Fala o coronel Villamarín sobre Chávez tentar o assassinato do presidente colombiano Juan Manoel Santos

Cel. Luis Alberto Villamarín Pulido

Cel_VillamarinLuis Alberto Villamarín Pulido, coronel do Exército Colombiano atualmente na reserva, é membro da Academia de História de Huila, da Academia de História Militar e da Sociedade Bolivariana de História. Analista de assuntos estratégicos, especialista em Defesa Nacional, contra-terrorismo e operações de guerra psicológica. Autor de 17 obras relacionadas com o conflito colombiano (FARC e ELN), sobre a história do país e o terrorismo internacional, colunista de diversos meios de comunicação internacional. Página pessoal: www.luisvillamarin.co.nr

Enquanto Santos explora caminhos para recompor as relações diplomáticas e comerciais da Colômbia com a Venezuela, Chávez se associa com as FARC para assassiná-lo.

Assim se infere da apreensão de material de guerra e documentos, em operações das Forças Militares e o CTI (Corpo Técnico de Investigação) da Fiscalização, contra terroristas das FARC em Bogotá, três dias antes da posse de Santos como presidente dos colombianos.
Terroristas do ETA em associação com as FARC e um venezuelano, engenheiro de sistemas, tinham prontas cinco armas de tiro curvo para lançar granadas contra objetivos precisos na Praça de Bolívar, no Capitólio Nacional e no Palácio de Nariño.

O objetivo principal: assassinar o presidente Uribe, que saía, e Santos que entrava, o Congresso da República, as Altas Cortes, o Alto Comando Militar e as personalidades convidadas. O propósito: gerar um caos nas instituições da Colômbia. E o fim estratégico: que as FARC canalizassem a desordem e a dificuldade da Força Pública para controlar a situação, com o imediato reconhecimento do status de beligerância por parte dos governos pró-terroristas do Brasil, Bolívia, Venezuela, Equador, Nicarágua, Cuba, El Salvador, Uruguai, Paraguai e Argentina, assim como o respaldo às FARC com homens, armas, recursos destes governantes e dos partidos comunistas do hemisfério, do Foro de São Paulo e do Movimento Continental Bolivariano.
Talvez o mais grave de todos os planos terroristas urdidos por Chávez e as FARC contra a Colômbia, é também a mais preocupante ingerência comunista no continente desde quando Fidel Castro colocou seu peão Hugo Chávez na Venezuela.
Não obstante, os meios de comunicação, os analistas políticos, os internacionalistas, os colunistas de opinião e os jornalistas que cobrem o tema guardaram discreta indiferença, conduta que só é justificável em uma estupidez funcional coletiva.
É oportuno perguntar se a ministra Holguín terá a mais superficial idéia da dimensão deste complô, ou se o presidente Santos acredita de verdade que Chávez procede com sinceridade depois de ter financiado as FARC para que o assassinassem. Ou se os auto-denominados “Colombianos pela Paz”, dados a questionar e até processar o Estado colombiano por tudo o que afete os direitos humanos dos comunistas, têm algum assomo de patriotismo para condenar a intenção criminosa de seu mentor e sócio Hugo Chávez, ou se os colombianos em geral seguiremos imersos na indiferença e no apaziguamento.
O Foro de São Paulo, Lula, Chávez, Correa, as FARC, etc., querem a Colômbia na lista dos lacaios da ditadura cubana. Para isto jogam todas as cartas, como por exemplo, a hipocrisia de Chávez e Lula para com Santos, enquanto escondidos planejam assassiná-lo, derrocar o governo legítimo e pôr um amigo das FARC no Palácio de Nariño.
Não há tempo a perder. O problema não é só com a Venezuela, mas com Lula e seus cúmplices. O assunto deve ser levado ao Conselho de Segurança da ONU, à OEA, à Corte Penal Internacional, à Casa Branca, à União Européia, à OTAN, etc.
A chanceler não pode cair no jogo resvaladiço das reuniões bilaterais e do fingido formalismo, impróprio em truões como Chávez ou Maduro. A ministra Holguín deve dirigir uma estratégia integral e concreta, desenvolvida por cônsules, embaixadores, adidos, adjuntos, plenipotenciários e demais burocratas com ribombantes e improdutivos cargos diplomáticos no exterior. Sem os horários de “doutores importantes”, devem vestir a camisa da Colômbia, suá-la e desmascarar em cenários acadêmicos, políticos, jurídicos, diplomáticos e jornalísticos o complô contra a Colômbia.
O Ministério da Defesa deve encabeçar uma estratégica integral de operações militares com guerra psicológica, tendente a localizar e neutralizar os cabeças do Secretariado das FARC, incrementar a deserção dos bandidos, propiciar a união do povo com as Forças Militares, e gestar com os demais ministérios planos concretos de desenvolvimento sócio-econômico, geração de emprego e ativação da economia nas áreas geográficas de tradicional presença narco-subversiva.
Chávez não é confiável. Enquanto o novo governo lhe estende uma ponte de conciliação, ele urde um complô com as FARC e seus cúmplices nacionais e internacionais, para assassinar o presidente da Colômbia e, ao mesmo tempo, legitimar os terroristas.
Tradução: Graça Salgueiro

22 setembro, 2010 às 01:23

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *