Nossos militares e o Discurso de Kennedy na Crise dos Misseis (vídeo legendado); Krauthammer e o totalitarismo esquerdista; Paulo Coelho; FH; Tópicos; Charges

Img_08042014_001

 

 

Em 1945, a Poetry-London publicou um livro fino de Elizabeth Smart, com o título By Grand Central Station I Sat Down and Wept ( Junto à Grand Central Station eu me sentei e chorei) Hummm… Acho que já vi este título antes… Claro! O charlatão Paulo Coelho o copiou no seu ridículo “Na margem do rio Piedra eu sentei e chorei”  Fico pasmo vendo como são amados esses milionários ladrões. Roberto Carlos passou a vida roubando músicas dos outros e sofreu alguns processos por isso. Muitos anos atrás eu quase avisei a Columbia Records a respeito de dois plágios, “Gentle on My Mind” cantada pelo Frank Sinatra, e “I Will”, cantada pelo Dean Martin.  A preguiça macunaímica me impediu.

 

Fernando Henrique na revista Valor:

Eu não entendo porque é que as Forças Armadas ainda não dizem: ‘Olha aqui. Nós fizemos isso e foi errado’. Porque, se eles disserem isso, acabou.”

Nossa, mas esta é uma declaração muito burra ! FH parte do pressuposto de que os militares se arrependem do golpe, ou da tortura ( não li a entrevista). Acha que são meninos teimosos que não dão o braço a torcer, mesmo sabendo que estão errados. Com respeito à tortura deve haver uma minoria que a condena, mas, quanto ao golpe,  99,99% dos militares concordam que ele foi necessário. Não podemos votar em candidato que não sabe o que foi a Guerra Fria. 

Outra declaração seminal do pavão misterioso em encontro de intelectuais no Rio: ” Sou de esquerda mas ninguém acredita” Frase de efeito. Deve ter sido ovacionado -entre mil gritinhos de satisfação -pelos macacos que foram ao tal encontro. Nós, os destituídos de qualquer liderança decente, sabemos muitíssimo bem que o pavão sempre foi e morrerá esquerdista. 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-..-.-

 

De cada dez homicídios no mundo um acontece no Brasil .

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.—..-.-.-.-.-.—.–.-

 

 

 

 

O doleiro, o mega doleiro, Alberto Yousseff,  no telefone com o ladrão deputado André Vargas:  “….representa a tua  independência financeira e nossa tambem, é claro”  Independência financeira ????  O doleiro já lavou 10 bilhões de reais !!!  Se recebeu APENAS  2%, seriam 200 milhões! E isto deve ser apenas a ponta do iceberg, é claro.  E o cara tem jatinho, e tudo de bom que o dinheiro pode comprar. Está roubando faz muito tempo, deve ser quaquilionário. Sua operação com André Vargas foi apenas uma entre dezenas, ou mesmo centenas. Mixaria. E o mais interessante é que todos os jornais e as tvs dizem que  ” o deputado afirmou que apenas é amigo de Youssef”  ou, um outro deputado disse que ele” “apenas jantou com Youssef”;   “o doleiro esteve com uma delegação oficial que visitou Cuba” , e assim por diante.   Nossa, mas um doleiro deixou de ser uma figura igual a de um bicheiro ?  Um doleiro pode almoçar, jantar, viajar com figuras importantes, frequentar o poder e todos acham natural, como se ele fosse um advogado, um engenheiro, ou sei lá mais o que. A figura do doleiro sempre esteve associada ao desvio de dinheiro para depósito no exterior!  

 

-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.-..-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

 

O governo tentou colocar um notório bandido, o senador Gim Argello,  no Tribunal de Contas da União.   O presidente do Tribunal parece que conseguiu impedir a a nomeação.  O meliante é alvo de seis inquéritos no Supremo Tribunal Federal por corrupção ativa, peculato, e foi condenado pelo Tribunal de Justiça  do Distrito Federal (TJ -DF) por ter criado cargos comissionados artificiais quando era presidente da Câmara Distrital. “Quando iniciou a carreira profissional no Distrito Federal, há quase três décadas, trabalhando como corretor de imóveis, Gim Argello tinha um patrimônio estimado em R$ 100 mil. Em 2009, ele teria surpreendido um de seus colegas de plenário – Renan Calheiros (PMDB-AL), atual presidente do Senado – ao afirmar que havia alcançado “o primeiro bilhão de reais” naquele ano. A imprensa noticiou o diálogo, que, obviamente, teve uma repercussão negativa”  . 

Por que nenhum repórter , em alguma coletiva, não pergunta prá dona: “ Como é possivel a senhora indicar para o Tribunal de Contas da União um condenado pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal, um homem que ainda sofre seis inquéritos por corrupção ativa e peculato? Pela Constituicão é exigido que o candidato tenha idoneidade moral e reputação ilibada. E a senhora sabe que o TCU é o orgão que justamente fiscaliza as contas dos governos, tentando evitar roubalheiras.”  Seria maravilhoso mas não existe tal repórter. 

Mas, e a reação da Dilma ? Ficaria pasma e provavelmente diria alguma grosseria, ou, apavorada, sem conseguir se articular, sairia amparada por algum puxa-saco. Uma pergunta assim encerra uma coletiva.

E o melhor é que eu já fiz isto. Acabei com uma coletiva com o ministro dos Transportes Eliseu Rezende. Todos ficaram chocados com a minha pergunta na qual só faltava chamá-lo de ladrão. O ministro ficou atônito e foi salvo pelo diretor do DNER, que colocou a mão em seu ombro e disse, se levantando: “Ministro, o senhor tem um compromisso agora, já estamos atrasados”. Eliseu não disse uma palavra, e os dois foram embora. Comoção geral. 

Editorial do Estadão: “ O IBGE sob domínio petista“.    Sim, TUDO vai ficar sob  domínio petista. Quando se chega ao ponto de tentar nomear um criminoso, um crápula já condenado, para o TCU,  a necessidade de esconder a falta de escrúpulos foi embora há muito tempo.

 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-..-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.—-

CHARLES KRAUTHAMMER   (Washington Post)

Dois meses atrás, uma petição com mais de 110 mil assinaturas foi entregue ao The Post, requerendo uma proibição de qualquer artigo que questione  o aquecimento global. A petição chegou um dia antes da publicação da minha coluna, que tratava precisamente desta heresia.

A coluna foi publicada normalmente. Mas eu fiquei gratificado pelo show de intolerância, porque ela ilustrou perfeitamente meu argumento de que a esquerda esta entrando em  uma nova fase de agitação ideológica – não mais tentando ganhar o debate, mas parando de debater completamente, banindo do discurso público toda e qualquer oposição.

A palavra apropriada para esta atitude é totalitarismo. Ela declara certas controvérsias como encerradas e trás serias consequências – desde ostracismo social até exclusão vocacional – para aqueles que se recusam a silenciar.

Às vezes a palavra surge no ar, como quando o presidente dos Estados Unidos declara que a ciência do aquecimento global está “estabelecida”. Qualquer um que discorde é então taxado de “contra a ciência”. E melhor ainda, um contraditor – uma calúnia brilhantemente escolhida para imputar ao cético em relação ao clima a vergonha normalmente reservada aos que instigam ódio e excêntricos que negam o Holocausto.

Então, na semana passada, outra eclosão. A mais nova conclusão  da mente esquerdista é sobre o casamento ‘gay’. Exatamente como a ciência do aquecimento global está estabelecida, assim parece, são os méritos morais e filosóficos do casamento ‘gay’.

Opor-se a ele não é  nada mais do que intolerância, semelhante a racismo. Os oponentes têm de ser similarmente marginalizados e evitados, destruídos pessoalmente e profissionalmente.

Como o CEO da Corporação Mozilla, Brendan Eich,  que com apenas dez dias de trabalho, renunciou sobre pressão, quando foi revelado que seis anos antes ele tinha feito uma doação para a campanha da Proposição Oito da Califórnia*  que definia o casamento como um ato entre um homem e uma mulher.

*Proposição aprovada em 2008 que impedia casamentos entre pessoas do mesmo sexo na Califórnia, e considerada inconstitucional em 2010.

Mas porque acabar com Brendan Eich, a vítima desse linchamento ‘high-tech’? A Proposição Oito foi aprovada por uma diferença de meio milhão de votos. Seis milhões de californianos se juntaram a Eich no crime de ‘privilegiar’ o casamento tradicional. E assim fez Barack Obama. No mesmo ano, ele declarou que suas crenças cristãs o fizeram  opor-se ao casamento ‘gay’.

Mas, ao abrigo de novos preceitos, isso é uma descarada intolerância. Por esta lógica, o homem que a  esquerda com tanto êxtase levou à Casa Branca em 2008 foi igualmente um intolerante.

A coisa inteira é tão estúpida que não exige explicação. Não há lógica. O que esta em jogo é puro preconceito ideológico – é a violência da nova norma totalitária que declara, unilateralmente, que certas questões devem ser encerradas.

Encerradas para debate. Abertas somente para condescendência intimidadora.

A esse circo mágico de conformidade forçada, a esquerda gostaria de adicionar algumas outras políticas, como a resistência para o que é considerada uma “guerra às mulheres”.  É um sinônimo colorido para sexismo. Atacar é uma forma rude de por fim ao debate.

Assim, opor-se a aborto tardio é fazer guerra contra a “saúde reprodutiva” das mulheres. Similarmente, é questionar a ordem de contracepção gratuita do Obamacare para todas.

Alguns se opõem à regulamentação por causa de sua influencia sobre o livre exercício da religião. Outros, pela mais pura (e não teológica) razão, de uma distorcida hierarquia de valores. Sob a nova lei, tudo esta resguardado, mas umas poucas coisas são dadas livremente. A que deve a contracepção  seu exaltado status? Por que deveria ela figurar acima de, por exemplo, antibiótico para uma criança doente, pelo qual a mãe deve pagar uma parte?

No entanto, diga isto e você será acusado de negar as mulheres o “acesso à contracepção”.

Ou tente ser contra a  chamada nova Paycheck Fairness Act for women*, que é um pouco mais do que emprego para todos os advogados tribunalistas. Discriminação sexual já é ilegal. O que essas novas leis fazem é aliviar os queixosos de provar discriminação intencional. Para instaurar um processo, eles precisam somente mostrar que mulheres ganham menos em seus locais de trabalho.

*Legislação proposta com intuito de diminuir as disparidades de salários entre homens e mulheres com a mesma atividade, nos Estados Unidos.

Como a Casa Branca, onde mulheres ganham 88% de cada dólar que os homens ganham.

Isto é chamado de “impacto discrepante”. Será que alguém realmente pensa que Obama conscientemente discrimina empregados do sexo feminino,  em vez de  pensar a disparidade como um reflexo da experiência, um histórico de trabalho, e etc.? Mas  levantar tais questões é denunciar tendências heréticas.

A boa notícia é que a  acusação de “guerra às mulheres” é predominantemente cinismo, alimento para  demagogia de ano de campanha. Mas a tendência esta crescendo. Oponha-se ao consenso atual e você será um contraditor, um fanático, um homofóbico, um sexista, um inimigo do povo.

Por muito tempo uma matéria de academia, o impulso  totalitarista esta se espalhando. O que fazer? Defender  os dissidentes,  mesmo se  – talvez, especialmente se – você não concorde com suas políticas. Isso é – ou foi? – o estilo americano.

TRADUÇÃO: Célia Savietto Barbosa

 

 

Political Cartoons by Jerry Holbert

 

 

 

 

Political Cartoons by Nate Beeler

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Michael Ramirez

 

 

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Lisa Benson

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Eric Allie

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Bob Gorrell

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Eric Allie

 

 

 

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Gary Varvel

 

 

 

 

 

 

 

 

.Political Cartoons by Jerry Holbert

 

 

 

 

 

Political Cartoons by Glenn Foden

 

 

 

 

Discurso (legendado) de Kennedy na Crise dos Misseis

Vale a pena assistir ao vídeo. É um dos maiores momentos do século XX. Foram 13 dias extraordinários, mas no Brasil eu me lembro que líamos as notícias como se estivéssemos completamente a salvo. Não tínhamos a percepção emocional de que poderia ser o fim do mundo. Levávamos nossas vidinhas da mesma maneira, ninguém estava preocupado. Enquanto isso, nos Estados Unidos as pessoas se apavoraram. Os abrigos anti-atômicos foram procurados, os supermercados tinham suas prateleiras esvaziadas, um pânico meio que controlado.  Já os europeus, cansados de guerra, achavam que desta vez seriam exterminados. 

Havia uma exceção entre nós: os militares. Estes acompanhavam atentos aqueles momentos e extraiam suas lições sobre a Guerra Fria. POR ISSO estavam muito a frente dos civis com respeito ao perigo comunista. Deram o golpe em 1964 e, justamente em virtude da nossa ignorância, até hoje não foram compreendidos. 

 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-..-

 

 

Political Cartoons by Michael Ramirez

 

 

A esta altura Obama  já sabe que não é, nem de longe, tão inteligente como pensava.  Em seu delírio, o maior ególatra do século XXI, pensou ser capaz de baixar as águas dos mares. Assumiu a presidência imaginando que iria revolucionar os Estados Unidos, iria reverter todos os “erros dos passados”, conseguir ir muito além  dos sonhos da cambada liberal e criar um plano de saúde fantástico, ferrar os ricos e ajudar os pobres , promover um país ( na visão deles) muito mais justo. Iria passar para a história como o maior presidente da história americana. No plano externo teve idéias geniais: Iria reconhecer o “imperialismo” do seu país e pedir desculpas por ele; ridicularizar o excepcionalismo de seu povo;  e, é claro, foi muito além na covardia, no medo do enfrentamento que se espera de um liberal comum. Só Jimmy Carter teve uma política externa tão desastrosa. .

A Ucrânia está numa situação que beira o desespero. Seu primeiro ministro prometeu – sob imensa pressão de Putin – maior autonomia para regiões pró Rússia. A covardia criminosa, impiedosa, imbecil, do governo Obama é quase parecida com a corrupção brasileira . Ambas são surrealistas. Por que  Obama, como propos Charles Krauthammer, não manda o Secretário da Defesa a Kiev amanhã para negociar assistência militar, e ao mesmo tempo aproveita para renovar o acordo de sistema de defesa antimísseis com a Polônia e a República Tcheca ? O que poderia acontecer? Nada de importante. Putin teria que colocar o rabo entre as pernas, apenas isto. E que tal mandar para o Mediterrâneo um dos espetaculares porta-aviões atômicos + um submarino atômico ? Não é necessário disparar nenhum tiro, ninguém deseja isto, mas a mensagem ficaria clara: não vamos deixar a Ucrânia, e nenhum outro país que se tornou livre da URSS, voltar para a escravidão russa.

Obama, o expoente maior da audácia da ignorância, o pior presidente da história americana. Só não está com a popularidade igual a -10 porque conta com a simpatia das mulheres dos hispânicos e dos negros. Volto a citar Ann Coulter:

 

 

ACoulter_28_02

“  Eu acho que as mulheres devem ter armas mas não devem votar… as mulheres não têm capacidade para compreender como é que o dinheiro é ganho. Elas têm muitas idéias de como o gastar… é sempre sobre dinheiro em educação, mais dinheiro para cuidados infantis, mais dinheiro para creches”. E também : ” Seria um país muito melhor se as mulheres não votassem . Isso é um fato. Na realidade, em todas as eleições presidenciais desde 1950- exceto Goldwater em 64, os Republicanos teriam ganho, se apenas votassem os homens.”


Segundo pesquisa da CNN, Obama conquistou 55% dos votos femininos, mas só conseguiu convencer 45% dos eleitores homens.

Quanto à faixa etária, 60% dos eleitores com menos de 30 anos votaram em Obama, enquanto 56% dos maiores de 65 preferiram o candidato republicano  – ” Os jovens possuem todos os defeitos dos velhos + a inexperiência” (Nelson Rodrigues)

 

Political Cartoons by Jerry Holbert

 

 

 

A Guerra Fria  ( Obama sabe o que foi, mas não conseguiu entender patavina)

A partir de 1947, com a casa completamente arrumada, e estimulados pela espetacular vitória sobre Hitler, os comunistas russos acharam que já era hora de conquistar o mundo. Infelizmente para eles os Estados Unidos não estavam dispostos a permitir. Se não fosse por isso a tarefa teria sido facílima para Stalin e suas  500 divisões. Para se ter uma idéia, a disparidade de forças era tão grande que provavelmente toda a Europa Ocidental se renderia sem dar um tiro. A supremacia nuclear americana garantia a Europa e o resto do mundo. Os russos, os bolcheviques, mesmo depois de conseguirem fabricar os ICBM (misseis intercontinentais – que atingiriam os USA) concluiram que se iniciassem uma guerra o planeta não seria mais habitavel, o melhor era esperar, já que acreditavam no tempo trabalhando a seu favor.

Bem, já que não era possivel brigar, a URSS (Moscou), resolveu:  1)  incentivar rebeliões internas entre diversos países no mundo,  principalmente nos subdesenvolvidos, aonde a probabilidade de sucesso rápido era maior 2) disputar eleições onde a conquista pelas armas fosse impossivel, e neste caso estavam as nações européias e algumas outras fora do continente europeu, sendo que o Chile é um ótimo exemplo. O plano era , após serem eleitos democraticamente, os comunistas dariam um fim à democracia, instalando a ditadura submissa às ordens russas.

Desta maneira “movimentos revolucionarios” explodiram por todo o mundo,  uma minoria tentando impor sua vontade pela força. Recebiam ordens vindas diretamente da Rússia, e qualquer partido comunista que tentasse ter vida própria era imediatamente condenado e sabotado pelo Politiburo soviético.  A antiga Yugoslavia ficou famosa por haver desafiado Moscou e haver conseguido instalar o seu próprio comunismo- nacionalista. Alguns outros países tentaram o caminho do comunismo chinês, mas foram poucos os que conseguiram. O Cambodja é o melhor exemplo de trágico sucesso. Pois bem, evitar que os guerrilheiros, mesmo sem o apoio popular, tomassem o poder pela força; evitar que um país caísse nas mãos dos comunistas através de um trabalho de sabotagem das instituições democráticas e, evitar que governantes democraticamente eleitos levassem seus países para o comunismo, tornou-se a principal razão de ser dos militares em quase todos os países do mundo.  Explicar o porquê deste comportamento dos soldados faria o artigo ser ainda mais longo.

GERALMENTE, mas não como regra, os generais que combatiam a subversão eram apoiados pelo governo dos Estados Unidos. Este apoio poderia ser através de armas, consultores militares, inteligência, e dinheiro.  É mentira da esquerda que a presença americana estava presente em todos os países ameaçados pelo comunismo. No Brasil, por exemplo, a pesquisa de Marco Sá Correia aponta para a operação Brother Sam, o que seria uma intervenção da marinha americana no episódio do golpe de 1964. Foi alguma coisa que nunca aconteceu, embora se a situação se complicasse imagina-se que poderia ser efetivada, quem sabe, talvez, jamais saberemos.

No caso dos militares assumirem o poder na derrota das forças comunistas o mais comum era instalar-se uma ditadura. Não se toma o poder para entregá-lo imediatamente às forças civis que não conseguiram evitar o desastre. Desta maneira, os Estados Unidos prestavam seu apoio aos generais que se tornavam presidentes. É claro, óbvio, de uma clareza que um menino de 10 anos de idade pode entender, que dentro do contexto da Guerra Fria, onde a URSS tentava -“em sua missão sagrada” – , ganhar o mundo comendo o  mingau pelas beiradas ( a teoria do dominó), os Estados Unidos e os povos que viram os comunistas serem derrotados consideravam um mal menor a ditadura de direita implantada pelos generais vencedores.  Era flagrante a contradição: Os Estados Unidos,  o país mais democrático do globo terrestre, eram obrigados a apoiar regimes de exceção, até que o perigo comunista fosse extinto. Com o passar do tempo essas ditaduras se tornavam cada vez mais impopulares, mas o risco de uma ressureição do perigo comunista faziam com que os americanos não trocassem o certo pelo duvidoso, isto é, melhor deixar um povo nas mãos de ditadores corruptos e na maioria das vezes violentos, do que o inferno de um país atrelado à Moscou com o consequente enfraquecimento da posição militar dos EUA no mundo. A experiência mostrava que ditaduras de direita poderiam cair (com ou sem o apoio americano)  e a democracia ser restaurada, enquanto a ditadura de esquerda, comunista, tendia a ser perpétua.

Com a queda do império soviético em 1990-91, tudo mudou.  As velhas, esquecidas, maravilhosas repúblicas da Europa Oriental, e muitas outras da Ásia, se libertaram. Durante pelo menos uma década os Estados Unidos ficaram tranquilos e sozinhos como único super-poder em todo o globo. Muito poderia ter sido feito aproveitando esse momento extrordinário, não fosse o movimento anti-americano dentro dos EUA, o fascismo Democrata-Liberal.

Bem, se nenhum outro inimigo houvesse aparecido no cenário mundial, todos esses ditadores corruptos, impopulares, violentos, poderiam ser substituídos gradualmente através de eleições democráticas. De fato, no mundo ocidental, a maioria desapareceu aos primeiros sinais de uma URSS caindo de podre, com a brutal exceção de Cuba. Restaram os déspotas no mundo islâmico, e outros, ainda comunistas, na Ásia que se mantivera fora da órbita soviética.

Com o tempo, ascenderam novamente, aqui, e ali, o rebotalho dos antigos comunas, com uma roupagem diferente. Não sabem se querem a ditadura do proletariado, (escrevi esta matéria antes do Putin dar um rumo para a canalha petista e outros canalhas) estão meio que no limbo,  onde entram uma dose de anticapitalismo, estatismo, nacionalismo, e outras bobagens. Mais forte do que tudo: tornaram-se absolutamente corruptos ( No Brasil a situação é inacreditável, e requer, entre outros, um exame psiquiátrico). Poderiam ter sido escorraçados por um Estados Unidos fortes, mas, repito,  o movimento interno liderado por toda a costa Leste e Oeste americana – universidades,  intelectuais, imprensa, atores hollywoodianos idiotas uteis, impediu a ação americana.

O terrorismo islâmico. Novamente o impasse, que é pouco percebido pelos malditos liberais americanos. Eufóricos, logo criaram a ridícula expressão “primavera árabe”. No momento em que isto se deu, este blog logo disse que o risco dos islamistas fundamentalistas tomarem o poder era enorme. Primavera para os malucos sanguinários e inverno para o resto do mundo.

 

 

Political Cartoons by Bob Gorrell

 

 

 

 

 

 

O Estadão tem dois cronistas totalitários e burríssimos: Marcelo Rubens Paiva e Lúcia Guimarães.

 

 

 

 

Political Cartoons by Gary Varvel

 

 

 

 

 

-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

 

Copa do Mundo absurda, pergunta para o Lula – Luiz Carlos Prates

 

 

-.-.-.-.-.-..-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

 

 

 

 

 

 

 

 

Discurso do Ministro das finanças suíço rindo do Brasil ???????


O que de fato aconteceu :

Switzerland’s finance minister collapsed into a fit of giggles as he  tried to read the unintelligible bureaucratic language in his report  while answering a parliamentary question about imports of cured meats.

 

 

 

 

14 abril, 2014 às 13:24

Tags:

Categoria: Artigos

Comentários (2)

 

  1. Marco Balbi disse:

    Ótimo. Estou divulgando!

  2. Karl Marks de Mentirinha disse:

    Voce com certeza é uma pessoa muito esclarecida das ocorrencias politicas do Brasil e do mundo.
    Eu apenas estou com medo do futuro que o mundo possa tomar indo em direção a essa loucura socialista.
    Como revidar isso? A unica opção que vejo é ser uma pessoa de bem mas apenas isso nao basta para impedir a canalhada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *