As mudanças de Obama não são tão fáceis

O presidente Obama, com todo seu carisma, não está conseguindo muito mais do que Bush no contato com os europeus. Sempre foi desejo americano que a Europa enviasse mais tropas para o Afeganistão, mas não tem jeito. Obama anunciou que, para começar, vai colocar mais dez mil homens, de um total de 17 mil que devem ser enviados em 2009. E os europeus aparecem com 900 aqui, 600 alí, e depois se escondem atrás de tropas que vão apenas treinar os afegãos, ou seja, esses não vão brigar. Os europeus morrem de medo de perderem seus soldados. Querem sempre que os Estados Unidos façam tudo sozinhos. Acostumaram-se a isso, desde os tempos da Guerra Fria. Naquela época, abrigaram-se debaixo do guarda-chuva nuclear americano. Desenvolveram-se, fazendo estradas maravilhosas, fábricas de automóveis, roupas, boa comida e bebida, e os Estados Unidos que cuidassem da União Soviética. A OTAN sempre foi apenas um nome que abriga muitos países, mas que, de fato, até agora só contou com o impressionante poderio militar americano. Em 1995, esperava-se que as tropas européias fossem cuidar do conflito nos Balcãs, no massacre que os sérvios perpetravam contra os bósnios, mas nem assim, em solo europeu, na sua cozinha, os europeus tiveram tiveram coragem para mandar seus soldados. O que? Enfrentar os sérvios, soldados ferozes? De jeito nenhum. Ficou tudo por conta dos Estados Unidos, que rapidamente resolveram a questão, usando apenas a força aérea.

Há pouco tempo, a França de Chirac esperneou, porque queria de todo jeito comandar as tropas da ONU que iriam patrulhar a fronteira entre Israel e Líbano . Muito bem, vamos dar o comando para a grande França. Quando Chirac anunciou que iria enviar 200 soldados, até os europeus acharam que era medo demais. Constrangido, ele teve que aumentar sua força para um número decente. Com Sarkozy, espera-se um comportamento diferente, mesmo porque ele já desmonstrou que deseja reintegrar a França nas forças da OTAN. O general De Gaulle, no seu delírio de que seu país ainda era uma grande potência militar, que antagonizava a hegemonia americana, retirou-se da organização em 1966.

Obama também desejaria que os europeus, que clamam tanto a favor dos direitos humanos, recebessem alguns dos pacíficos e injustiçados prisioneiros de Guantanamo. Afinal, ele prometeu em praça pública que fecharia a prisão imediatamente depois da sua posse. Mas,… quem diria, enfrenta os mesmíssimos problemas do seu antecessor. Segundo os jornais, “apenas Portugal e França deram sinais de boa vontade”. Boa vontade. Receber, mesmo, os prisioneiros vai depender de muita conversa. Quandotiverem em mãos a ficha de cada um deles, vai ser um espanto.

Outro problema para o novo presidente: o escudo antimíssil americano. Esse projeto de Bush colocou em pânico a Rússia. Parece um novo “Guerra nas Estrelas” de Reagan. A desculpa esfarrapafa de Bush foi de que o escudo estava destinado a proteger a Europa e os USA de um possível ataque com foguetes iranianos. Obama está dizendo a mesma coisa. É claro que o escudo pretende dar proteção total, indistintamente de qual seja o país, e sem dúvida o principal alvo é a Rússia. No caso de o Iran chegar a conseguir a bomba atômica e o míssil capaz de transportá-la, esse será um problema tão grave, que seria ingenuidade acreditar que os Estados Unidos estariam se protegendo, tratando esse país como se fosse a antiga URSS. O mais provavel é que o governo americano, e Israel, nunca permitam que os iranianos alcancem esse grau de desenvolvimento bélico. Obama, que deseja conversar com todo mundo, não quer irritar a Rússia, mas ao mesmo tempo, sofre pressões da Europa para que mantenha o escudo. Ele mesmo, deve sentir a responsabilidade de abandonar o projeto, diante de uma Russia cada vez mais potente e agressiva. Afinal parece que não é tão facil assim efetuar as “changes”.

5 abril, 2009 às 22:49

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *