Obama: a verdadeira decadência americana ; A domesticação das Forças Armadas (general Marco Antonio Felício da Silva)

 
Hobbes: É correto permanecer ignorante ?-.–.-.–-.-.-.-.–.-.-.-.- 

Calvin: Não sei. Mas eu me recuso a descobrir !

 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.- 

Eu estava jantando com oito pessoas que mal conhecia. Falou-se alguma coisa contra os Estados Unidos. Houve um murmúrio de aprovação. Por isso resolvi perguntar a cada um em quem votaria , Obama ou Romney ?  TODOS disseram Obama

Outros eleitores de Obama: Ahmadinejad, Chavez, Cristina, Raul, Fidel, Lula, Dilma,  Haddad,  FH, Serra, Alkimin, ( desconfio que o Newton Cardoso prefere o Romney),  Putin, a Al Qaeda, o Hamas, o Hezbollah, o Primeiro-ministro chino,  Wen Jiabao, e vários bandidos cujos nomes não me ocorrem neste momento. Com exceção de alguns citados, tipo FH, todos gostariam que os Estados Unidos desmoronassem. Exatamente por essa razão querem Obama.  

Leio o óbvio nos jornais: a esmagadora maioria dos habitantes do “continente sombrio” é pró Obama. Provavel exceção para os habitantes do Leste-europeu, que durante 46 anos foram escravos dos comunistas, e sabem que devem sua liberdade aos americanos. Se amanhã os terroristas detonassem uma bomba atômica e matassem 100 mil parisienses, NEM ASSIM a Europa ( e o mundo) admitiria o enorme risco que o Ocidente está correndo. Seria dar razão aos conservadores americanos, isto é, ao verdadeiro Estados Unidos. Seria jogar fora os dogmas esquerdistas de amor pelos criminosos, pelos imigrantes vagabundos que se recusam a assimilação e vivem ás custas dos governos, seria, enfim, aceitar Berlusconi, Sarkozy, e outros governantes de direita ou centro-direita. Esses personagens são eleitos quando a esquerda ultrapassa todos os limites do bom senso, mas logo a imprensa se encarrega de desmoraliza-los e voltam ao poder os socialistas com suas fórmulas mágicas de crescimento e bem estar para todos, sem ser necessário trabalho duro e impostos condizentes para o governo alocar recursos aonde a iniciativa privada não tem interesse. 

Voltando ao atentado em Paris, podem ter certeza de que após o tremendo choque da carnificina, o apaziguamento tomaria lugar da revolta inicial e vontade de vingança pelas armas. A preferência quase unânime dos europeus  por Obama representa a fantasia de que o perigo não é tão grande, que o diálogo pode levar a que os muçulmanos “bonzinhos” levem a melhor sobre seus irmãos terroristas. Obama, como de resto os liberais, prefere qualquer coisa à guerra, inclusive a rendição.

Os europeus vão continuar, ad eternum, odiando os Estados Unidos, mesmo que estes tenham salvo a Europa em duas guerras mundiais, não tenham permitido que Stalin entrasse com suas centenas de divisões pelo território europeu adentro, o que seria um verdadeiro passeio, sem a menor possibilidade de reação. A razão deste ódio é bem conhecida e está na lavagem cerebral comunista que atingiu o planeta, somado à uma fração muito pequena de toques freudianos. Mas, o que dizem os que sustentam esse ódio ? De que maneira o justificam ? Muito simples, não o justificam porque não o reconhecem ! Pouquíssimas vezes é possivel ver-se uma verdadeira confissão : ” Eu detesto os Estados Unidos” . Mas, que tipo de comportamento tem esse povo para ser abominado de tal maneira ? Que fato de extraordinária importância oconteceu para anular a realidade que se não fosse por eles todos seríamos escravos dos comunistas como aconteceu na Rússia e no Leste Europeu?  Entraram em todas essas guerras apenas por interesse próprio ? Libertar os outro povos foi apenas um efeito colateral, e portanto não temos que ser agradecidos ? É isso ? 

São ignorantes, simplórios, gordos, arrogantes, burros, caipiras, desagradaveis, só pensam em bens materiais (portanto são carentes de espiritualidade), seu objetivo mais conhecido é roubar as riquezas naturais dos outros países, se autorgaram o papel de polícia do mundo, e…. Inacreditável. Escrevo e olho ao meu redor. O computador veio dos americanos, o aparelho de som também,  a cadeira, minhas roupas, os óculos de natação, o celular .Das 20 melhores universidades do mundo, 16 são americanas. Só isso é o suficiente para arrasar qualquer crítica à sua cultura, mas…

Mitt Romney é tudo de bom. Quer de volta os valores que fizeram dos Estados Unidos a maior democracia do mundo, e a nação mais poderosa desde o império romano. Aqueles valores que Obama deseja destruir e vai conseguindo. Este moleque, absurdamente despreparado e mentiroso, é anti-americano, exatamente da forma como eu acabei de descrever o anti-americanismo. Exagêro ? Talvez, num detalhe ou outro. POR ISSO, volto ao início do texto: todos que detestam os americanos querem a vitória desse sujeito, desde o dócil brasileiro até o mais terrivel terrorista. 

Quem são os eleitores de Romney ? A resposta dentro do plano que estamos examinando é de enorme complexidade, e o blog já publicou vários artigos que somados talvez respondam à pergunta. Mas vou apenas repetir uma história que me foi contada como piada, mas que me parece perfeita para mostrar o abandono da realidade pelos liberais, que a substituiram por uma “sofisticação” que não engana os verdadeiramente sofisticados, e que também não engana aqueles outros que simplesmente continuam cultivando o senso comum.  É a seguinte:  De passagem por uma cidadezinha do interior um rapaz da metrópole bate com seu carro e destroi um poste.  Nem carteira tem. É levado para a delegacia.  Sua defesa é brilhante. Fala com enorme erudição, cita os gregos, os romanos, e os caipiras que lotam a salinha estão boquiabertos. Evidentemente usa o “relativismo“, tão caro aos liberais:  O poste é tridimensional, ou também pode ser bidimensional prejudicando a visão do motorista ? E será mesmo um poste ? O que define um poste ? De acordo com a teoria de Morghuasen é dificil saber se o motorista avançou sobre o poste ou se o poste se colocou no caminho do motorista . Quando termina a platéia está sem fôlego. O delegado adianta-se e diz : ” Moço, o senhor tem toda razão, mas vai preso assim mesmo” . Esse delegado é o eleitor de Romney.

Romney infelizmente não usou o escândalo de Bhengazy  como deveria. Hoje parece claro que sua opção pelo não enfrentamento foi errada. O episódio da Líbia é o mais puro Obama. Não reagiu ao pedido de socorro dos que estavam no prédio, e dalí para a frente mentiu como nenhum outro presidente, talvez com a exceção de Clinton. Até agora o povo americano não sabe o que se passou. Foi plantada a versão de que era para ser mantido segredo sobre o assunto, caso contrário seria ajudar os terroristas. Isto bate todos os recordes de mau-caratismo. Esse governo teve a coragem de -para fins eleitorais – divulgar o filme sobre a morte de Bin-Laden. Jamais poderia tê-lo feito, porque revelou segredos militares, e expôs quem não podia. O médico que contou aonde o criminoso se encontrava está preso pelos paquistaneses, e é possivel imaginar o horror. Por que esse maldito Obama não dá logo uma grana para os generais  do Paquistão e liberta o sujeito ? 

Ele tem uma sorte fenomenal. Quando parecia que Romney estava em ascenção, e a esperança em sua eleição era enorme, surgiu o hurricane Sandy. A atenção dos americanos foi totalmente desviada da disputa. O governador de New Jersey, Chris Christie, que já havia se comportado mal na convenção republicana, traiu Romney, e perfilou-se com Obama, elogiando-o durante a visita aos locais do desastre. O prefeito de Nova Yorque, Bloomberg, um independente que sempre se identificou com os republicanos, também aproveitou a ocasião e deu por escrito seu apoio para Obama.  E assim foi.

Acho que Romney é um candidato tão bom que no caso de sua provavel derrota gostaria de vê-lo concorrendo em 2016.  Amém.    

Preparem-se para o Obamagerddon.

 

 

Recebi de um leitor, coronel do Exército:

 

Repasso o artigo de autoria do Gen Felicio. Acrescento que em dezembro próximo completar-se-á um ano de sua morte, lamentável para todos nós.
Anexo o opúsculo de autoria dele intitulado A neutralização da grande barreira. Foi montado em 2010, como podem ver pela data na capa. O Gen Lannes escreveu a posteriori um prefácio. Chamo a atenção, corroborando o que o Gen Felicio escreveu, para o último quadro. Tudo, ou quase tudo que está ali explicitado vem ocorrendo, sistematicamente.

“DOMESTICAÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS”
“A Instituição será maculada, violentada e conspurcada diante da
leniência de todos aqueles que não pensam, não questionam, não se
importam, não se manifestam”

                   Gen Marco Antonio Felicio da Silva

         Algum tempo anterior à morte do General Sergio Augusto de
Avellar Coutinho, tive o privilégio, o que ocorria de quando em
quando, de com ele conversar sobre o marxismo-gramscismo, assunto que
dominava e sobre o qual explanava com extrema maestria, segurança,
profundidade e serenidade.
         Há que se lembrar que ele, dentre os grandes estudiosos do
assunto, foi o único que escreveu sobre a concepção revolucionária
gramscista, sob forma didática, mostrando uma sistematização de sua
operacionalidade.
         Os dois livros que deixou, primorosos, “A Revolução
Gramscista no Ocidente” (de 2002) e “Cadernos da Liberdade” (de 2003),
apresentam Antonio Gramsci como um marxista inovador, não renegando
ele o objetivo principal do marxismo-leninismo, porém, propondo para
atingi-lo, nas sociedades democráticas e capitalistas, que chamou de
ocidentais e nas quais se insere o Brasil, a estratégia da “Guerra de
Posição” (conquista não violenta do poder, embora da violência não
descarte em algum momento), traduzindo envolvimento longo e obstinado,
ao contrário da estratégia da “Guerra de Movimento” que se
caracteriza, fundamentalmente, pelo uso da luta armada em ataque
frontal ao Estado existente.
                   Importantes para tal tipo de guerra, indica Gramsci
a formação dos “Intelectuais orgânicos” (políticos qualificados,
dirigentes e organizadores, formados no partido, para orientar,
influenciar e conscientizar as massas), objetivando a busca da
“hegemonia”, dentro da “sociedade civil”, das “classes subalternas”
(trabalhadores) bem como o consenso, nas áreas psicológica e cultural.
                   Ao mesmo tempo, utilizando-se principalmente do
patrulhamento ideológico e do politicamente correto, não só objetiva o
envolvimento da “burguesia” (enquanto classe dirigente),
“amestrando-a”, isto é, fazendo-a superar o senso comum até então
vigente (senso comum é o conjunto das opiniões aceitas pela
generalidade das pessoas da sociedade, fazendo com que opiniões
discrepantes pareçam desajustadas), impregnando-a de novos valores e
cultura, como também preconiza a assimilação e conquista ideológica
dos “intelectuais tradicionais” (cientistas, filósofos, professores,
escritores, artistas e profissionais dos meios de comunicação),
transformando-os em aliados, companheiros de viagem ou em inocentes
úteis.
           O grande objetivo, segundo Gramsci, é a profunda e
gradativa transformação política e cultural de toda a sociedade,
substituindo valores de naturezas variadas, mudando padrões morais e a
própria História do País.
           Qualquer semelhança com o que vem ocorrendo no Brasil não é
mera coincidência, porém, realidade palpável, encontrada,
principalmente, nas iniciativas governamentais, como o Programa
Nacional de Direitos Humanos, cujos efeitos podem ser encontrados nas
escolas, desde o primeiro grau como na leitura diária dos jornais e
nos demais meios de comunicação.
           Assim, o General Coutinho, sempre enfatizando que fazia a
sua parte, tal qual o sabiá que carregava água no bico para ajudar a
apagar o incêndio na floresta, com o fito de salvar o seu ninho, não
perdia oportunidade para demonstrar o quanto avançado está este
processo revolucionário marxista-gramscista no Brasil, propiciando,
já, profunda transformação política, histórica e cultural.
            Desejava ele abrir os olhos daqueles que, por ignorância,
incredulidade ou omissão, não cumprem o dever de a este processo se
opor. Entre eles, os chefes militares, pois, consideram, os marxistas
–gramscistas, as Forças Armadas como a última trincheira a ser
conquistada na “Guerra de Posição”. Se “domesticadas”, não haverá mais
qualquer oposição na caminhada para a “transição para o Socialismo”,
isto é, para o comunismo.
           O domesticar as Forças Armadas, ensinava o General, “se
traduz por inibir a sua capacidade de oposição ao avanço lento e
gradual do processo revolucionário marxista-gramscista, intimidando-as
e desmoralizando-as perante a sociedade nacional. Trata-se de anular
qualquer possibilidade de que venham a ser, novamente, baluarte da
Democracia. Que não repitam 1964, impedindo um futuro assalto ao Poder
por alguma das tendências revolucionárias existentes e ativas no
desfecho da transição para o socialismo em curso em nosso País”
            O processo de domesticação das Forças Armadas não ficará
apenas na ação da chamada Comissão da Verdade (que já não se porta
conforme o pré-estabelecido com as FFAA), agindo, ao arrepio da lei,
somente contra os Agentes do Estado, valendo-se de mentiras e de
meias-verdades. Paralelamente, sem o apoio dos atuais chefes, como
ocorre com o Cel Ustra e outros, certamente serão levados à barra dos
tribunais, ilegalmente, com a conivência de procuradores e de juízes
revanchistas, os que combateram a subversão, o terrorismo e as
guerrilhas urbana e rural nas décadas de 60 e de 70. Os militares, que
cumpriram ordens legais, tornaram-se bandidos e os reais bandidos
tornaram-se heróis. A Intentona Comunista e a Contra-Revolução de 64
devem ser tomadas como fatos a esquecer e desaparecer nas brumas do
tempo, em nome de uma reconciliação unilateral.
           O caso do cadete Lapoente torna-se emblemático de tal
domesticação: Aceitou-se, passivamente, afronta à soberania nacional,
desmoralização da Justiça Militar e a profanação de um santuário
militar, a AMAN, onde colocou-se placa maldita .Foram aceitas, ainda,
ingerências externas, consubstanciadas por solicitação ao Conselho de
Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), para análise de 23
supostas violações aos direitos humanos, ocorridas no âmbito das
Forças Armadas, conforme estudo elaborado pelo grupo marxista  Tortura
Nunca Mais (GTNM/RJ) e, ainda, por alterações no “curriculum” escolar
de formação de oficiais e praças, sob a orientação da Comissão
Interamericana de DH/OEA.
        Como dizia o gen Coutinho, que já preconizara a trajetória da
Comissão da Verdade, novas “reformas democráticas” poderão advir:
reformulação do sistema de inteligência militar; reforma da destinação
constitucional das Forças Armadas; revisão dos regulamentos
disciplinares incluso com a aceitação aberta de casamentos gays;
revisão da Lei de Anistia; “democratização” das escolas militares de
formação de quadros e do treinamento dos recrutas.
           E arrematava o lúcido e valoroso General: “Embora
despercebido pelas aparências da prática democrática, um movimento
revolucionário da esquerda está em curso no Brasil. Só as pessoas de
muito boa-fé não percebem isto. O momento que vivemos é, ainda, de
correlação de forças políticas. Por isto, só os políticos e as
organizações e partidos liberais democráticos poderão deter a marcha
das esquerdas para o socialismo monocrático e opressor. Os brasileiros
esclarecidos e responsáveis não podem ignorar o que está efetivamente
acontecendo e devem iniciar a resistência política e ideológica
enquanto é tempo.”

 

 

 

3 novembro, 2012 às 13:22

Tags:

Categoria: Artigos

Comentários (2)

 

  1. Veronica disse:

    Sensacional. Adorei. Muito bom. Parabéns. Que venha 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *