espetacular: Enxerga o mundo como se a direita fosse composta de um monte de idiotas ditatoriais, gente sem nenhum intelecto, atrapalhando sem piedade o admiravel mundo novo que os liberais querem construir. Em criança aprendemos que os Republicanos eram riquíssimos,que tinham uma máquina eleitoral que esmagava os coitadinhos dos Democratas, sem um tostão no bolso. É exatamente o contrário. Obama já tem mais de 80 milhões de dólares para a campanha, enquanto os republicanos estão passando o pires.

Fiquei assustado quando o senhor pregou o golpe do Obama assinar o Ato. (NB: refiro-me a Obama assinar o aumento do teto da dívida através de uma polêmica prerrogativa constitucional) Você pensou bem nisso ? No meio de uma intensa discussão no Congresso, o cara resolve passar por cima de tudo e dizer, pronto vai ser assim. E todos vocês têm certeza de que são os democratas, e nós os fascistas.  

Há um debate jurídico sério sobre a constitucionalidade dessa intervenção. Há uma parte da emenda do art. XIV cuja interpretação possibilitaria tal intervenção. A emenda é de 1868. Sobre esse texto, deixe de preguiça e leia. O uso da emenda constitucional, conforme li, é aceito por muitos grandes juristas como perfeitamente inscrito na ordem constitucional norte-americana. O Clinton chegou até a dizer que deveria usar. Não o fez, e isso foi um curso interessante, nem sei se politicamente o melhor para ele, ainda que, obviamente, o Tea Party e seus seguidores em toda parte queiram ver sangue

Em primeiro lugar você citar o Clinton é típico de um liberal. Parece que o maior mentiroso da história universal decide a questão. Para vocês os seus herois são uma unânimidade mundial. Nós, os conservadores, detestamos o Clinton e a suposta mulher dele, mas o totalitarismo de vocês é tão grande que não prestam muita atenção nesse pequeno detalhe. Haver citado esse patife é um bad example. Todos precisam gostar do Clinton. É a mesma coisa que dizer para um protestante que o Papa falou, então está decidida a questão.

Quanto à sua provocação, saiba que a maioria dos republicanos ficou contra o Tea Party, digo republicanos extra- Congresso, comentaristas, gente de TV, etc. O Tea Party é o tipo da coisa que deveria agradar a você, em teoria. Trata-se de gente que dá um enorme puxão para as origens americanas, alguma coisa radical, é o contraditório que você exalta como algo a ser aceito democraticamente.Saiba que o Tea Party saiu prejudicado nesse episódio, seus índices de popularidade baixaram bastante. Deixe-me lembra-lo que o senhor não aguenta o contraditório do PT, aliás, o senhor o ODEIA.    No momento em que você conseguisse perceber que Bush não é Lula, todo um novo mundo seria aberto para a sua brilhante moringa.

E não se trata de ser constitucional, ou não. Eu acompanhei pari-passu o episódio. Se ele fizesse isso seria um completo desastre, um completo desrespeito pelo Congresso, e imagino que sua situação ficaria muito pior. Não sei se você sabe que Obama fez um pronunciamento patético na TV, a respeito de pedir mensagens no seu twitter, o que foi comentado com assombro por Jon Stewart, aquele comediante politicamente super-liberal e muito engraçado. Ele ficou bestificado com o discurso, mostrou o vídeo, e deu uma bronca duríssima nele, depois de fazer mil caras mostrando o ridículo do que estava sendo dito. Esse foi um momento em que eu vi que Obama era ainda mais fraco do que eu imaginava. É um péssimo presidente, completamente sem rumo, apanhado em suas próprias armadilhas das promessas impossiveis, além de não parar de culpar Bush, o terremoto no Japão, e a neve que caiu no Senegal. Sobre você haver falado sobre sua magnanimidade, ele foi entrevistado pelo Bill O’Reilly, da FOX NEWS, um sujeito que tem a maior audiência da TV americana em política, e que é arrogante, vaidoso e burro. O programa é bom porque fala o óbvio, isto é, como os liberais são loucos, mas poucas vezes eu já vi um cara tão cheio de si. Pois bem, O’Reilly entrevistou Obama. Depois, já na Casa Branca, perguntaram ao chefe o que ele tinha achado da entrevista. Obama respondeu: “Foi a primeira vez em minha vida em que estive em uma sala com um sujeito com um ego maior do que o meu”. Esse não foi um reconhecimento daqueles de charme, foi real, o ego do Obama é espantoso e alguma coisa ele deve reconhecer. Aquele pronunciamento sobre as águas dos oceanos baixarem foi muito além de uma mente sadia. Quando jogado na cara dele ( também vi) ele não se saiu muito mal. Disse, ” visto hoje parece um tanto demais etc.etc., ” percebeu que tinha sido uma tremenda de uma bobagem. É um demagogo que pensou que daria início à grande transformação nos USA. Já deve ter desistido. Nem se reeleito consegue engrenar o welfare state, imagino. 

Uma piada: Sabe o que o Clinton diz para a Hillary depois do sexo ? Ele liga para ela e diz: “Querida, dentro de 20 minutos eu estou em casa”.

 

l

22 agosto, 2011 às 00:10

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *