A falta de compostura dos nossos deputados (vídeo) – dois pequenos textos- O Toque de Silêncio- 4vídeos

CQC

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=fmtbqu4VhDs]    

—————————–    

Esse texto foi enviado por um leitor:    

COMO DESVIAR UM BILHÃO DE REAIS !

Minha atividade profissional nos últimos 20 anos permitiu-me certo ponto de
vista privilegiado. Sou auditor e consultor de órgãos públicos.
Vou contar uma história real e bem recente: COMO DESVIAR UM BILHÃO DE REAIS
SEM SER PEGO.
Em 2004 um amigo meu era Diretor Financeiro de um Fundo de Pensão de uma
empresa estatal. Certo dia recebeu uma “ordem” do Ministério da Casa Civil
no sentido de que aquele Fundo deveria vender um bilhão de reais de títulos
da dívida pública, de sua carteira, a uma determinada corretora de valores.
Meu amigo achou um absurdo e foi contra. Na reunião do conselho de
administração, por 6 votos a 5, não foi autorizada a venda dos títulos.
Trinta dias depois meu amigo foi demitido.
Acontece que o fundo de pensão do Banco do Brasil – Previ, vendeu 5 bilhões
de reais de sua carteira de títulos da dívida pública. Como esses títulos
eram resgatáveis para 15 a 20 anos houve um deságio de 30%, portanto a Previ
recebeu 3,5 bilhões de reais pelos títulos, que, como já disse, tinham e
foram vendidos especificamente para uma determinada corretora de valores.
Alguns dias depois o Governo Federal, através do Ministério da Fazenda –
Tesouro Nacional, recomprou esses títulos daquela determinada corretora, com
deságio de 10%. Assim essa determinada corretora que na verdade tinha
endereço num Flat Service na Barra da Tijuca, lucrou 20% dos 5 bilhões de
reais, ou seja, UM BILHÃO DE REAIS.
Essa história foi relatada por esse amigo na CPI dos Correios. Tentou-se
abrir uma CPI dos Fundos de Pensão, mas não conseguiram assinaturas
suficientes.    

———————-
    

Heineken

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=Jzjga17oBqk]
    

     

———————–
Incêndio no Palácio da Alvorada (não divulgado pela imprensa)
 

     

Brasília,12 de abril de 2010 às 23h
Um terrível incêndio destruiu toda a biblioteca pessoal do
Presidente Luis Inácio Lula da Silva. As informações
confirmam a queima total dos 2 livros.

O porta-voz da Presidência declarou agora à noite que o
presidente está inconformado, já que não tinha terminado
de colorir o segundo!
    

—————–    

História da música “Amazing Grace (Maravilhosa Graça)”

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=Uv2TUYTRbVU]    

——————
    

O VÔO DO BESOURO

Foi brincadeira com o contra-baixo ?

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=cdGwOmijRJ4]    

———————-    

Vídeo do “Toque de Silêncio”

Você sabe a história por trás do Toque de Silêncio?

Sabe-se que tudo começou em 1862, durante a Guerra Civil Americana, quando o Capitão Robert Ellicombe do Exercito da União estava com seus homens perto de Harrison’s Landing, na Virginia. O Exercito Confederado estava do outro lado de uma estreita faixa de terra. Durante a noite, o Capitão Ellicombe ouviu os gemidos de um soldado caído, gravemente ferido, no campo. Sem saber se era um soldado da União ou um Confederado, o Capitão decidiu arriscar sua vida e trazer o homem atingido para cuidados médicos. Arrastando-se deitado em meio ao tiroteio ele o alcançou e começou a puxá-lo em direção ao seu acampamento. Quando finalmente alcançou suas linhas descobriu que o soldado era na realidade um Confederado, e que ele havia morrido. O Capitão acendeu uma lanterna e na obscura luz viu a sua face. Era o seu próprio filho. O rapaz estava estudando música no Sul quando a guerra começou. E sem falar com seu pai, alistou-se no Exercito Confederado. Na manha seguinte, o Capitão pediu permissão aos seus superiores para dar a ele um funeral com honras militares, apesar de ser um soldado inimigo. Seu pedido foi apenas parcialmente atendido. Ele solicitara que alguns membros da banda militar pudessem tocar um hino para o funeral, mas os comandantes não concordaram, uma vez que o soldado era um Confederado. Mas, por respeito ao pai, eles lhe ofereceram só um músico. O Capitão escolheu um corneteiro. Pediu a ele para tocar uma série de notas musicais que havia encontrado em um pedaço de papel no bolso do uniforme do seu filho. Nasceu então a triste melodia executada em serviços funerais militares e que conhecemos como Toque do Silêncio.
As palavras são:    

O dia se foi. Foi-se com o sol.  Dos lagos, das colinas.  Do céu.
Esta tudo bem.  Descanse a salvo.  Deus esta aqui.
Luz desvanecente. Escurece a visão.  E uma estrela. Adorna o céu. Cintila  brilhante.
De bem distante. Delineando aqui. Cai  a noite.
Agradecimentos e elogios. Por nossos dias. Sob  o sol. Sob as estrelas. Sob o céu.
A medida que vamos. Isso sabemos. Deus esta aqui.
——————
[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=eKYzvAebNrw&feature=related]

7 julho, 2010 às 22:15

Tags:

Categoria: Artigos

Comentários (5)

 

  1. Anderson disse:

    Fora de série esse último vídeo (II Silenzio)!

    Valeu Mafra.

    Anderson

  2. ÁLVARO JUNQUEIRA disse:

    Caro Cláudio,
    Creio que esbarraste em mais uma das infernais lendas da internet.
    Dê uma olhada neste site antipegadinhas:
    http://www.truthorfiction.com/rumors/t/taps.htm
    Lá lê-se:
    The Truth:
    According a researcher at West Point, there is no historical evidence that anyone named Robert Ellicombe even existed in the Union army. Master Sergeant Jari Villanueva is a part of the United States Air Force Band and is not only a historian about the tune “Taps,” but is working on an exhibit for Arlington National Cemetery about bugle calls. Both he and Kathryn Shenkle, Historian for Arlington National Cemetery, agree that “Taps” came from Brig. General Daniel Butterfield at Harrison’s Landing in Virginia in 1862. Sgt. Villanueva has found correspondence from both General Butterfield and a bugler which confirm the origins, although there are some minor discrepancies in their letters.

    Há outra lenda, menos interessante e menos popular, que também circula na rede. Veja:
    Talvez porque esta música é tocada inúmeras vezes nos Estados Unidos (por exemplo, sempre que se realizam funerais militares), é vulgar pensar-se que ela é de origem americana, acabando por tornar-se conhecida no mundo inteiro.
    Há, contudo, quem defenda que tenha sido composta por um soldado mexicano, obedecendo a ordens do General António Lopes de Santa Anna.
    António de Pádua Maria Severino Lopez de Santa Anna y Perez de Lebron, foi um general mexicano que se autoproclamou ditador do México, ficando famoso por ter vencido a Batalha de El Álamo, em 1836.
    Consta que, depois da Batalha da qual saiu vencedor, e ainda antes de prestar honras à bandeira mexicana, o General de Santa Ana ordenou ao seu “corneteiro” que compusesse uma melodia que prestasse homenagem aos soldados mortos em combate.
    Conta a lenda (*) que, devido à bravura demonstrada pelos combatentes, o General Santa Anna ordenou ao seu corneteiro que compusesse uma melodia que prestasse homenagem aos soldados mortos em combate.
    Ordenou que se guardasse silêncio enquanto a música era tocada, ameaçando com a pena de morte quem desrespeitasse esta ordem; e ordenou ainda que a bandeira mexicana fosse desfraldada durante a cerimónia.
    Actualmente essa música é conhecida, em português, como “Toque de Silêncio”.
    Desconhece-se o nome do soldado mexicano que compôs tão emotivo toque militar.
    A única coisa que se sabe dele é o seguinte:
    Quando o General Santa Anna regressou do exílio, em 1874, com 80 anos de idade, durante a madrugada do seu aniversário escutou-se um clarim à porta da sua casa, que interpretava uma série de toques militares mexicanos, que lhe provocaram uma grande emoção.
    Era o, também já velho, corneteiro, que acompanhou o General em todas as batalhas em que este participou.
    Vinha fazer-lhe uma serenata por ser um dia tão significativo para o velho, quase cego, meio surdo e mutilado general.
    Depois de conversar um bom bocado e recordar as aventuras por ambos vividas em tantas acções de guerra, o corneteiro pediu a Santa Anna ajuda económica, pois encontrava-se na mais completa miséria.
    Mas como Santa Anna já não tinha fortuna para ajudá-lo, convidou-o para ficar a viver em sua casa.
    A fazer fé em depoimentos de investigadores estrangeiros, pode afirmar-se que o General participou em mais batalhas do que Napoleão e George Washington juntos.
    É justamente considerado um dos militares de toda a história, a nível mundial, que participou em acções bélicas durante mais tempo, desde os 16 aos 61 anos de idade.

    (*) – Chamo-lhe lenda porque não encontrei confirmação oficial.

    • claudiomafra disse:

      Caro Álvaro,

      CAI-ME A CARA AO CHÃO

      Arrisco-me a dizer que você é um professor. Acertei ?

      • ÁLVARO JUNQUEIRA disse:

        Não, não sou professor, apenas um simples jornalista. Como achei muito interessante a história, e pensando em arquivá-la para possível uso futuro, precavi-me, gato escaldado por outras lendas da internet que também já me fizeram cair de cara no chão, decidi dar uma pesquisada antes de copiar e arquivar. Mas não se avexe não, a internet é mesmo uma faca de dois gumes. Abração.
        P.S. Sou seu leitor diário. Gosto muito dos seus posicionamentos e análises. Parabéns. Pena que sejamos parte daqueles 5% que pensam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *