Ótimo artigo sobre Ucrânia-Rússia (Jackson Diehl)

Esta semana, a fumaça tomou conta do Parlamento ucraniano e o presidente da Casa precisou de um guarda-chuva para se proteger dos ovos lançados contra ele.

A partir desta cena caótica, duas conclusões podem ser tiradas: a primeira é que a Ucrânia ainda é uma democracia, mesmo que às vezes seja uma grande confusão.

Segunda: a Rússia, que trocou a liberdade por um imperialismo renovado, ainda continuará tendo domínio total sobre o seu vizinho nas próximas décadas.

Por apenas 10 votos, os parlamentares em Kiev ratificaram um tratado que amplia o controle da Rússia sobre uma base naval no Mar Negro por 25 anos, em troca de um desconto de 30% no valor do gás natural russo – um subsídio que, de acordo com o presidente ucraniano Viktor Yanukovich, equivale a US$ 40 bilhões.

Isso deve ajudar o governo ucraniano a cumprir com as condições impostas por um novo acordo firmado com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e dar impulso à sua indústria pesada, a espinha dorsal da economia do país e da base política de Yanukovich.

Soberania. A oposição mais pró-ocidental da Ucrânia, porém, está convencida de que o presidente vendeu a soberania do país para Vladimir Putin, o poderoso primeiro-ministro da Rússia que deseja avidamente recriar alguma coisa parecida com a ex-União Soviética. Certamente, o acordo impedirá a Ucrânia de aderir à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e à União Europeia num futuro próximo.

A menos que consiga pagar o preço de mercado pelo gás, os ucranianos não conseguirão entrar no mercado comum europeu.

E a Rússia continuará retendo os meios para chantagear a Ucrânia, ameaçando retirar o subsídio ou parar com o fornecimento de gás – como já o fez por várias vezes.

Mas, na busca de um status de superpotência que a Rússia perdeu irreparavelmente, Putin comprometeu seu país com dezenas de bilhões de dólares em subsídios caros para manter a base para uma frota do Mar Negro – obsoleta e enferrujada, que Moscou não tem condições financeiras de modernizar ou manter.

Viktor Yanukovich, entretanto, já deixou claro que pretende equilibrar as relações da Ucrânia entre Rússia e o Ocidente.

E o acordo básico será submetido aos eleitores, que deixaram claro durante a Revolução Laranja de 2004, na qual optaram por uma aproximação cada vez maior do Ocidente e depuseram um governo pró-Moscou, que não tolerarão ser subjugados pela Rússia.

Se a Rússia fosse uma verdadeira democracia, o acordo teria provocado o lançamento de ovos também no seu Parlamento.

Em vez disso, os deputados ratificaram o tratado uma hora depois de a Ucrânia aprová-lo, com 410 dos 450 parlamentares votando a favor – em meio às cenas que mais pareciam com as de um confronto entre gangues de rua do que a de um embate entre parlamentares. Mas a reação dos legisladores em Moscou deveria receber mais atenção do que toda a escaramuça observada no Parlamento ucraniano.

Parece cada vez mais claro, pelo custo da insistência na aspiração de um renascimento soviético, que o verdadeiro perdedor será o povo russo.

(publicado no Estadão em 1 de maio de 2010

1 maio, 2010 às 19:25

Tags:

Categoria: Artigos

Comentários (1)

 

  1. Ronaldo Veloso Romão disse:

    Resumo: “[…] que o verdadeiro perdedor será o povo russo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *