O e-mail cubano

Recebo muitos e-mails de Cuba. O primeiro, abaixo, é de um casal, ele carpinteiro e ela dona de casa. Tenho outros, mas por razões de segurança achei melhor deixa-los de lado. O que vem em seguida é o de um jornalista que vive em semi- clandestinidade :

Querido amigo ,esperamos te encuentres bien ,estamos preocupados ya que
hace ya un tiempo no sabemos nada de ti,nosotros bie cuentanos que está
aconteciendo en tu vida por estos días,Roberto dice que si Brasil ganaen
el mundial iremos a disfrutar el triunfo ,te dseamos lo mejor ,cuidate
mucho ,esperasmos respuesta tuya,fosfoquero.Se despiden de ti dos amigos
que no te olvidan Roberto Y  Barbarita.


Oolaclaudio;

> ola amigo te esperamos pero no das sena de la nueva forma de localizarte tal ve s estuviste en cuba pero nadie sabe nada.
>
> el boer rigondaux que entrevistaste esta muy bien en usa y le va bien en sus punos .
>
> felix betancourt te saluda y espera por tu nueva visita
>
> esperamos

Sobre o jornalista : Que vida horrivel. Pela televisão ele tem uma otima idéia do que seja o mundo exterior, mas isso é apenas uma tortura. Está envelhecendo preso na ilha, e não há nenhuma esperança pela frente. Quis fugir de Cuba aproveitando o veleiro que eu e um amigo íamos levar para Miami. Era um momento perigoso para ele, e eu me sentia responsavel pelo que poderia acontecer. Fiquei muito mal por não poder ajuda-lo, mas não tínhamos a menor chance. Jamais poderia se esconder, fomos observados na saída, e depois seguidos por uma lancha da marinha cubana durante uma hora. Muito mais tarde a guarda costeira americana, nos interrogou, lá de longe, de noite, pelo rádio, e depois da saudação de praxe a primeira pergunta foi: “São apenas vocês dois no barco?”(altíssima tecnologia) Se ele estivesse conosco seria preso, e de alguma forma recambiado para Cuba. Podem entrar nos Estados Unidos os cubanos que conseguirem colocar os pés na areia do mar, no chão. “Chama-se Lei dos Pés Molhados”

Neste breve e-mail o jornalista se refere a Guilhermo Rigondeaux, o grande pugilista cubano, considerado o melhor do mundo até três anos atrás. Felizmente ele conseguiu fugir de Cuba, e provavelmente está levando uma vida de milionário nos EUA, uma vida que vai lhe permitir resgatar a mulher e o filhinho pequeno, que ficaram em Cuba. Com dinheiro ele pode alugar uma lanchona super veloz ao preço de  15, 20 mil dólares, escolher um ponto para a fuga na costa cubana ( que é imensa), e pronto. Ninguém pega, e esses lancheiros podem ir para o México, ou outro país qualquer. Para chegar nos Estados Unidos é mais barato, 10 mil dólares, mas é preciso driblar a Guarda Costeira Americana. (Será que Rigondeaux já conseguiu levar a família ?)

Meu amigo também diz que Felix Betancourt me saúda. Felix, um excepcional pugilista do passado, peso meio médio ligeiro, muitas vezes campeão internacional. Era especialmente admirado por Fidel e Che. Queria que eu comprasse por 200 dólares (!!) a melhor foto dele com os dois assassinos. (Existe uma delas na internet). Fazia exercício com Fidel, corriam juntos. Agora vive esquecido, com uma pensão ridícula, está velho, e não sabe fazer nada, já que passou metade de sua vinda no ringue. Estávamos no taxi procurando a casa do Rigondeaux. Na falta de assunto eu disse que ele estava muito bem, magro, ainda em forma. “Sim, eu ainda faço exercício”, e levantou os punhos fazendo os movimentos de um boxeador. Quando Felix saiu do carro o chofer virou-se para mim numa terrivel zombaria: “Que exercício que nada. Está magro é de fome!” Os pobres cubanos não são solidários, pensam unicamente na própria miséria.

Sei que meus amigos sentem a minha falta. Estão sempre me esperando, nunca desistem, mesmo que já se tenham passado dois anos, desde a última vez. Chego em Havana e logo vou distribuindo dólares como se fosse um milionário (o salário de um médico é de 25 dólares), levo presentes, comemos juntos, passeamos, vamos a lugares aonde jamais poderiam entrar sozinhos. Estive com um casalzinho no famoso Floridita, bar onde é servido o daiquiri mais gostoso do mundo. Na entrada tive que olhar feio para os leões de chácara: ” ESTÃO COMIGO!!” Os dois ficaram fascinados, acharam a bebida uma maravilha, e nem acreditaram no tamanho da conta em dólares.

Não sei se vão me deixar entrar no país mais uma vez. Esse é o drama, porque também sinto falta deles. Talvez não possamos nos encontrar nunca mais. Desta maneira, também sou vítima do maldito regime. Por isso, REPITO,  não suporto ver um Vargas Llosa, ainda de esquerda, protestando, junto com o Almodavar, outro esquerdista, porque o governo espanhol não está sendo suficientemente rigoroso na defesa dos direitos humanos em Cuba. Direitos humanos… Protestando… É incrivel, mas essas pessoas sensiveis, um escritor, um cineasta, não percebem que tem que ser muito mais do que isso. Deveriam estar pedindo uma ação armada, exigindo a liberdade imediata dos cubanos. São 51 anos de horror, seus pusilânimes! E o Vargas Llosa até hoje não percebeu que Pinochet salvou o Chile de virar outra Cuba. Não entra na cabeça desses caras de jeito nenhum, é um espanto, nem o Allende deixando claro que era esse o seu objetivo. Volta e meia Llosa coloca em pé de igualdade a ditadura chilena e a cubana. Ficou com o cérebro lesionado por causa dos seus tempos de socialista. Já escrevi sobre o assunto muitas vezes. Quem já passou dos 40 anos de idade e até agora não entendeu a bomba em Hiroshima, a ditadura do Pinochet, a necessidade da tortura em terroristas, a invasão do Iraque, etc.etc.etc. não tem mais jeito, é caso perdido. E lá estão eles, comemorando o Nobel de Literatura ( mais político do que nunca),tomando coqueteis ao lado dos fanáticos admiradores, e falando mal do regime cubano, enquanto fumam alguns Cohibas. Perderam o sentimento da vergonha, da altivez, da coragem. Gabriel Garcia Marques, comunista de carteirinha, sempre contou como vantagem que através da sua amizade com Fidel conseguiu evitar a execução de muitos prisioneiros. Llosa se disse ultrajado quando enfiaram o Zelaya de pijamas no avião e o despacharam de Honduras. Malditos tagarelas!

nota: tirei ótimas fotos de Rigondeaux junto com Felix, os dois na clássica posição de que estão se enfrentando. Estão perdidas no computador, mas vou acha-las e as publicarei mais tarde. Quem quiser ver o Guilhermo Rigondeaux pode entrar no artigo: ” Entrevista com o maior pugilista do mundo”.

Para os que se esqueceram:  Guilhermo Rigondeaux, e Erislandy Lara, (outro grande pugilista) tentaram fugir da delegação cubana durante o Pan-Americano, no Rio. Tudo deu errado, e Lula, o nosso 83% Querido Presidente, os despachou para o amigo Fidel. Lara conseguiu fugir de Cuba antes de Rigondeaux, e depois de passar pelo México (a fuga), e Alemanha, decidiu morar nos EUA.

11 dezembro, 2010 às 10:22

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *