House , Pinochet, e Amorim

A série ” House” é ótima, mas deixa a gente um tanto paranóico. Aquele negócio de vasculhar a casa do paciente atrás do motivo da doença é novidade. Quer dizer que temos armadilhas em nossos quartos, salas, jardins, cozinha ? Se usamos um sapato apertado corremos risco de vida? Andar descalço dentro de casa deve ter alguma implicação com ataque cardíaco. Se o cachorrinho está doente aí é que estamos mesmo ferrados. Eu não sabia de nada disso, e gostaria de continuar na completa ignorância.

House_Cameron

Que ótimo ator é o Hugh Laurie. Seu papel é muito difícil . Mesmo com a inexoravel repetição temática ele consegue nos convencer. Tenho algumas dúvidas sobre a cena – que já vimos dezenas de vezes –  em que a câmera mostra, em close, o doctor recebendo um insight sobre a doença, o seu rosto sofrendo uma quase imperceptível mudança, e a perspicácia que ele consegue colocar no olhar. Ainda assim, é uma grande atuação.

dithered

O candidato da direita ganhou no Chile e  vai disputar o segundo turno na qualidade de favorito.  Pinochet é um dos polos da campanha eleitoral. Trata-se de um dos demônios consagrados dos nossos tempos. Mas, vamos ver o que diz sobre ele o grande jornalista inglês, Paul Johnson, autor de  livros excepcionais, e amigo de várias celebridades políticas e não políticas : “ As pessoas devem concordar em divergir sobre os heróis. Admiro o Chile e seu povo em geral, e fiquei preocupado quando meu amigo Salvador Allende se tornou presidente e abriu o país às hordas de radicais armados do mundo todo. O resultado foi a mais alta inflação do mundo, violência universal e a ameaça de guerra civil. Por isso, aplaudi a tomada do poder pelo general Pinochet, por ordem do Parlamento, e ainda mais seu sucesso fazendo reviver a economia e tornando-a a mais sadia da América Latina. Mas, por impedir a transformação do Chile em um satélite soviético, o general ganhou o furioso ódio da União Soviética, cuja máquina de propaganda o demonizou entre as classes tagarelas de todo o mundo. Foi o último triunfo da KGB antes de desaparecer na lata de lixo da história. Mas, para mim, Pinochet continua sendo um herói porque conheço os fatos.” E você, prezado leitor, conhece os fatos, ou se deixou levar pela avassaladora lavagem cerebral de esquerda que transformou Pinochet em um carniceiro? Se ainda pensa assim talvez acredite que existe a  “medicina cubana”   – uma das mentiras mais bem sucedidas do mundo.

Eu me lembro quando Pinochet foi indiciado por um ultra-esquerdista juiz espanhol, e ficou em prisão domiciliar por dezesseis meses, em Londres. Um dia foi visitado por Margaret Thatcher, que o presenteou com uma valiosa peça de antiquário, uma relíquia, acho que foi uma chícara com pires. A televisão mostrou a cena muitas vezes. Só fez crescer minha admiração por ela, que teve a  coragem desse gesto. Talvez não fosse coragem, já que Thatcher é naturalmente assim.

Estou colocando dois vídeos para o leitor. No primeiro ela agradece a ajuda que ele prestou à Inglaterra na guerra das Falklands , e no segundo conta que Pinochet foi vítima de uma vingança política. É interessante ouvi-la dizer ”  political vendetta”, com um carregado sotaque britânico. A palavra “privatização” é invenção dela.

[gigya width=”400″ height=”345″ src=”http://www.metacafe.com/fplayer/1657287/margaret_thatcher_defiende_al_general_pinochet.swf” quality=”high” wmode=”transparent” allowScriptAccess=”always” ]

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=PVNiE-i8k1g]
dithered
Amorim_Hillary

Fotografia do Estadão em que aparecem o ministro Celso Amorim e Hillary Clinton, os dois caminhando dentro da Casa Branca. Significativo o gesto de Amorim levando a mão ao braço de Hillary. Uma imagem vale por mil palavras. Esse estrategista vulgar, que confunde pragmatismo com o direito de ser imoral, está sempre insinuando que é íntimo das celebridades políticas pelo mundo afora. Claro que ninguém sabe o seu nome, apenas tem notícia de que é vaidoso, sempre tendendo para posições exóticas ou oportunistas  ( o que eu acabei de escrever deve estar no papelzinho que as pessoas importantes guardam no bolso, se por acaso são obrigadas a se encontrar com ele . No alto do papelzinho está escrito  MR. AMORIM, porque é claro  que ninguém que tenha mais o que fazer vai se lembrar de seu nome.)

Reparem que nas entrevistas o ministro responde com frases cortantes,  que julga serem  inteligentes, irônicas, embora não passem de burrice agressiva. Seu lema é “ falem mal, mas falem do Brasil”. Será um alivio ficar livre dele após a saída de Lula. O problema é que se a Dilma ( mas que nome! vocês tem certeza de que ela  não lava roupa prá fora? ), se a Dilma vencer ele pode continuar nos chateando por muitos anos. Lembrem-se que Lula já está eleito em 2014. Que dolorosa a nossa perspectiva. Atenção para os militares! Ou lhes damos o valor que merecem ,ou eles podem nos surpreender lá na frente, tornando-se petistas.

dithered

Até as décadas de 60 e 70 havia tanto golpe militar na A.Latina que a Bolívia chegou a ter mais golpes do que anos de independência. Os coroneis e generais faziam os famosos ” pronunciamientos”. Aqui, no Brasil, eles tinham uma queda pela ” carta aberta à Nação” . Enfim, todos nós éramos ridicularizados no mundo desenvolvido. Um dia me contaram que Costa Rica não tinha exército, que estava livre desse problema, um modelo para o resto do continente. Estive por lá e perguntei o que fariam se fossem agredidos. A resposta: ” Nós somos defendidos pelo exército dos Estados Unidos!” Mas que gente esperta! E Costa Rica é muito bonita, muito arranjadinha, e uma das pioneiras no turismo ecológico.

dithered

Alguém de bom senso consegue explicar essa obsessão em fechar Guantânamo ? Qual é o problema ? Trata-se de um lugar perfeito para manter terroristas. Uma ilha. De um lado o mar, do outro o regime comunista. Ficou com má fama por causa das supostas torturas ? Bem, agora mudou o governo. Não é possivel manter essa canalha presa por lá mesmo, e dar sossego aos americanos que de uma hora para a outra vão ser vizinhos dos malucos perversos? Essa foi uma demagógica promessa de campanha. Apenas isso.

15 dezembro, 2009 às 01:12

Tags:

Categoria: Artigos

Comentários (6)

 

  1. Guilherme disse:

    Caro Claudio

    Achei o seu Blog por acaso algum tempo atrás e o achei ótimo. Estranho que poucos cometários são aqui postados (sinal de patrulha ideológica?)

    Estive no Chile a passeio em 2005 e fiquei impressionado com o que vi e ouvi. A começar pelo inusitado lema nacional: “Pela razão ou pela força”. O país é lindo (a porção sul, pelo menos), a infraestrutura é boa e crescente. As pessoas são muito educadas e recatadas (o grande problema “social” deles é a imigração ilegal, especialmente bolivianos e peruanos). Conversei com vários chilenos de diversas idades a respeito de Pinochet e do período em que este esteve a frente do governo. De fato, assim como consta no seu post, descobri que ele é venerado por ter colocado a economia nos eixos e dado a democracia que agora eles desfrutam, apesar das torturas e mortes dos esquerdistas… até a polícia (carabinieri), que “botou a mão na massa” durante a repressão, é muito bem cotada por lá.

    Dizem que nos “anos de chumbo” chilenos foram 3.000 mortos, o pior score da América do Sul…possivelmente, mas o fato importante é que ao se considerar a América Latina (o que inclui Cuba na comparação), Pinochet perde de lavada para Fidel Castro (uns 100.000).

    E quando se considera que os 3.000 mortos chilenos eram amantes (ingênuos ou não) da desgraça cubana, a atitude de Pinochet torna-se mais compreensível, muito longe daquela estória esquerdista que o trata com um militar malvado perseguindo pobres criaturas só porque elas acreditavam em ideais sublimes e eram amantes da liberdade… lorota pura.

    Em relaçao a Allende, os chilenos com que concersei foram um tanto quanto indiferentes… aliás, curiosidade, a tese de doutoramento de Allende é um primor de racismo eugênico (garimpei tal informação por lá e depois confirmei a sua veracidade), demonstrando o quanto o socialismo é próximo do nacional-socialismo (vulgo nazismo).

    Enfim, se o Brasil “bolivarizar-se”, o que, digamos, é bem provável, terei de mudar-me: penso muito no Chile, e quem sabe, a valente Honduras ou a Colômbia de Uribe.

    Um abraço, sucesso, e mais que tudo, coragem ante o lulismo crescente!

    Guilherme

    • Claudio Mafra disse:

      Olá Guilherme,
      Obrigado pelas palavras gentis.
      Não sei se foram 3 mil mortos no Chile. Algum tempo atrás o número favorito da esquerda era 30 mil. Não podemos saber de nada, a não ser, feito você fez, conversando com os chilenos. Acho que minha experiênca vai me levar a um número muito aproximado porque:
      Um dos meus projetos(sempre adiado) é conhecer o sul do Chile, e, já que eu tenho todo o tempo do mundo, até pensei até em ir de carro, desde que arrumasse uma ótima companhia (mulher bonita).
      O blog tem pouquíssimos comentários, e nem sei a razão de continuar escrevendo. Agora, plagiar coisa minha isso é feito de montão. A última foi a Veja, com a Thaís Oyama. Plagiou a matéria sobre a Coréia do Norte. E o pior é que ela me ligou várias vezes, e fomos ficando amigos. Depois faz isso. Uma coisa é pautar a matéria pelo que escrevi, outra é copiar os momentos mais significativos, expressões, estilo.

      Você escreve muito bem. Suponho que seja coleguinha. É bem humorado também. Um abraço forte.

  2. Ronaldo Veloso Romão disse:

    Tudo que leio a respeito de Margaret Thatcher, só faz aumentar o meu fascínio por sua postura.

    Thatcher faz muita falta assim como Reagan!

    • Claudio Mafra disse:

      Concordo integralmente: Thatcher e Reagan faziam um par que nunca mais veremos. Uma piada do grande Reagan: Quando houve uma falha na comunicação, e ele deixou de saber o que estava acontecendo em um setor do governo,foi perguntado sobre isso na coletiva. Sua resposta : ” Sim , realmente houve uma falha. Mas isso não vai acontecer de novo! Já dei ordens expressas para que eu seja até acordado, mesmo se for durante uma reunião do Conselho de Segurança Nacional!

      Outra, essa sobre o déficit americano: ” Sobre o déficit, ele já está bem crescidinho para que eu fique me incomodando com ele” . Grande resposta, já que envolve uma abordagem econômica. Última: Após ter sido baleado, e a caminho da cirurgia, olhou para os médicos e disse : ” Espero que vocês todos sejam repuiblicanos”.

  3. marcos disse:

    Militares petistas!? Oh, Claudinho, deixa de ser paranóico rapaz. Tu até tá parecendo americano, uai!

    • Claudio Mafra disse:

      Tá bom , Marcos, eu já estive do lado de lá e sei que tudo pode acontecer. Mas, logo , logo, a curto prazo, você ficou cheio de razão: tivemos a ótima notícia de que eles deram um murro na mesa a propósito do Lula querer mudar a lei da anistia. Os jornais não deram ao fato a expressão que ele tem. Nossos militares “ainda são perigosos” , como eu disse em um artigo.E de onde você tirou essa de que os americanos são paranoicos ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *