Dia importante: Lula espancado pela imprensa; Falam os sargentos (documento circulando entre os militares) ; o blog profético

Ontem foi um dia importante na vida política de Lula, e por consequência na vida política do país. Depois de muitos anos fazendo e acontecendo, sem nenhum respeito por nada e ninguém, o ex-presidente levou uma tremenda trombada. Os jornais caíram de pau no seu lombo, numa orgia de acusações. Assistimos a uma espécie de catarse, porque fica a impressão de que o momento estava sendo aguardado com ansiedade. Aqueles que sempre disseram que a imprensa escrita estava no barco petista devem ter ficado surpresos. O blog sustenta o contrário: Os jornais não gostam do PT, embora tenham decidido apoiar Dilma quando a dona foi eleita. Os motivos são óbvios: precisam da publicidade do governo, além do medo da Receita Federal e outros medos. 

O Estadão publicou editorial onde a agressividade está logo exposta no título imponente: “Suprema indecência”. Lula é espancado com elegância. Os articulistas Dora Kramer e Merval Pereira também partem para o ataque. O pior é que ainda estamos no momentum do escândalo que ainda não foi digerido pela população: Cachoeira, Demóstenes, Sérgio Cabral e outros bandidos. Lula ficou irremediavelmente ligado a ele. A palavra impeachment voltou aos textos.

A ocasião excepcional poderia ser aproveitado pela Oposição, se tivéssemos uma. Lula está no corner do ringue, mas somente porque a imprensa o colocou lá. 

Abaixo o artigo do Merval e comentários do blog.

 

MERVAL PEREIRA

Não são apenas as versões do encontro do ex-presidente Lula com o ministro do Supremo Gilmar Mendes, no escritório do ex-ministro do Supremo e do governo Lula Nelson Jobim que estão desencontradas. O próprio encontro em si não poderia ter acontecido se vivêssemos em um país sério. Esse negócio de “país sério” está muito chato, gasto, a expressão é usada demais, e sobretudo, é pequena para o tamanho do drama que estamos vivendo.  O país perdeu a capacidade de se revoltar, acostumou-se com a bandalheira, faz piada com a própria desgraça. É muito mais grave do que falta de seriedade. Hoje tocaram a campainha da minha casa. Um sujeito bem vestido queria vender alguma coisa, sendo o dinheiro destinado para um hospital. Minha mãe, se fosse viva,  o teria atendido imediatamente. Eu nem pensei duas vezes. A chance do dinheiro ser embolsado por ele, ou uma quadrilha, deve ser por volta de 50%. Portanto recusei-me a atendê-lo, mas ao fechar a porta baixou sobre mim uma sensação de miséria. Estamos privados até de fazer caridade.   ( De Gaulle criou “o Brasil não é um país sério” irritado com o que veio a ser chamado de “guerra da lagosta”, um problema entre a França e nosso país a respeito da pesca no litoral do nordeste) 

Se respeitassem a liturgia dos respectivos cargos, o advogado Jobim não poderia ter aceitado servir de intermediário de um encontro de Lula com Gilmar Mendes; o ministro do Supremo deveria ter recusado o encontro em tais circunstâncias e, sobretudo, o ex-presidente, se se desse ao respeito, não poderia nem pensar em pressionar um ministro do Supremo Tribunal Federal. Não existe a tal liturgia do cargo. Não é nem mais “para inglês ver”, essa expressão maravilhosa do início do século passado. O cinismo, a vulgaridade, e o roubo estão muito acima da dignidade que o cargo deveria impor. Mas, fiquei agradavelmente surpreendido com o Merval quando diz: “se Lula se desse ao respeito”. Geralmente o articulista é tão contido que seu texto parece estar se referindo a personagens de um país civilizado. 

Pelos desmentidos desencontrados e por algumas coincidências do relato de Gilmar Mendes com fatos da vida real, está mais do que claro que houve o encontro e que o tema central foi mesmo o julgamento do mensalão, uma atitude que poderia render a Lula um processo de impeachment se ainda fosse Presidente da República, como bem lembrou outro ministro do Supremo, Celso de Mello. O grifo é meu. Merval deveria ter feito um comentário adicional, deixando claro que Celso de Mello fala em teoria, já que o impeachment de um presidente do PT provou-se impossivel, tanto pelo fato do governo possuir a maioria dos deputados na Câmara, quanto pela lição que tivemos no episódio do mensalão. Naquela época descobrimos que a Oposição era inoperante, perdida na covardia característica dos intelectuais. Embora essa história ainda precise ser escrita, a partir principalmente de perguntas que nunca são feitas para Fernando Henrique e outros luminares do PSDB, existe uma versão muito forte aonde se diz que temeu-se que as instituições brasileiras ficassem abaladas pela destituição do presidente da república. Claro que é inexplicavel pensar-se dessa maneira, ainda mais depois do extraordinário golpe branco que foi o impeachment de Collor. Com respeito ao fato, que os mais exaltados chamaram ridiculamente de  ” uma lição de democracia do Brasil para o mundo”, tive importantes fontes primárias de informação, sendo uma delas o próprio advogado do ex-presidente naquela ocasião, José Guilherme Vilela. (Poucos sabem que José Guilherme foi o principal responsável pelas eleições diretas no Brasil devido à sua atuação no Tribunal Superior Eleitoral). Também conversei com Collor, na famosa casa da Dinda, nos instantes finais do seu drama, e consegui ser o primeiro a entrevistá-lo (Estadão) quando não era mais presidente. Por causa da entrevista eu não conseguia dar um passo dentro do Congresso sem ser censurado por meus colegas, o que não me surpreendeu. Para eles Collor deveria ser tratado como um leproso, deveria ficar para sempre incomunicável. Este personagem, que para mim era esquizofrênico, transformou-se para pior. Parece que se curou da esquizofrenia e só tem o lado mau. Hoje é uma figura lamentável. Durante seu mandato o intelectual-chefe do PSDB, Hélio Jaguaribe, disse: “o maior presidente da república desde Juscelino, e é louco”. 

Esta seria, por sinal, a segunda vez em que o mensalão levaria Lula à beira do impeachment, a primeira pelo próprio fato em si, que o levou a pedir desculpas ao povo brasileiro e dizer-se traído, numa admissão pública da gravidade do que ocorrera. Agora, na tentativa desesperada de adiar o julgamento do Supremo.

O advogado Nelson Jobim não conseguiu sair-se bem da missão de desmentir o indesmentível.  Duvido que fique preocupado com o fato mais do que uma semana. Ninguém mais se incomoda em ser apanhado em uma mentira, quinze minutos depois de proferida. E já que tocamos no personagem, este é de uma vaidade patológica, e pode até estar inconscientemente satisfeito por haver voltado às manchetes. Primeiro disse pessoalmente a Jorge Bastos Moreno que a visita acontecera por coincidência, pois Lula fora visitá-lo e lá por acaso estava Gilmar Mendes, que de vez em quando aparece no escritório para tocar um trabalho jurídico com Jobim. Como Moreno de bobo não tem nada, registrou o desmentido como sendo uma confirmação, pois não é possível que, sabendo três dias antes que Lula lá estaria, não tivesse desmarcado qualquer outra reunião em seu escritório.

E mesmo que Gilmar Mendes apareça por lá sem avisar, caberia a Jobim evitar constrangimento aos dois. A terceira versão de Jobim – antes dera outra à revista Veja, alegando que não ouvira tudo o que foi conversado – foi, afinal, de que realmente convidara Gilmar Mendes a se encontrar com o ex-presidente para uma conversa em seu escritório, por iniciativa de Lula, mas negando que a conversa tivesse girado sobre o mensalão, que teria entrado nela “de passagem” por seu intermédio.

O esforço de Jobim para proteger o ex-presidente Lula é tamanho que ele não se incomoda de se colocar em má situação. Ora, se fosse mesmo verdadeira, essa versão colocaria Jobim não apenas como intermediário, mas também como participante ativo da pressão sobre um seu ex-colega de Supremo. Ao levantar o assunto mensalão, Jobim estaria sendo no mínimo inconveniente, para não dizer temerário.   

O próprio ex-presidente, aliás, na nota oficial do Instituto Lula em que se diz “indignado” e nega que tenha pressionado o ministro Gilmar Mendes, fala do encontro como tendo sido ocasional: “No dia 26 de abril, o ex-presidente Lula visitou o ex-ministro Nelson Jobim em seu escritório, onde também se encontrava o ministro Gilmar Mendes”. Lula, como se vê, mantém a versão do encontro ocasional, quando Jobim já evoluíra para admitir que convidara Mendes para o encontro a pedido dele. É irresistivel dizer que só pode ficar indignado que tem dignidade. 

O ministro do Supremo Gilmar Mendes teria que ter uma imaginação prodigiosa para inventar tantos diálogos e situações, e bastam duas ou três dessas situações relatadas por ele para confirmar que tudo se passou como diz. O ex-presidente Lula teria dito a Gilmar Mendes que pediria ao jurista Celso Antonio Bandeira de Mello para conversar com o presidente do Supremo, Ayres Britto, de quem é uma espécie de guru, responsável por sua indicação ao STF por Lula.

O presidente do STF, embora não acredite na intenção maliciosa de Lula( o articulista se resguarda- é claro que o presidente do STF acha Lula malicioso, aliás, a palavra é muito fraca para dizer o que ele com toda a probabilidade pensa do sujeito) recordou que durante almoço no Palácio da Alvorada, a convite da presidente Dilma Rousseff, Lula perguntou-lhe sobre Bandeira de Mello, afirmando que “qualquer dia desses” os três tomariam um vinho juntos. Lula ainda se referiu a José Dias Toffoli, afirmando que lhe dissera que ele “tem que participar do julgamento”. Ex-advogado do PT, e tendo uma namorada que atuou em defesa de mensaleiros, inclusive o ex-ministro José Dirceu, há expectativa de que Tofolli se considere impedido de participar do julgamento do mensalão. O que Lula teria dito a ele fora antecipado pelo prefeito de São Bernardo Luiz Marinho, um dos políticos mais próximos de Lula, que definiu recentemente em declaração pública sobre a possibilidade de Tofolli se sentir impedido: “Ele não tem esse direito”.

Recentemente, o ministro Dias Tofolli foi criticado ao visitar Lula no Hospital Sírio e Libanês em São Paulo, com quem conversou longamente. Vê-se agora que as críticas tinham razão de ser. Por fim, o advogado Nelson Jobim, em uma das várias entrevistas que tem concedido desde que o encontro foi revelado por Veja, disse que se admirava muito de que só agora, passado um mês do encontro, o ministro Gilmar Mendes se revele revoltado com o teor da conversa. Ou Jobim fez um comentário leviano, sem ter se inteirado das informações, ou está tentando apenas confundir o cenário. O fato foi revelado por Gilmar Mendes ao Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel; ao Advogado-Geral da União, Adams Silva e ao presidente do Supremo, Ayres Britto, antes de sair publicado na Veja. Portanto, o ministro Gilmar Mendes apenas confirmou o que a reportagem de Veja soube por outros caminhos em Brasília. Como dizia o ex-ministro Golbery do Couto e Silva, segredo só guarda quem não tem. O melhor amigo sempre tem um melhor amigo, e todas as histórias acabam circulando. 

O próprio Lula relatou seu encontro a várias pessoas. Por fim, a nota oficial do Instituto Lula tem pelo menos uma inverdade, quando afirma que Lula nunca tentou interferir nas decisões dos ministros do Supremo indicados por ele. Houve pelo menos uma ocasião em que ele procurou pessoalmente um ministro, e foi rechaçado com elegância. Essa história é conhecida por vários ministros do STF. De fato o dia a dia nos ensinou que em seu enredo os atores principais e coadjuvantes são todos bandidos. O taxista, o balconista, o porteiro, o jornaleiro, o eletricista, estão fartos de saber. A forma de participar da estrutura de poder de um país é através do voto, e no Brasil ele é obrigatório. O que eu não entendo é porque o povo, completamente desiludido, ainda escolhe em quem votar, ao invés de dar um soco na máquina.

o blog profético:

UMA EM CADA CINCO EMPRESAS EUROPÉIAS QUER SAIR DA CHINA

Trabalho semi -escravizado não tem custo trabalhista, e a ditadura chinesa enfrenta dificuldades insuperáveis para manter seus trabalhadores nessa situação, então…

 

O Estado de São Paulo –  Mais de uma empresa europeia em cada cinco (22%) implantada na China contempla reorientar os investimentos no país para outros mercados emergentes em consequência do aumento do custo trabalhista e de um marco jurídico incerto, aponta uma pesquisa.

“A China se converte em um mercado estratégico cada vez mais importante para as empresas europeias, mas uma proporção significativa poderia reorientar os investimentos e abandonar a China, cada vez mais onerosa, para outros países“, aponta a pesquisa da Câmara de Comércio Europeia na China que ouviu 557 empresas.

No total, 78% das empresas manifestam otimismo sobre um crescimento das operações na China nos próximos dois anos, mas apenas 36% projetam uma evolução favorável da rentabilidade.

Para crescer na China, 52% das empresas destacam uma expansão para regiões do país nas quais ainda não estão implantadas.

As três principais preocupações das empresas europeias na China são a desaceleração econômica, para 65% delas, o aumento do custo trabalhista (63%) e a desaceleração econômica mundial (62%).

—————————————–

VEJAM COMO SÃO INTERESSANTES OS COMENTÁRIOS DE SARGENTOS A RESPEITO DE SEUS VENCIMENTOS E O MOMENTO POLÍTICO ( documento circulando entre militares, e vamos supor que sejam reais, verídicos, não montados)  Prestem atenção porque temos um termômetro aqui. Quando os milicos descobrirem que já não são impopulares ( por incrivel que pareça não sabem disso) , e que o slogan “acabar com a roubalheira e assegurar a ordem pública liquidando os bandidos”, é música para a população,  então… acautelem-se. O PT sabe que precisa cooptar o Exército com a maior brevidade possivel, e tem sido muito incompetente até agora. 

 

 

35 comentários:

Anônimo disse…

Hoje sinto vergonha de completar dez anos de serviço!!Antes eu olhava um segundo sargento e achava o máximo, hoje eu sinto pena, os Sds do quartel me perguntando se eu vou fazer concurso pra PM, me perguntam se é o caso fazer prova da EsSA com cara de deboche!!!Sabem que o PM ganha melhor, trabalha menos e por pior que seja a profissão é mais valorizado que um povo que usa um termo como “missão real” para definir uma coisa que deveria ser rotina em sua vida.

Não me preocupo com aumento mais, esse salario baixo só me motiva mais a querer sair desse lixo!!

27 de maio de 2012 01:58

 

Américo disse…

Montedo, selecionei um parágrafo de um texto que poderá nos revelar a aparente perseguição que nos é imposta:
“Possivelmente a idéia de destruir as Forças Armadas de nosso Continente começou já em 1964, pela pronta reação contra revolucionária no Brasil. Khrushchev e Fidel se deixaram levar mais uma vez pelo incompetente Prestes e pensaram que seria um “passeio” tomar o Brasil. Não foi. Quando Brezhnev, mais agressivo, substituiu Khrushchev em outubro de 64 nada mais restava a fazer, o movimento contrarrevolucionário já se consolidara”.

27 de maio de 2012 03:52

 

Américo disse…

Sabemos que a evasão dos militares das FFAA, oficiais subalternos, intermediários e graduados (principalmente) tá mais frequente que nunca, normalmente para outras repartições públicas via concursos ou mesmo para trabalharem no próprio negócio. Motivo? Salários indígnos pelas suas habilidades. Sei que nossos salários nunca foi la grandes coisas, mas agora chegou ao insuportável, causando-nos vergonha em apresentar nossos holerites, quando solicitados por ocasião da necessidade de comprovação para uma compra financiada, principalmente.
Essa negação da correção dos nossos saláros, com vencimentos dígnos das nossas obrigações, NÃO TENHAM DÚVIDAS, o objetivo é muito mais sério do que podemos supor. Minha dedução: enfraquecer as tres forças, pois para esses apátridas no poder, NÓS SOMOS INÚTEIS PARA ELES, até um estorvo, um impedimento para a concretização dos ideais da corja comunista. Para esse bando, essa tropa marxista, pouco importa a nossa soberania ou fronteiras policiadas por nossas FFAA.
Vejam como é fácil chegar a essa conclusão: Com salários miseráveis, os jovens, virtuais futuros oficiais e sargentos não optarão pela carreira militar, claro, a maioria que antes tinha esse sonho, justamente pela desmotivação dos baixos salários e reflexo da evasão dos militares efetivados; então esses jovens partirão para outras tantas repartições públicas existentes, ou conclusão de um curso universitário, os quais serão acolhidos por iniciativas privadas. Não tenho a estatística, mas podem ter certeza que o efetivo no EB, MB e FAB cai de ano para ano. Então, qual o objetivo de negar nossa correção salarial? NÃO HÁ OUTRA EXPLICAÇÃO.(Futuramente criarão tropas milicianas, aos moldes e mentes de Cuba, Coreia do Norte e China – gravem o que estou a dizer)
Abraços e sorte a todos irmãos que estão na mesma canoa. cqd.

27 de maio de 2012 05:59

 

Corneteiro Lopes disse…

Já virou piada, so rindo para não chorar

27 de maio de 2012 09:24

 

Anônimo disse…

O pior de tudo é q se vier 6% como estão falando já vai ajudar…Meu soldo de sargento é tão pequeno q qualquer esmola ajuda!!Esse ano vou fazer prova pra Sd da policia do meu estado, não ganha muito mas recebe um pouco mais que o SGT do EB!!!

27 de maio de 2012 09:37

 

Anônimo disse…

Curiosidade: por que o Exército não publica as demissões a pedido e ex-ofício das Praças no Boletim do Exército e no D.O.U ? Será que não existe uma irregularidade nesta omissão ? Por QUE as “baixas” de oficiais são publicadas no BE e no D.O.U e a das Praças não ? Como está sendo feito atualmente (publicação apenas no BI da OM) não é possível, por exemplo, levantar o índice de evasão dos graduados de carreira. Lembro que a PUBLICIDADE é um princípio CONSTITUCIONAL e requisito de EFICÁCIA DOS ATOS ADMINISTRATIVOS. O fato de os Comandantes de OM terem competência para demitir ou exonerar a Praça isso não significa que basta a publicação em Boletim Interno, pois como sugere o nome, o BI dá publicidade apenas ao público interno da respectiva OM, não supre a necessidade de PUBLICIDADE à sociedade como ocorre quando o ATO é publicado no DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO.

JBS

27 de maio de 2012 10:00

 

Anônimo disse…

bem escrito anônimo das 10:00, pq não é publicado as demissões dos sgt, já que quando foram matriculados na ESA e no término saiu no DOU? esta semana 4 capitães saíram do EB, está no BE! estou estudando, estudando, estudando, já não dou mais aquele gás do início da carreira, vou pular fora do EB, pois minha família não merece isto!
sgt cfs/98

27 de maio de 2012 11:14

 

Anônimo disse…

Quando vai acabar essa ladainha e esse chororo????

1º- Qual a utilidade da milicada???
Fazer estrada no brejo? varrer rua na greve dos garis? Dar uma de super agente de saúde e combater a dengue, para o cmt de OM aparecer no jornal local? eventualmente assumir a segurança pública quando as PMs querem fazer greve para um soldado ganhar mais que um sargento do EB? e quando o fazem vão feliz da vida, cheios de sorrisos se achando!!!

2º Se o comando realmente tivesse preocupação e decência com a tropa, eles diminuiriam o interstício de promoção do pessoal de carreira, ou seja, não dão aumento para nós mas eu amenizo a situação do MEU PESSOAL!!! Mas em vez disso o que eles fazem???? Eles dificultam a vida de todo mundo, cheio de vagas abertas para promoções e eles não promovem, isso mostra a verdadeira cara das forças armadas!!!Não vou nem falar do valor que os comandantes das forças recebem como gratificação de cmdo, isso seria humilhar de mais.

3º- Quando nós estivemos no poder não fizemos uma lei decente em nosso benefício, muito menos na questão salarial, E AGORA QUEREM QUE O SARNEY, ITAMAR, FHC, LULA, DILMA FAÇAM?????

4º- Tenham vergonha na cara parem de puxar saco de oficial, quem puder sair, que saia e procure coisa melhor, (eu já fiz isso). Ou vocês acham que realmente o governo e os comandantes estão preocupados com o pracinha lá no Rio de janeiro, São Paulo morando na entrada da favela??????? Eles bem ou mal tem PNR, são movimentados com muito mais frequência, ou seja, quando a coisa ta ruim vazam para outro lugar com um dindim no bolso e vão para outra cidade com um PNR bem localizado e pronto. E assim vão levando (com cursos, e transferências)e depois que vão para a reserva o pau pega e começam a chorar as mazelas nas cartinhas dos clubes militares.

Quem achar que eu falei alguma mentira pode me desmentir.

27 de maio de 2012 11:35

 

Anônimo disse…

Quem está no início da carreira militar, tanto OFI,como Praça, devem estudar o máximo para sair. Mas quem tem 26 anos de militar, com pensamento em liquidar as inúmeras dívidas, é se preparar para reserva, a fim de entrar no mercado de trabalho, pois, com esse salário, não dá.

27 de maio de 2012 11:55

 

Anônimo disse…

Cada categoria profissional tem o reconhecimento que faz por MERECER e proporcionalmente ao seu nível de ativismo político (entenda-se atuação por meio associações e sindicatos) junto aos PODERES! Nós não recebemos o reconhecimento porque NÓS SOMOS OMISSOS E INERTES e estamos acomodados nessa prejudicial zona de conforto de cumprir um expediente tomando cafezinho, conversando sobre futebol e sobre o CHQAO e promoção! Nem mesmo as associações possuem apoio do pessoal da ativa. E pior, quando um militar se torna candidato é criticado pelos pares e perseguido pelos superiores, que por inveja, receiam que o subordinado venha no futuro a ter mais prestígio do que eles.
O General não aceita a ideia de ter que receber em seu gabinete um DEPUTADO EX-Soldado, Cabo, Sargento ou Subtenente e ter que chamá-lo de Vossa Excelência, para eles isso é um absurdo! E não me venham com o discurso de que o “militar não pode reivindicar” ou fazer uso do direito constitucional de emitir opiniões, esse argumento não cola mais e não se amolda mais ao período em que vivemos. Temos duas escolhas: ou ficamos INERTES reclamando da vida e nos contentamos com cafezinho, jogar paciência no computador e conversar sobre frivolidades aguardando o término do expediente; ou nos engajamos política e juridicamente através de associações LEGAIS que visem representar as demandas dos militares junto aos parlamentares.
Se os comandantes são melindrados o problema é deles e nosso porque infelizmente atualmente dependemos deles para que nossas demandas sejam passadas a diante.

JBS

27 de maio de 2012 12:09

 

Anônimo disse…

No site www.servidor.gov.br, mais especificamente no CADERNO Nº56 vide link http://www.servidor.gov.br/publicacao/tabela_remuneracao/bol_remuneracao.htm
é possível ver todas as remunerações vigentes no Executivo Federal, inclusive as GRATIFICAÇÕES recebidas pelos Comandantes das três Forças.

27 de maio de 2012 12:57

 

Anônimo disse…

“Como está sendo feito atualmente (publicação apenas no BI da OM) não é possível, por exemplo, levantar o índice de evasão dos graduados de carreira.”

Amigo, se quiser, basta olhar no site do DGP e mande listar turma por turma, de cada arma/quadro/serviço e terá as informações de que tem curiosidade.

Adianto que, na Aviação, o índice de sargentos que já saíram beira 50%.

Abs

27 de maio de 2012 13:31

 

Anônimo disse…

Engana-se quem pensa que a Dilma não tem ciência de estudos como esses. Ela vê sim, morre de risada e pensa “estou me vingando desses manés”. Muita fé meus camaradas.

1º Sgt Cav/95

27 de maio de 2012 14:01

 

Anônimo disse…

estudem pra sair desse lugar!!!!

27 de maio de 2012 16:18

 

Anônimo disse…

Pô gente eu sei que o aumento não depende só dos nossos Comandantes, há toda uma politica suja e revanchista por trás disso tudo, mas bem de o General Cmt da 1ª DE, poderia reduzir está taxa extorsiva e ilegal de R$ 280 (duzentos e oitenta reais)que esta cobrando dos moradores do condomínio II da ESAO na Vila Militar, Rio de Janeiro. Jornal O Dia, Fantático, Imprensa em geral, que tal uma matéria sobre isso? o título poderia ser: “Além de amargarem um achatamento salarial sem precedentes, os militares ainda são extorquidos pelos seus próprios coMANDANTES, com taxas abusivas e ilegais.”

27 de maio de 2012 19:02

 

Anônimo disse…

vou pular fora logo, logo!
cap med/cirurgião

27 de maio de 2012 21:29

 

Anônimo disse…

pensamento de nossos generais a respeito dos escravos, digo, suditos, vasssalos, ou melhor, praças….SE NÃO TEM PÃO QUE COMAM BRIOCHES!!!!!

OS TIRANOS FAZEM OS REBELDES!!!!

27 de maio de 2012 21:44

 

Anônimo disse…

Bem feito quem mandou acreditar nesses papagaios…Agora ta aí PQDT, Guerra na Selva e Burro feito uma porta!! Vai estudar praça, para de querer uma coisa que vc não é, Praça não tem carreira!!!

28 de maio de 2012 07:14

 

Anônimo disse…

É triste acompanhar os comentários postados sobre o assunto. E a tristeza advém não do mérito, mas sim da maneira como é feita. Compostos basicamente por palavras ofensivas, brutas e desconexas, mostram uma “razão insensata”, que muitas vezes apregoa o estudo como meio de escape, não mencionando, porém, que, o conhecimento não é nada quando não se sabe o que fazer com ele. Meus irmãos, tenho hoje 24 anos de serviço, vividos como soldado, cabo e sargento, e “morados em alojamento, em república, em favela e PNR. Anos de muita economia e escolhas. Escolhas que nem sempre foram fáceis mas que levaram a uma situação que hoje considero confortável. Meus amigos, a vida não é fácil para ninguém, mas reclamar apenas por reclamar é apenas uma forma inócua de expressão. Tenho a mais convicta certeza de que todos os que incentivam a estudar para sair da Força e todos os que dizem que o farão, na realidade jamais sairão. Todos estes “insatisfeitos” permanecerão na Força até o último dia que lhes seja permitido, sempre trabalhando mal, pouco e de maneira ineficaz. Eu amo a minha profissão! Sou orgulhoso do trabalho que tenho e não o sou por causa do salário que tenho, mas por causa da importância que dou a ele. Pouco me importa se algum funcionário público ganha mais do que eu ainda que tendo um cargo inferior. Para mim o que importa é o que eu sou. Minha família tem orgulho de mim, não porque tenho um grande salário, mas porque trabalho com amor e ofereço o meu melhor para eles. Sou um soldado! Não um mercenário! Alguém que vincule sua felicidade e competência profissional ao valor líquido de seu contracheque está apenas mascarando uma profunda insatisfação, não com a carreira profissional, mas com a própria maneira como escolheu para viver. Sempre acreditei que no mundo há dois tipos de pessoas; as que fazem e as que dizem que fazem e por isso procuro sempre estar no primeiro grupo, pois neste a concorrência é menor. Acreditem, o único agente transformador de suas vidas é a motivação, nascida em seu próprio peito, sentimento este que é alimentado não pelo desejo consumista de posse mas sim de uma vontade quase absurda de querer ser feliz.
Cap. José de Barros Lima

28 de maio de 2012 10:01

 

Anônimo disse…

E os militares tiram serviço, trabalham cumprindo um horário rigoroso e o visitador sanitário quase não trabalha. Eu conheço um e falo com convicção, nem mesmo nesse periodo de incidências de denge eles cumprem o horário. È uma vergonha!

28 de maio de 2012 12:20

 

Anônimo disse…

Cap José, sugira então a um Cabo, que ele vá ao supermercado e troque motivação por, quem sabe, 1kg de carne. Os nossos políticos adoram este tipo de discurso, enquantos os bolsos deles ficam bem “motivados”, a tropa se contenta com a vida como ela é. E a propósito, quase todo sargento que eu conheço está descontente e realmente estudando para sair, não fica apenas nas palavras. Se você ama tanto a carreira que abraçastes, fica feliz em saber que os melhores “materiais humanos” estão sendo perdidos?

28 de maio de 2012 12:45

 

Anônimo disse…

Um discurso bonito do comentário acima, como sempre o pensamento de oficial. Mas, quem é mercenário?
O sargento que fica 9 anos recebendo 2200 reais por mês, que praticamente a metade vai para o aluguel/condominio e tem que se virar com o que sobra pra sustentar a familia ou o oficial que em cinco anos de serviço é promovido tres vezes, no minimo duas transferencias,PNR onde chega…
O praça não tem carreira, disso só os alienados que não acreditam, a preocupação é com a familia, e a Instituição faz pouco caso com a familia dos praças, afinal qual a voz da senzala, alem de prantos e ódio que aos poucos esta sendo alimentado pelos chefes.
Pense que não é facil para um pai de familia negar o basico para os seus filhos e olha-los sem ter a certeza que podera suster uma boa educação…
Hoje não se enxerga perspectiva para a familia, é tentar passar o mês e esperar o proximo…escolhendo que conta atrasar.
É facil falar de felicidade no trabalho e realização pessoal, COM A BARRIGA CHEIA!!!!!!!

28 de maio de 2012 13:15

 

Anônimo disse…

Parabéns Cap Jose de Barros Lima. O Sr é o paradigma de Amélia que não reclama e acha bonito não ter o que comer, bem aos moldes que os generais pensam que é a regra na Tropa. O Sr considere-se a exceção e tenha empatia suficiente para saber que a maioria pena pela falta de respeito que, primeiramente, os generais e a seguir o governo nos impingem. Se o Sr acha justo o que vem acontecendo, devolva mensalmente seu adicional por tempo de serviço, via GRU, abra mão de sua LE, se não gozada, providencie o Termo de Desocupação de PNR e vá pagar R$ 1.000,00 de aluguel na favela que o Sr alega já ter morado. Agora chegar aqui com esse discurso de incredulidade sobre o que estão fazendo com meu Exército, poupe-nos. Suas palavras não condizem com seu histórico: morou em alojamento, república e favela. Ou o Sr é mais Amélia do que eu imagino ou então não tem família, porque se tem deves ser um déspota que a trata da mesma maneira que o governo nos tem tratado. Questione se sua “suposta” família realmente se orgulha do Sr ou se o Sr acha que ela se orgulha? Pondere o seguinte: a quantidade de comentários negativos neste e em qualquer blog é infinitamente superior aos positivos. O Sr deve estar certo e a Bíblia deve estar errada, não é? Se a sua opinião não deriva de uma postura relativa, mas sim absoluta, voluntarie-se junto ao comando da força para ministrar palestras que me tirem da minha profunda insatisfação oriunda do meu desejo mercenário de dar para a minha família o mínimo de conforto já que não sei fazer economia e tão pouco escolhas. E, sim, perdoe a minha “razão insensata”, fruto da minha postura que só fala sem fazer e além de tudo não sabe usar o conhecimento que tem. Eu lhe digo uma coisa, Sr Capitão: não apenas o conhecimento, mas também a experiência, são inócuos quando não são convenientemente empregados. Portanto, palavras de exceção não inspiram mudanças, só alimentam a revolta.

28 de maio de 2012 13:41

 

TROXA disse…

É MESMO CONCORDO COM OS COMPANHEIROS ACIMA SOBRE O PENSAMENTO DESSE OFIAL MAS POR ISSO MESMO JA ESTAMOS DIZENDO (OFICIAL) COM CERTEZA ESSA CAMARADA NUNCA RECEBEU UM SOLDO DE PRAÇA POR ISSO FICA COM ESSE PAPINHO DE AMOR A PROFISSÃO EU TAMBÉM TINHA AMOR A PROFISSÃO SEMPRE FUI UM APAIXONADO PELO MEU EB COMO COSTUMO DIZE MAS DIANTE DESSE DESCASO QUE TAMOS VIVENDO NÃO HÁ AMOR QUE RESISTA NOBRE CAP. PENSE NO SEU FILHO LHE PEDINDO UM DINHEIRO PRA SAI COM OS AMIGOS E O SENHOR TER QUE DIZE QUE NÃO O TEM. PORQUE ESTAMOS GANHANDO UMA MISÉRIA QUANDO ENTREI NO EXÉRCITO Á 22 ANOS ATRÁS UM SARGENTO GANHAVA MUITO BEM MAS HOJE CHEGA A SER VERGONHOSO EO SENHOR AINDA ME VEM COM ÉSSA BALÉLA MAIS ANTIGA AINDA. COM ESSES PENSAMENTO SÉ QUE O NOSSO EB TA ONDE TÁ É POR CAUSA DESSE TIPO DE (OFIAL) COM ESSE PENSAMENTO TROQUE COM UM PRAÇA POR UM TEMPO E VIVA COM OSALÁRIO DELE TENDO TRÊS FILHOS PRA CRIA E PAGA ALUGUÉL COM ESSE SOLDO. ABRAÇO E NOBRE OFIAL. CAVALARIA PRO SENHOR!!! SÓ PRA LEMBRA VO VENDE OS FERROS DOS CAVALOS PRA PAGA AS CONTAS. QUE AMOR É ESSE…………

28 de maio de 2012 13:52

 

Anônimo disse…

O as mazelas do Exército de hoje são o grande legado deixado por Capitães e tantos outros Oficias de gerações anteriores, como esse Cap José de Barros Lima, omissos e cultivadores de uma cultura militar que muito se preocupou com a forma, tradição e menos com a finalidade, conteúdo e eficiência da Força.

28 de maio de 2012 17:24

 

Anônimo disse…

Pois é meus amigos, infelizmente eu estou certo. E utilizo o advérbio de modo infeliz, justamente porque esperava encontrar, ao menos um que concordasse comigo. Pena! Deixem-me esclarecer uma coisa: O Cap José de Barros Lima não existe, mais. Utilizei o nome deste ilustre herói da Revolta Pernambucana de 1917 como um pseudônimo. E como soube a respeito do dito capitão? Simples, sou professor de história. Formei-me às duras penas, com sacrifício e muito suor, assim como minha querida esposa, que depois de muitas transferências e trancamentos, conseguiu formar-se em direito. Bom, hoje eu sou 1º Sgt Inf durante o dia e professor de história e inglês à noite. Sei que vão dizer que estou violando o regulamento já que deveria me dedicar exclusivamente ao Exército, mas, lembrem-se, adotei o nome de um revolucionário como pseudônimo. Minha esposa, que passou muitas noites debruçada sobre os livros hoje é defensora pública e juntos, temos condições de pagar o curso universitário de nossos filhos, que não precisarão passar pelo que passamos e nem precisarão sonhar em se tornarem oficiais em alguma academia. Sabem como foi possível pagar nossos estudos? Durante dois anos trabalhei como manobrista e “valet parking” nos finais de semana, enquanto minha esposa trabalhava de babá e doméstica. Foram anos muito difíceis e cansativos, mas em nenhum momento desanimamos, nem paramos para lamentar a sorte nem para pedir esmolas. Nosso orgulho sempre foi maior e foi justamente esse sentimento que nos serviu de motivação para buscarmos o estudo e, finalmente, quando percebemos que poderíamos começar a utilizar o que havíamos aprendido, o fizemos. A vida ainda não está fácil, mas já melhorou bastante. Aumento? Não esperamos. Hoje, entre os serviços do quartel e as aulas à noite, busco tempo para o novo curso que ora nos é imposto – o CHQAO – e também me preparo para um concurso público que pretendo prestar em breve. Meus queridos, não vou aposentar-me no exército; tenho ainda muita ambição, mas, jamais irei negar o tremendo orgulho que sinto em ser sargento e servir em uma instituição que merece todo o nosso respeito. Perdoem-me por esta “pegadinha”, cujo propósito foi chamar atenção para o fato de a maioria não estar prestando atenção ao que realmente acontece. Explico: Assim como muitos não leram o 1º texto por completo, ou se o leram não souberam interpretar, também muitos estão vinculando sua condição atual ao Exército Brasileiro, uma instituição. Meus amigos, nós somos a instituição EB, que não é a causadora de nossos males, cuja origem está, não nas pessoas que escolhemos para representar-nos, quer seja como vereador ou presidente (jamais direi presidenta), ou em nossos superiores, mas sim em nós mesmos que os elegemos e bajulamos diuturnamente, por que, como cães amestrados que abanam as caudas esperando migalhas, o fazemos por acreditarmos que assim seremos recompensados. Meus irmãos, o Cap JBL não existe, mas existe o Sgt e com exceção do nome todo o resto é verdade. Sou um homem orgulhoso, da profissão que tenho e das escolhas que fiz. E gostaria de chamar a atenção de todos para que sintam orgulho de serem militares, pois somente assim serão capazes da manutenção da dignidade e apenas assim conseguirão força para os momentos piores que ainda virão. Acreditem, se permitirmos que o sentimento de derrota e desânimo tome conta do corpo de graduados estaremos nos transformando em uma simples massa de manobra, útil apenas aos interesses escusos de pessoas que sequer imaginamos e que contam exatamente com a nossa revolta. Não precisamos de revolta, precisamos sim é de uma revolução! Revolução no pensamento e comportamento. Aqueles entenderem a diferença compreenderão o que digo.

28 de maio de 2012 18:38

 

Anônimo disse…

Esse cara suada do Cap. foi praça? não acredito nisso. Mercenário!!!! chamar o militar que está ganhando uma migalha de mercenário.Toda transf. de Oficial e pago passagem de avião, e os praças de ônibus, PNR os praças tem uma fila infinita, os OF já chega com a casa na sua espera.
Pagar 700 de aluguel, 550 de colégio p dois filhos,160 de telefone, 800 de compra, 200 de luz, 500 de cartão de credito, será que um 3ºSG tem um salário para pagar todos esses gastos.

28 de maio de 2012 18:42

 

Corneteiro Lopes disse…

vEM CÁ DE ONDE DESCONGELARAM ESTE TAL DE CAP BARROS LIMA ???? DEVE ESTÁ PARADO NO TEMPO MINIMO UNS TRINTA ANOS !!!!!!
UMA COISA É CERTA GANHAMOS POUCO MAIS NOS DIVERTIMOS MUITO

28 de maio de 2012 18:44

 

Anônimo disse…

Capitão suas palavras foram muito bonitas, bem articuladas e dignas de um portugues bem dizido. Mas sua interpretação é horivel, se fizesse a prova do ENEM não seria aprovado nem em economia domestica, fulga total.
O texto fala, Abismo salarial: Sargentos das Forças Armadas ganham menos que visitadores sanitarios.
Onde está a palavra “Capitão ganha menos…” ou ainda ” revela detalhes curiosos, como capitão…” Sua nota é Zero!!!
Volte a estudar!!
Não se meta onde não foi chamado, o texto relata uma triste estatistica das FFAA, nada deveria ser escrito nesses comentarios além de criticas!! Guarde seu discurso pra um recruta, pra algum cadete ou para algum aluno idota da EsSA.

E pare de ficar na posição de sentido enquanto eu estiver falando!!

28 de maio de 2012 20:10

 

Anônimo disse…

Montedo! Este Capitão José de Barros Lima, é um grande fantasma ou é de algum exército de outro país, pode ser mais um PETRALHA postando comentários para tirar sarro da nossa classe. Procurei no site do DGP e não existe nenhum Cap com este nome. É um farçante.

28 de maio de 2012 21:38

 

Anônimo disse…

É ISSO MESMO, O EXÉRCITO SE PREOCUPA MAIS COM A FORMA E TRADIÇÃO TANTO NA SEARA OPERACIONAL QUANTO NA ADMINISTRATIVA E EDUCACIONAL. OS MILITARES SÃO MUITO ACOMODADOS COM A ROTINA, GOSTAM DA ROTINA, DEIXAM DE LADO A EFICIÊNCIA POR CONTA DA PREGUIÇA E ACOMODAÇÃO EM FICAR REPETINDO OS MESMOS PROCEDIMENTOS DURANTE DÉCADAS. PAPÉIS VÃO PARA UM LADO… VÃO PARA OUTRO… SEM QUE NINGUÉM PARE PARA LÊ-LOS COM ATENÇÃO. DIVERSOS DOCUMENTOS SÃO FEITOS EM “N” VIAS E ARQUIVADOS EM DIFERENTES LUGARES DO MESMO QUARTEL E NINGUÉM ACHA ANORMAL… JÁ TEVE 5S (CINCO “S”), PEG-EB, E AGORA SEF-EB, MAS TUDO CONTINUA UMA ZONA SÓ, COM COMANDANTES QUE NÃO DÃO CONTINUIDADE AOS TRABALHOS DE ORGANIZAÇÃO DO COMANDANTE ANTERIOR.

28 de maio de 2012 22:37

 

Anônimo disse…

logo, logo estarei fora desta m—-!
Cap Int/2000

28 de maio de 2012 22:53

 

Anônimo disse…

Esse praça com três estrelas ai de cima do comentário é aqueles QAO da antiga do tempo que não tinha CHAQAO pra se sair QAO, época em que todos os QAO iam pra casa com 40% (30% tempo de serviço e mais 10% dos dois adicionais permanência), tudo isso calculado sobre o posto acima (major), tinham L.E, auxilio moradia tinham direito a uma transferência pra qualquer lugar do Brasil(tempo que o dinheiro da transferência dava pra compra um imóvel) antes de irem para a reserva remunerada. Com todo esse monte de vantagens que o EB oferecia antigamente esses QAO iam pra reserva com um salário superior ao de um Ten Cel da ativa, mas graças ao governo FHC nos surrupiaram todas essas vantagens. Com tudo que foi exposto no meu comentário é fácil entender porque tanto “amor” desse pseudo oficial a profissão.

28 de maio de 2012 22:56

 

Anônimo disse…

É, bem que meu avô já me dizia: “-De nada adianta iluminar o caminho para um cego!”
JBL

29 de maio de 2012 10:50

 

Anônimo disse…

Há muitos companheiros que se julgam acima da “carne seca”. O Exército é bom. Devo tudo ao Exército. Amo, do fundo do meu coração, a minha profissão. Morando em PNR, “cumprindo expediente” numa carteirinha rolha da Fiscalização, esposa trabalhando, tudo às mil maravilhas. Observem como tudo vai de 100 a 0 em 10 segundos: transferência para RJ ou SP e a carruagem vira abóbora. Isso se der sorte de não cair em um BIL ou BPE. Vai pedir reconsideração de ato? Mas o EB não era bom? A profissão não era a sua vida? Não vi um ou dois acordando para a realidade, foram muitos. E lhes digo, não passavam de parasitas nas seções em que trabalhavam sempre alegando grande paixão pelo que faziam, alardeando os “excelentes” trabalhos. Não passavam de meros propagandistas que se serviam do Exército. O mais engraçado é vê-los dando conselhos aos lobinhos: para adquirir seu imóvel, você deve procurar leilões junto a CEF. Valeu, papa de assuntos imobiliários. Há também os investidores na bolsa que não desgrudam do computador para acompanhar o sobe/desce das ações e por aí vemos esses civis-fardados envolvidos em mil e uma atividades, exceto as militares. Se você ama a sua profissão, vai caçar uma subunidade para ser sargenteante, sai da seção de PEG EB. Quer vibrar mesmo, vai caçar um morteiro e saia da Sec Dorm. Você é o cão nuclear que deve a alma ao EB, larga o osso do S2 e vai vibrar no Pelopes. Já que o EB é sua religião, monte um preparatório fora do horário de expediente para a EsSA, para os Sd da sua subunidade sem cobrar nada. Acho que não sirvo ao mesmo Exército que essas almas iluminadas se servem. O meu EB é FAR, instrução para o Sd até o talo (sem recursos, é claro), manda-brasa inopinado, missão rolha a todo instante, escala de serviço apertada, sindicância atrás de sindicância, comissão de orçamento (a SALC passando a bola), projeto Rondon, Combate à Dengue, e missões subisdiárias (severino) mil. Minha esposa trabalha e ganha muito melhor do que eu (o que não é muito difícil) e nem por isso acho o EB a terra encantada. A despeito da questão salarial, temos péssimas condições de trabalho se levarmos em conta que militarismo e profissionalismo só têm em comum o sufixo -ismo. Estou só na cola do concurso público e por muito pouco não saí no último que prestei. Se mantiver o ritmo, apesar dos contratempos, muito em breve abandonarei o EBnic. Enquanto isso, cumpro as minhas missões não deixando que o meu padrão reflita o meu estado moral, mantendo a ética, ciente que tenho o direito de reclamar e o dever de bem trabalhar. Só lembrando, o nosso vínculo é estatutário e não parasitário. O EB é uma instituição e não um hospedeiro. Quem está feliz na força ou é porque tomou sua bandinha diária de tegretol ou é porque está de “barriguinha cheia”.

29 de maio de 2012 13:58

 

30 maio, 2012 às 10:13

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *