Sobre a Síria; O presidente do Supremo ficou bravo; Dilma- Yoani Sanchez

É interessante o comportamento da imprensa, do pessoal de direitos humanos, e da ONU a respeito da Síria. Ninguém está a favor da ditadura de Bashar al-Assad, é claro, mas seria melhor deixar de mentir adoidado sobre o número de baixas civis.  Quando eu estava em em Damasco assistia a televisão em meu quarto de hotel, e era noticiado pelas televisões CNN, BBC, e AlJazeera que as mortes já estavam por volta de 5.000, 7.000, e colocavam os mesmos vídeos que não mostravam coisa alguma. Naqueles dias era proibida a entrada de repórteres e eu estava meio que escondido, mas mesmo assim circulei o suficiente para ter certeza de que os números divulgados eram mentirosos. Depois que a Liga Árabe foi autorizada a fiscalizar o país as tvs conseguiram enviar alguns correspondentes, entre eles Nick Robertson da CNN, que entrou em uma ou outra confusão, mas nada muito diferente do que eu mesmo fiz, e na entrevista concedida à sua própria emissora disse exatamente o que eu havia enviado para o Estadão: Damasco estava levando sua vida normalmente, com uma intensa vida noturna. Como era a CNN,  pôde filmar alguns soldados sírios exaltados, e até mostrar um cadaver, mas não conseguiu entrar em Homs. Logo teve a capacidade de se locomover diminuida e saiu do país.

Todos continuam martelando nos 5 ou 7 mil mortos, o que é estranho porque o número é o mesmo, não aumentou desde os idos de dezembro, quando eu deixei o país. A entrevista de Nick foi um tanto constrangedora porque a CNN queria pintar um quadro negro para Assad e o máximo que conseguiu foi o repórter dizer que o melhor momento para o diálogo já havia passado para o presidente.

O problema é que embora a maioria queira ver Assad fora do poder, porque afinal nem árabe gosta de ficar sem liberdade por 41 anos (o general Hafez al-Assad, seu pai, assumiu o governo em 1971)  existe uma parcela da população que o apoia e não sabemos o seu grau de importância. Ela pouco se manifesta, e quando no dia das eleições tentou mostrar sua solidariedade ao ditador foi um verdadeiro fiasco. Mas, acho que também poderemos ter os “silenciosos” que podem reagir, e o país entrar numa guerra civil. O exército, poderoso, bem treinado, está inteiramente ao lado de Assad, e o ditador participou de um rally na capital junto com sua esposa, Asma, mostrando que  não corre perigo de vida. Portanto, a imprensa exagera tanto o número de baixas quanto a instabilidade  do governo. Ao contrário do Egito e Líbia, não houve defecções entre os militares, o que dificulta muito a reação popular.  Ainda em Damascus, em um dos e-mails para o editor internacional do Estadão, eu disse que de maneira alguma acreditava em uma “queda brutal” do ditador, como aconteceu no Egito e Líbia.

-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.–.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

Gostei muito de ler no editorial do Estadão que : ” Exprimir-se, como se sabe, é uma peleja para a presidente-talvez por isso seja tão avara com as palavras em público (Há quem diga que quem não fala bem não pensa bem, mas esse, quem sabe, é outro assunto)” . Ótimo.

-.-.-.-.-.–.-.-.-.–..-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.–.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.–.-.

E o presidente do Supremo , todo bravinho, pensando que é de fato um grande nome, um magistrado da mais alta corte de um país civilizado, quase que deu uns murrinhos na mesa, defendendo os desmoralizadíssimos juízes. Ele disse : ” Só uma nação suicida degrada o Judiciário” . É mesmo ? Então estamos todos condenados ao inferno porque concordamos em que a maioria de vocês sejam “bandidos de toga”.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

E a chatíssima Yoani Sanchez se mostrou ” decepcionada” porque a Dilma evitou o debate sobre os direitos humanos no campo de concentração. Ora, Yoani, seria melhor você escrever sobre a humilhação suprema dos prisioneiros quando viram de que forma reagiram os árabes, morrendo nas ruas para derrubar seus governos.  Para ler artigo a esse respeito clique no título: A queda dos ditadores árabes: humilhação para os cubanos

 

Nota colocada um dia depois do artigo publicado:  Vamos derrubar o Assad, mas seria bom parar de mentir. Está passando dos limites. Agora, na CNN, vem uma reporter mocinha dizer que meninos estão sendo torturados e estuprados pelos soldados sírios. Que são tratados de maneira pior do que os adultos.   Todos queremos que o ditador se mande – por mim ele pode até ser enforcado em praça pública –mas assim já é demais. Não duvido que comecem a mostrar garotos chorando diante das câmeras.  Estão morrendo crianças ? Claro que sim, mas daí a dizer que os adultos que estão lutando estão sendo melhor tratados do que elas, é um pouquinho demais. Vale tudo para prender a atenção do telespectador.

 

 *minha preocupação é com a sua mulher, a maravilhosa Asma Assad

 

 

2 fevereiro, 2012 às 11:05

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *