Cronograma para a saída de tropas reanimou o Taleban (Jeffrey Goldberg) – Extenso comentário do blog a respeito de Castello e Juscelino – A defesa do Palácio Guanabara; Uma nota sobre a Síria

nota do blogÉ estúpido anunciar ao inimigo que as suas tropas vão parar de lutar a partir de determinado dia – Imagine-se Júlio César dizendo para Vercingetorix que iria suspender o certo de Alésia nos idos de julho. Pois foi o que Obama fêz no Afeganistão. Vai sair do país com data marcada, para que no outro dia os taleban cheguem como uma horda avassaladora. As tropas afegãs, que deveriam substituir os americanos, não são competentes e, pior ainda, desleais. Não custa nada entrarem em acordo com o inimigo. Até que poderia haver uma retirada- evidentemente sem anunciar datas – se Obama estivesse disposto a bombardear os redutos taleban sem dó nem piedade com drones e aviação tripulada, mas essa não é a postura de um Liberal fanático, que adora pedir desculpas pelo “vergonhoso” passado de seu país. Se, como o autor do artigo afirma, Obama está disposto a deixar Forças Especiais em terra, localizando os alvos para os drones (ele não fala em aviões tripulados) pode-se ter certeza que vai ser ineficaz, tal o medo das baixas civís. Bombardeios maciços, aqueles que resolvem mesmo, que não deixam pedra sobre pedra, nem pensar.

Romney precisa ganhar as eleições, essa é a esperança de uma verdadeira solução.

 

 Vejam parte do artigo de Jeffrey Goldberg, colunista da Bloomberg:

 

.”…….Os ataques em Cabul chamam a atenção para um problema maior: o governo de Barack Obama estaria seguindo um cronograma arbitrário – sem importar se o Taleban está ganhando ou perdendo.

Até setembro, os EUA planejam retirar 23 mil soldados. A retirada completa deve ocorrer até 2014. Diz-se que o povo americano já se cansou de gastar dinheiro e vidas num conflito antes chamado de “boa guerra”.

Mas o que pensarão os americanos se, em 2015, grandes trechos do sul e do leste do Afeganistão voltarem para o Taleban? A capacidade de monitorar essas regiões estará aprimorada, especialmente se comparada à era anterior ao 11 de Setembro. O governo planeja continuar usando ataques com aeronaves não tripuladas e pequenos grupos das forças especiais no combate ao terrorismo no Afeganistão. Mas e se isso não for suficiente para impedir a Al-Qaeda de voltar a usar o local para treinar agentes e executar complôs?

O que pensarão os americanos ao saber que muitas afegãs terão sido obrigadas a retomar o uso da burca e meninas terão sido expulsas de escolas construídas com dólares americanos? Pedi a um representante do Exército americano que explicasse como se chegou a esse ponto. Ele respondeu com outra pergunta: como seria se os líderes ocidentais tivessem anunciado, em dezembro de 2009, que não retirariam as tropas de acordo com um cronograma, mas sim quando o Taleban estivesse derrotado? Tal demonstração teria feito com que o Taleban ruísse rapidamente.”

 TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

 

Mais uma nota sobre a SíriaEstive pensando outra vez em minha viagem à Síria. Enquanto eu estava lá (dezembro do ano passado), assistia TV no hotel. Todos os âncoras e repórteres da CNN, BBC, tinham um número de assassinados por Assad que vinha das estimativas da ONU. Ouvi tantas vezes que até decorei: variavam entre 5 e 6 mil. Depois inexplicavelmente deu um salto: 10.400, se não me engano. Naqueles dias, com Assad deitando e rolando, com os tanques atirando de canhão, suponho que eu era o único correspondente que estava no país – óbviamente disfarçado de turista, o que já era esquisitíssimo em uma país quase em guerra civil, e mais , com o detalhe de nem pensar em levar a câmera para as ruas das cidades. O amigo, editor da internacional, Roberto Lameirinhas, me queria fora o mais rápido possivel. 

Enquanto isso, todo mundo reportava de Beirute e Jordânia, não se importando em chutar alto. O importante era comover, escandalizar a população mundial de telespectadores. Hoje, com a ONU lá dentro, o país está entupido de repórteres e o acesso aos lugares mais problemáticos tornou-se permitido. Bem, eu fui para o Iran e, da mesma maneira, noticiavam as mortes diárias, que não variavam quase nada de emissora para emissora. Em um dia eram 28, no outro mais 35, e no outro 17 e assim a matança continuava. Todas mostravam os mesmos cansativos vídeos. Curiosamente a contagem geral estacionou em 10,400, se não me engano. Cheguei bem depois na África do Sul e o total de baixas continuava igual: 10 mil e alguma coisa. ONTEM, dia 19 de abril, 5 meses depois da minha viagem, ouço a reporter da FOX NEWS dizer que de acordo com estimativa da ONU ” o regime já matou mais de 10 mil pessoas” (!)- Outra nota: as fotos da viagem ainda estão na câmera mas vou mostrar algumas, assim que resolver um problema técnico, muito facil, suponho, mas que está acima das minhas possibilidades. No Iran não me atrevi a tirar nenhuma. 

    

A defesa do Palácio Guanabara

nota do blognão concordo com vários detalhes do artigo, mas ele é interessantíssimo em virtude das fotos. Preciso fazer uma introdução:

Após o golpe, embora o general Castello Branco fosse o candidato mais forte para assumir a presidência, havia outros nomes: o General Kruel e o Marechal Dutra. Bem, Castello era o articulador da conspiração (muito mal feita) mas Kruel tinha tropa, detalhe importante naqueles dias, pois era comandante do Segundo Exército, e Dutra, que já havia sido presidente, era tido por ser um grande legalista, e portanto passaria rapidamente o poder para os civis, após a limpeza anti-comunista que se fazia necessária. As eleições estavam marcadas, antes do golpe, para outubro de 1965, e Juscelino era franco favorito, e Lacerda um dos candidatos. Pois bem, Castello que era de longe o mais dinâmico dos três postulantes, aquele que realmente queria o poder, procurou Juscelino e pediu a ele o apoio do PSD, o que  lhe garantiria a vitória. Juscelino respondeu que o apoiaria se Castello garantisse a realização das eleições em 65. Este concordou, Juscelino então trabalhou o PSD e desse modo o general foi eleito pelo Congresso. 

Em outubro de 1965 fui convidado pelo Depto. de Estado Americano para visitar os Estados Unidos. Éramos uns oito estudantes.  Bem, em Nova Yorque resolvi visitar Juscelino que fora cassado e tivera que se exilar para não continuar sendo submetido a terriveis humilhações, principalmente por parte da Aeronáutica, que o odiava. O ex-presidente era amigo de minha família. Chamei, para irmos juntos ,Nádia Batela, belíssima noiva de um colega da universidade. Chegamos de noite em seu minúsculo apartamento no Hotel Belvedere. Fomos recebido com grande festa por ele e Dona Sarah. Estava claro que em sua solidão adoravam quando se encontravam com brasileiros. Naqueles tempos todo mundo tinha medo e via o SNI para tudo quanto é lado, como se ele pudesse ser extremamente competente em tão pouco tempo de existência- (na verdade nunca foi). Visitar Juscelino poderia ser um ato de coragem! A esquerda se acovardou de uma maneira vexatória. Via informantes em engraxates, balconistas etc. Dava nojo assistir a tanto medo. Gente que nunca havia feito nada tremia. Eu, que tinha razões de sobra para ir ver o sol nascer quadrado, graças a Deus acho que me comportei muito bem, inclusive rejeitando a ajuda (carro, assistência jurítica, etc.) do reitor da universidade de Brasília, Laerte Carvalho ( éramos adversários), quando o Exército resolveu me indiciar em Inquérito Policial Militar.

Voltando à visita a Juscelino: Começamos a conversar sobre a situação no Brasil. Muitas informações importantes estão perdidas porque já faz muito tempo, mas uma delas ficou marcada para sempre. Perguntei se era verdade que havia um compromisso entre ele e Castello, o que relatei no primeiro parágrafo. Antes que Juscelino pudesse responder Dona Sarah se adiantou, quase se levantou da cadeira, e me respondeu indignada: “Havia um compromisso de honra!” Juscelino confirmou, discorreu sobre como havia sido e disse: “Nunca em toda a minha vida pública vi uma traição igual!” Bem, este foi o climax da visita. Nos despedimos com muito carinho, e Juscelino, famoso mulherengo, colocou o casaco em Nádia, e demorou um pouquinho demais segurando sua mão, enquanto fazia perguntas e derramava elogios. Por isso me referi à beleza da moça.

É incrivel que Juscelino, com toda sua experiência, não tenha percebido o imenso perigo que Castello representava. O homem era udenista, e por princípio deveria odia-lo. Muito melhor escolha teria sido Dutra. Digamos que Castello fosse o mais ativo, o mais político, e que talvez ele não tivesse escolha e o encontro entre os dois possa ter sido apenas para que o articulador do golpe tivesse inteira garantia de que seria eleito, ao pedir o seu apoio. Jamais saberemos. De qualquer forma o mínimo que Castello deveria ter feito seria não cassar Juscelino. Poderia impedir as eleições em 65 e tudo estaria resolvido. Prevaleceu o ranço udenista do general. Não posso deixar de dizer que Roberto Campos, o ministro preferido de Castello, pediu a este que lhe poupasse o sacrifício de assinar a cassação (todos ministro assinavam), em virtude de haver participado ativamente do governo de Juscelino e admirar o ex-presidente. Castello concordou. Acredito firmemente no compromisso que me foi confirmado de maneira pungente, definitiva, por Juscelino e dona Sarah . Não havia espaço, clima, para uma mentira descarada dentro daquele pequeno apartamento. E Juscelino não seria mentiroso numa questão dessa gravidade.

Publico parte do e-mail da Nádia a respeito do encontro em NYorque:  

…”E foi assim que revivi,  muitas vezes, a nossa visita, no final de outubro, no Beverly hotel, na rua  57. Bendigo o momento em que você teve a lucidez de me propor essa  visita!

Aliás, ele, o JK, fez questão de me dar um abraço  apertado, na saída, perguntando se não estava eu com frio. Mostrei meu casacão  de lã, que carregava no braço. E ele uma vez mais sorriu, com simpatia e  ternura. Essa, eu devo a você. E como é bom ter coisas boas do que se lembrar, no  meio de tanta infâmia e indignidade. Parece que ninguém mais tem nem caráter nem  escrúpulo. Viva a geração do meu pai, do seu pai, do JK. E de alguns  mestres que eu prezo.”
Respondi assim “Abraço apertado demais, Nádia!”
Por último: Lacerda transmitindo do Palácio Guanabara como se os fuzileiros navais estivessem a caminho de cercar o palácio acho que foi mais uma das suas invencionices.
Vamos ao texto:

  

Escrito por Sérgio Pinto Monteiro*

 

 

image O FRONT DO GUANABARA

A revolução de 31 de março de 1964 tem sido objeto das atenções de inúmeros historiadores. Suas causas, motivações, desdobramentos, consequências, erros e acertos, são bem conhecidos dos analistas, principalmente os mais isentos, que buscam as verdades daquele período num emaranhado de informações, quase sempre sob forte influência de componentes ideológicos. A chamada esquerda brasileira, derrotada no passado e hoje no poder, mantém a sua estratégia de reescrever a história ao sabor de interesses políticos e eleitoreiros. Cabe-nos, como verdadeiros democratas, repetir à exaustão os fatos históricos que há 48 anos evitaram que o nosso país fosse lançado numa aventura comuno-sindicalista, incompatível com os valores e princípios que forjaram a nacionalidade.

Um dos episódios daquele contexto que merece destaque é o da defesa do Palácio Guanabara – sede do governo estadual – nas quarenta e oito horas que redundaram no afastamento e fuga do Presidente da República.

 

Naqueles dias conturbados do início de 1964, o recém criado Estado da Guanabara era governado por Carlos Frederico Werneck de Lacerda, opositor ferrenho do governo do Presidente João Belchior Marques Goulart. Orador inflamado, grande administrador, Lacerda era um dos mais importantes líderes da resistência democrática brasileira contra o avanço do totalitarismo de esquerda que ameaçava levar o nosso país para bloco soviético. O relato que se segue é uma tentativa de resumir a história da defesa do Palácio Guanabara contra possíveis ataques desesperados de um governo agonizante. As fontes utilizadas são depoimentos, relatos, entrevistas, documentos e noticiário da imprensa. Ao mesmo tempo, como partícipe do dispositivo militar montado para rechaçar um eventual – mas esperado – ataque à sede do governo estadual, procurei descrever o que a minha memória reteve, tanto tempo já decorrido. O objetivo maior deste texto é a preservação da história de um importante episódio daquele dias, onde se misturam emoções, patriotismo, desprendimento, coragem, solidariedade, lealdade e companheirismo.

image O plano de defesa do Palácio Guanabara começou a se delinear no segundo semestre de 1963. O cenário político de então já mostrava, claramente, a disposição do governo federal em retaliar o Estado da Guanabara por sua oposição radical ao sistema dominante. O governador Lacerda, ao lado de importantes lideranças civis e militares, defendia, ostensivamente, a queda do presidente João Goulart. Odiado pela esquerda brasileira, principalmente pelos comunistas, Lacerda – que na sua juventude renegara o marxismo-leninismo – sabia dos riscos a que o seu governo estava exposto numa situação de confronto com o governo de Jango, especialmente se houvesse o envolvimento das Forças Armadas. Valendo-se da antiga amizade desenvolvida com um grupo de Oficiais da Força Aérea Brasileira quando do episódio do atentado que, em 1954, vitimou o Major Aviador Rubens Florentino Vaz, no qual ele próprio foi também atingido, o governador Lacerda nomeou para Secretário de Segurança do Estado o Coronel Aviador Gustavo Eugênio de Oliveira Borges, e incumbiu-o de elaborar um plano de segurança e defesa para a sede do governo estadual, no Palácio Guanabara.

image No documento foram priorizados investimentos em três setores dos organismos policiais do Estado: comunicações (em especial via rádio), transportes (inclusive viaturas do tipo “choque”) e armamento (especialmente metralhadoras). Como resultante do aperfeiçoamento nas comunicações, as “patrulhinhas” da Polícia Militar tiveram ação relevante no acompanhamento da movimentação das forças hostis nos dias 30/31 de março e 1º de abril de 1964. Postadas, sem chamar a atenção, em locais estratégicos, mantiveram o centro de controle abastecido de informações via rádio, em tempo real. Outra relevante providência adotada nessa área foi o estabelecimento de um centro de controle móvel, com três viaturas equipadas e prontas para, rapidamente, se deslocarem com destino a qualquer ponto do Estado. Esse dispositivo de comunicações foi acionado com ótimos resultados, tendo sido fundamental a participação de um elemento civil, um rádio-amador voluntário que teve marcante atuação, assegurando ao governador um canal permanente com Minas Gerais, apesar do bloqueio imposto ao Palácio.

image O planejamento da defesa do Palácio Guanabara pretendia atingir três objetivos principais:     “o aspecto moral e psicológico da manutenção em nosso poder daquilo que simboliza a defesa da democracia na Guanabara; o aspecto concreto da preservação da vida do governador; e finalmente proporcionar os meios para o governador proclamar, via rádio para todo o Brasil, a agressão sofrida, denunciando o golpe comunista e conclamando o restante do país à resistência.”

O PLANO DE DEFESA O plano de defesa do Palácio Guanabara, resumidamente, previa cinco linhas de defesa:

1ª linha – cinco batalhões da Polícia Militar, dispostos em arco, desde o Hotel Glória até uma posição ao norte do Palácio. Elementos da polícia civil, descaracterizados, fariam rápidos ataques de inquietação. Esta primeira linha de defesa foi apenas parcialmente acionada.

2ª linha – grupamento formado por militares e civis voluntários, sob o comando do Cel Av João Paulo Burnier, equipados com armas automáticas, anti-tanques, coquetéis molotov e dinamite. Esses elementos, formando pequenos grupos de combate, ficariam dispersos tanto nas vias de acesso ao Palácio como em apartamentos cedidos por moradores, preferencialmente entre o 4º e 6º andar. O posto de comando do Cel Burnier foi instalado na Escola Anne Frank. Esta linha de defesa foi ativada no início da tarde do dia 31. Desse contingente de voluntários fazia parte o ex-combatente da FEB Cel Osnelli Martinelli que comandava o grupo nº 22, cuja missão era proteger as entradas do túnel Catumbi-Laranjeiras.

image3ª linha – formada pelo 2º Batalhão da Polícia Militar (quartel da rua São Clemente) que ficaria entrincheirado em sucessivas linhas de caminhões pesados da frota do Estado (a maioria da COMLURB) posicionados de modo a dificultar o acesso de carros de combate e demais viaturas inimigas. Esta linha entrou em operação na manhã do dia 31.

4ª linha – constituída por voluntários “especiais” com armas anti-tanque mais pesadas. Algumas viaturas (jipes e caminhonetes) foram adaptadas para esse tipo de armamento e certamente se constituiriam num fator de grande surpresa para as forças hostis. Ficariam em reserva e entrariam em ação quando as três linhas anteriores já tivessem retraído e concentrado seus elementos nas quatro vias de acesso à rua Pinheiro Machado. Esses voluntários “especiais”, em sua maioria militares com experiência no manejo daquele armamento, estavam sob o comando direto do Cel Burnier.

image 5ª linha – formada pela 1ª Cia Independente da PM, sediada no Palácio, por vários choques da Polícia de Vigilância e reforçada, eventualmente, por elementos remanescentes das linhas anteriores. A resistência final seria na própria sede do governo, prevendo-se a retirada pelo maciço do Sumaré. A tática seria trocar espaço por tempo. Para o governador e outras autoridades estava planejada uma evasão com destino às lanchas do Corpo Marítimo de Salvamento, colocadas em pontos estratégicos da praia. Essa última linha de defesa seria comandada pelo General (ex-integrante da FEB) Salvador Gonçalves Mandin, Secretário de Serviços Públicos do governo do Estado.     No plano de defesa do Palácio – cujo dispositivo ficou pronto na segunda-feira, dia 30 de março – foram também incluídos serviços de intendência (com suprimentos diversos), geradores de energia (dois grupos) e serviços médicos. Nas encostas à retaguarda do Palácio (morro Novo Mundo) foram derramados mais de mil litros de óleo diesel com a finalidade de dificultar qualquer tentativa de progressão do inimigo com mais armamento pesado. Também foram acionadas viaturas do Corpo de Bombeiros. O plano previu até mesmo um dispositivo para o enterro dos mortos.

OS ACONTECIMENTOS

Dia 31 de março de 1064

image 

04:30 horas – chega ao Palácio Guanabara a notícia de que o comandante da 4ª Região Militar, General Olímpio Mourão Filho e o governador de Minas Gerais, José de Magalhães Pinto, se declararam rebelados, não mais obedecendo ao poder central. Era o desencadeamento da Operação Popeye, planejada de há muito pelo Gen Mourão. Em consequência, estava formado o “Destacamento Tiradentes”, com tropas do Exército e da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais, que marcharia para o Rio de Janeiro sob o comando do General Antonio Carlos da Silva Murici.    O governador Lacerda está no palácio desde o domingo, dia 29. Na noite anterior assiste até tarde ao filme “O PT-109”, sobre a participação do presidente Kennedy na II Guerra Mundial. Com as notícias vindas de Minas Gerais, o governador é imediatamente acordado pelo seu secretário particular, Hugo Levy, e assume o comando das ações. Chegam informações das Rádio-Patrulhas da PM que tropas da Vila Militar já se deslocam image para enfrentar as forças do Grupamento Tiradentes, a caminho do Rio de Janeiro.     As linhas de defesa do Guanabara entram em alerta. Caminhões pesados do Departamento de Limpeza Urbana, atravessados nas ruas Pinheiro Machado, Paissandu, Ipiranga, Coelho Neto e Farani, formam barricadas que isolam o Guanabara. Voluntários fortemente armados assumem suas posições, inclusive nos terraços de edifícios próximos. Uma metralhadora pesada Hotchkiss é colocada pela PM junto à porta do salão nobre onde se encontra o governador. Há um clima de expectativa e vibração entre os militares e civis que integram o dispositivo. Pouco dias antes, um grupo de marinheiros apoiados por fuzileiros navais comandados pelo Almirante Cândido da Costa Aragão foram protagonistas de um triste episódio de desordem e quebra de hierarquia. Na ocasião, o governador Lacerda fez violentos pronunciamentos em defesa da honra da Marinha e contra as atitudes aqueles militares. Temia-se uma ação violenta do Alte Aragão contra a sede do governo do Estado.

image 16:00 horas – uma RP da PM estacionada nas proximidades do então Regimento de Reconhecimento Mecanizado comunica que uma formação de cinco carros de combate M-41 (recém chegados dos Estados Unidos) deixa o quartel no Campinho em alta velocidade. Outras RP assinalam o trajeto dos blindados: Piedade, Méier, Maracanã, Mangue, Ministério da Guerra. Em seguida, novas notícias de sucessivas saídas de mais carros de combate, seguindo o mesmo itinerário. Entretanto, os cinco últimos blindados não estacionam no Ministério. Seguem pela rua Uruguaiana, em direção ao Catete. Pode ser uma investida contra o palácio. O Cel Burnier, entretanto, raciocina diferente: diante do forte dispositivo de proteção montado em torno do Guanabara, com apenas cinco carros de combate e sem tropa de infantaria, certamente não haveria intenção do “inimigo” de atacar a sede do governo estadual. Apesar disso, a 3ª e 4ª linhas de defesa são colocadas em alerta máximo. Os blindados , entretanto, se dirigem ao Palácio das Laranjeiras onde se encontra o presidente Jango e numerosos membros do seu governo.

image 16:10 – aviões da FAB fazem voos rasantes sobre o Guanabara. Apesar do temor de um ataque aéreo, há uma impressão geral de que a FAB não atacaria o Palácio em virtude da presença de inúmeros Oficiais da Aeronáutica entre os seus defensores, inclusive, do Marechal do Ar Eduardo Gomes, lenda viva da Aeronáutica e que em 1984 viria a ser declarado Patrono da Força Aérea Brasileira.

20:00 – o governador Lacerda inicia uma das muitas reuniões do Secretariado. Identifico várias figuras conhecidas:Deputado Abreu Sodré,General Salvador Mandin,Profª Sandra Cavalcante,Radialista Raul Brunini, Rafael de Almeida Magalhães, Deputado Cel Costa Cavalcanti,Deputado Nina Ribeiro,Cel Av Américo Fontenelle, Deputado Cel Danilo Nunes, Coronel PM Edson de Moura Freitas, Coronel Av Gustavo Borges,Coronel Gervásio Deschamps,

    image

Sebastião Lacerda (filho do governador), Jornalistas Hélio Fernandes e Sebastião Nery, Deputado Mac Dowell Leite de Castro, entre muitos outros. Ao final da reunião, todos assistem a uma missa na capela de Santa Terezinha, nos jardins do Palácio, celebrada por um capelão.

image 22:00 – as RP informam que os fuzileiros navais do Batalhão Riachuelo deixam o quartel da Ilha do Governador. Essa notícia gera inquietação entre nós. Sabíamos que era muito provável um ataque de fuzileiros navais. Decorrido algum tempo, veio a confirmação das RP: quatro caminhões tendo à frente uma viatura de assalto, com fuzileiros fortemente armados, passam pela Cinelândia, tomam a direção da Glória e dirigem-se à rua Farani. Todos nos preparamos para o confronto. O governador Lacerda recebe uma metralhadora INA e, junto com o Gen Mandin, passa em revista os postos de combate, cumprimentando e agradecendo o apoio dos militares e voluntários. No entanto, a movimentação dos fuzileiros era uma ação psicológica que haveria de se repetir outras vezes. O comboio estacionou por algum tempo próximo à rua Farani, para, em seguida, dirigir-se ao Palácio das Laranjeiras.

image Dia 1º de abril de 1964

00:30 – o clima é de muita tensão. As notícias são todas de adesões da área militar ao movimento iniciado em Minas Gerais. Mas uma dúvida ainda nos incomoda: a posição do II Exército, comandado pelo General Amauri Kruel. Suas ligações de amizade com o presidente Jango parecem estar retardando a definição daquela Força, cujo apoio é fundamental para qualquer dos lados. O Deputado Abreu Sodré manifesta confiança no patriotismo do General Kruel e rebate algumas opiniões pessimistas. De repente, o deputado irrompe no gabinete do governador aos gritos: o Kruel já está vindo! Há uma intensa comemoração em todo o Palácio. É a certeza de que a vitória se aproxima.

image 01:30 – a tensão aumenta. O Palácio tem a energia cortada. Os grupos geradores instalados no jardim de inverno entram em ação. Aparelhos de ar condicionado são desligados. As linhas telefônicas também deixam de funcionar, permanecendo ativas apenas duas, ligadas secretamente. Ninguém dorme. O Marechal do Ar Eduardo Gomes chega ao Palácio acompanhado de dois sobrinhos. A seu lado, o desembargador Presidente do Tribunal de Justiça e seu filho, portando uma metralhadora. Há um cheiro de pólvora no ar. Um novo informe de uma possível investida de fuzileiros navais movimenta o nosso dispositivo. O governador se preocupa e liga para São Paulo em busca de ajuda. Era apenas mais um deslocamento de forças da Marinha em direção ao Palácio das Laranjeiras. Chove muito. Os bravos militares da PM e da Polícia de Vigilância (P-Vg), estes últimos sob o comando de outro ex-integrante da FEB, o Cel Gervásio Deschamps, permanecem atentos em seus postos, apesar do temporal. Os grupamentos de voluntários cujas posições ficam fora do palácio recebem, a todo o momento, o carinho dos moradores. Capas de chuva, água, refeições e lanches são fornecidos por vizinhos anônimos a centenas de companheiros. Até hoje, decorridos quase 50 anos, ainda me emociono com tais recordações de apoio e solidariedade.

image 

03:30 – uma notícia que muito nos alegra: numa ação ousada, buscando uma informação mais conclusiva sobre os fuzileiros navais, um policial se apresenta no Ministério da Marinha conduzindo um rabecão do IML supostamente para atender uma solicitação das autoridades navais. A guarda acaba permitindo a entrada daquela viatura inofensiva (e macabra) que após um pequeno giro pelas instalações, constata que o Batalhão Riachuelo repousa tranquilamente nos imensos corredores do Ministério, sem qualquer sinal de movimentação.

image 

05:00 – chega ao palácio um novo grupo de voluntários, somando-se aos mais de trezentos militares da reserva já em atividade. São ao todo 31 Oficiais-Generais da reserva já idosos. Sobre esse episódio, mais tarde escreveu o governador Lacerda:     “se colocaram à minha disposição para qualquer missão. Estavam, em sua maioria, desarmados. Os da Marinha, solicitaram uma lancha para atacar uma ilha pouco defendida, onde sabiam da presença de muito armamento. Todos afirmaram que não poderiam ficar de braços cruzados naquela situação. Vocês não podem imaginar a minha emoção diante da disposição de luta daqueles homens. Confesso que fiquei com os olhos rasos d’água”.

image 

08:00 – outro sinal de alerta: os postos avançados da rua Farani detectam a presença de fuzileiros navais nas encostas do morro à retaguarda do Palácio. Fala-se em um possível ataque de morteiros. O governador Lacerda, usando o sistema de som instalado fora do prédio, faz uma vibrante conclamação aos moradores da vizinhança solicitando que se recolham ao interior de suas moradias porque há suspeita de um iminente ataque à sede do governo. Em sua fala, o governador apela aos cariocas para que ajudem a denunciar ao Brasil que o Palácio Guanabara está para ser atacado pelos fuzileiros navais do Alte Aragão, a quem desafia, afirmando: “não te aproximes que eu te mato com meu revólver!”     Uma nova informação dá uma trégua na expectativa de um confronto iminente: os fuzileiros navais fizeram realmente uma incursão na área, mas retiraram-se em seguida.

image 09:00 – Chega ao palácio o produtor de televisão Flávio Cavalcanti, acompanhado do empresário Abraão Medina. Combinam transmitir pela TV-Rio o áudio de um pronunciamento do governador, o que ocorreu no meio da tarde.

12:30 – vibração geral no Palácio: o Cel César Montagna, ex-febiano, no comando de um grupo de cerca de quarenta Oficiais da ECEME e da ESG, numa ação ousada, toma o Quartel-General da Artilharia de Costa, no Forte de Copacabana.

12:45 – nossos observadores informam que o presidente João Goulart deixa apressadamente o Palácio das Laranjeiras num Volkswagen, ao lado de seu secretário de imprensa, Raul Ryff, seguido pela Mercedes oficial e outros veículos. Uma RP confirma a notícia e segue à distância o comboio até o    aeroporto Santos Dumont. Na pista, Jango embarca na aeronave da FAB Viscount 2.101. Destino inicial, Brasília. Era o começo da fuga.     image O clima no Palácio já começa a ficar festivo. As rádios oficiais – Nacional e MEC – bem como a Mayrink Veiga, antes a serviço do governo, saem do ar. Nos edifícios, chuva de papel picado. O povo começa a lotar as ruas, cantando e pulando de alegria. Buzinaços. Carreatas. Aquele mesmo povo que ajudara a proteger o palácio do seu governador sai às ruas num verdadeiro carnaval. Na euforia da vitória, eu me pergunto com a simplicidade de um jovem Tenente da Reserva de vinte e quatro anos: onde está o povo que Jango tanto cortejou? Porque não foi defender o seu presidente no Laranjeiras? A resposta vem rápida em minha mente: o povo brasileiro jamais aceitará o comunismo, qualquer que seja a sua versão.

image 15:25 – as RP informam que os fuzileiros navais estacionados no Largo do Machado, na rua Gago Coutinho e no Parque Guinle, abandonam suas posições. A notícia, divulgada pelos auto-falantes do palácio, é comemorada com intensa emoção. Fogos de artifício e disparos esparsos. Gritos, muitos gritos. Abraços intermináveis, dentro do palácio e nas ruas adjacentes.

15:50 – três carros de combate M-41 do RRecMec se aproximam do Palácio Guanabara. Um de seus comandantes parlamenta com os Coronéis da FAB Paulo Vitor e Estrela, que integram o nosso dispositivo de voluntários nas imediações da sede do governo estadual. Vinham se apresentar ao governador Lacerda para ajudar na proteção do palácio. Abrem-se, então, as barricadas que defendiam a democracia. A vibração atinge o seu clímax. O povo cerca os blindados e, aos gritos, acompanha as viaturas, perigosamente, até os portões do Guanabara. Entre nós, as lágrimas são incontroláveis. O governador Lacerda rapidamente vem receber os militares. E chora, emocionado, quando percebe que os comandantes dos carros eram os filhos de seu velho amigo, General Alcides Gonçalves Etchegoyen. Nesse momento, juntos, abraçados, irmanados, todos cantamos o Hino Nacional Brasileiro.    image Em 2 de abril de 1964, a população do Rio de Janeiro saiu às ruas na maior manifestação pública até então realizada pelos cariocas. Um milhão de pessoas comemoraram a vitória da democracia na “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”, que ficou conhecida como “A Marcha da Vitória”.     Meio século depois, para nós, voluntários do Front do Guanabara, ficou uma saudosa e emocionante lembrança. E, mesmo hoje, as lágrimas ainda são inevitáveis. Creio que os quase quinhentos voluntários que participaram da epopéia do Palácio, não o fizeram para defender o governador Lacerda. A democracia era o nosso bem maior, que precisava ser preservada. E a liberdade do povo brasileiro, uma motivação insuperável.

image

 

image

image

ESCUTE A GRAVAÇÃO DE RADIO

image image

*o autor é professor, historiador e Oficial do Exército, da Reserva Não Remunerada. É presidente do Conselho Nacional de Oficiais R/2, membro da Diretoria da Associação Nacional dos Veteranos da FEB, da Academia de História Militar Terrestre do Brasil e do Instituto Campo-grandense de Cultura.

20 abril, 2012 às 21:27

Tags:

Categoria: Artigos

Comentários (1)

 

  1. Marco Balbi disse:

    Ótimo e histórico! Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *