Um leitor indica um blog e eu respondo; Artigo que é uma aula de liberalismo americano; Petraeus: sua esposa, suas gatas; Piadas de português

Um leitor escreveu:  “O blog http://www.claudiolessa.com/#ViewPollResults adota muitas das sua posições, com a diferença de que é a favor de Obama. O autor é jornalista e morou bastante tempo nos Estados Unidos.”  

Respondo: 

Acontece o seguinte:  Se ele é a favor de Obama trata-se de um esquerdista. Falando em tese, deixando de lado as exceções, não existe em todo o mundo parâmetro melhor para definir uma moderna posição política de esquerda. Obama conseguiu, por ser extremamente ignorante e vaidoso-agressivo,  ousar o que os Liberais apenas sonhavam. Errou, não cumpriu promessas de campanha, mas com um ego imenso, deixou de lado a cautela e colocou na pauta velhas pretensões liberais tidas como de dificil aceitação. Sua inexperiência, sua juventude, sua formação radicalíssima, ignoraram a costumeira moderação do jogo político liberais vs conservadores. Desta forma, resolveu partir para o ataque sem prestar muita atenção nas consequências. Polarizou as posições americanas como nunca se viu antes. Sem dúvida ele ganhou o jogo. Os resultados dos seus dois mandatos serão catastróficos para os que desejavam que os Estados Unidos se mantivessem fortes em seus ideais de liberdade individual, e a garantia de segurança no Ocidente. Os conservadores americanos estão face à uma terrivel realidade: devido ao voto dos hispânicos, negros, mulheres e jovens, os Estados Unidos inclinam-se por abandonar valores excepcionais que construiram uma nação excepcional.

A história, ao contrário do que diz o marxismo, é feita pelo homem, e não pelo “determinismo histórico”. Hitler é o maior exemplo que conheço. Jamais haveria “outro Hitler”, nem ninguém que chegasse perto do que ele foi. No caso de Obama, um juiz (conservador!) da Suprema Corte dos Estados Unidos talvez tenha definido os rumos de seu país para os próximos anos, quando, pelo voto de minerva, evitou que o Obamacare desaparecesse do mapa, e por consequência salvou Obama do mesmo destino. 

A elite brasileira é contra o PT, a maioria dos nossos intelectuais também. O valor do que está acontecendo por aqui é muito, muito, pequeno. Um belo dia assume a presidência um Zé das Couves qualquer, tipo Aécio, e imprime-se um novo rumo ao país. De fato, o Brasil conta pouquíssimo.  O que está em jogo, em termos planetários, em termos de nossa liberdade futura, define-se nos Estados Unidos. Não sei se eu perdi alguma coisa, mas o rapaz do blog é apenas mais um anti-petista fervoroso, como de resto todas as pessoas do nosso meio. É a favor de Obama, como de resto…

Quando entrei no blog logo me deparei com um entusiástico, e para mim definitivo, cartoon comemorando mais 4 anos de Obama. Para não ser injusto com a sua observação de que temos pontos de contato, o autor, Cláudio Lessa, não é a favor de Serra & Cia. Acho que isto é muito pouco, não tem importância alguma em termos macro-políticos. Lula, Dilma, Zé Dirceu, podem sumir do mapa com tudo o que fizeram em uma ou duas décadas. Enquanto isto, temos Obama, o presidente de um país extraordinário do qual ele não gosta, e por isso deseja modifica-lo em suas bases, um perfeito amador que acha que o “soft power” é a resposta adequada para Putin, Xi Jinping, Iran e países que abrigam organizações terroristas. A consequência pode ser a de que um dia você acorde e fique sabendo que Nova Yorque virou cinzas. Sim, o FBI, a CIA, e outras agências que lutam se equilibrando na corda bamba dos direitos humanos, na necessidade de não discriminar muçulmanos, que se desgastam se defendendo dia e noite das mais loucas acusações liberais, de uma hora para a outra vão falhar, e a hecatombe acontece. E, se Nova Yoque cai, em que outros lugares existirá segurança ? O mundo vai pedir socorro aos russos ? Talvez. Tendo o apoio necessário de uma comunidade internacional desesperada eles não vão perder muito tempo com “todas as opções estão em cima da mesa”. Vão logo jogar uma meia dúzia de bombas atômicas aonde for preciso. Vocês viram de que maneira eles resolveram o problema dos piratas somalianos que atacaram um dos seus navios ? Está em algum lugar do blog e também no YouTube.

 

O Paradoxo de Dempsey ( Mich Zenko) – Foreign Policy
 
not do blog:  VEJAM UMA AULA DE LIBERALISMO AMERICANO
 
Comento trechos do artigo:
O general Martin Dempsey, chefe do Estado Maior Conjunto dos EUA, usa sua autoridade para tratar de algumas questões bem difíceis. (Ele ocupa o cargo militar mais importante dos Estados Unidos). Como seu predecessor, o almirante Mike Mullen, Dempsey não evita temas controversos, desde o que os militares israelenses poderão fazer com o suposto programa de armas nucleares do Irã (atrasá-lo por “uns dois anos”) até a verdadeira praga entre os militares, as agressões sexuais (que “enlameiam a nossa profissão”). Podemos questionar algumas afirmações de Dempsey – como eu fiz -, mas ele merece crédito por simplificar questões cruciais em um grau raro entre autoridades civis.

Um de seus temas preferidos e mais mencionados é o paradoxo da segurança, que ele ampliou em discurso em outubro. “Vivemos em uma era em que a violência se encontra num patamar menor. Os conflitos entre Estados são muito menos prováveis do que no passado. O problema é que outros tipos de conflitos, outros tipos de violência, têm uma probabilidade exponencialmente maior de ocorrer dada a evolução da tecnologia. A era da informação permite que organizações, indivíduos e nações de porte médio, se quiserem, adquiram competências que até agora eram próprias dos grandes Estados. Portanto, é um paradoxo: os grandes conflitos são menos prováveis, mas as chances de violência e dos que usam a violência para propósitos até mesmo ideológicos é exponencialmente maior.”

Vale a pena analisar essa observação, pois supostamente é nela que tem base sua notável afirmação de que o mundo é mais perigoso do que em qualquer outro momento desde pelo menos 1952. Como declarou em abril: “Acredito ser um comandante numa época aparentemente menos perigosa, mas, na realidade, mais perigosa”. É claro, o general tem medo de que uma bomba atômica, ou várias, de uma hora para outra estejam em mãos de terroristas. Dados recentes sobre os conflitos armados, entretanto, pintam um quadro muito diferente e têm importantes implicações para o papel específico das Forças Armadas americanas para prevenir, atenuar ou reagir a essa violência. Este típico liberal pensa exclusivamente em guerras convencionais, que sem dúvida não são a maior preocupação americana

O acentuado declínio da violência humana foi destacado pelo professor de Harvard Steven Pinker, citado diretamente por Dempsey. Pinker utiliza uma pesquisa aparentemente inesgotável para demonstrar que “a violência está em declínio há muito tempo e, hoje, provavelmente, vivemos na época mais pacífica da existência da nossa espécie”.

Essa tendência aplica-se à violência entre indivíduos, a violência criminal, aos pogroms e à guerra. Nossa, mas é muita burrice. O articulista quer nos convencer que a violência está diminuindo, e portanto podemos ir dormir sem susto. Enquanto isso o Oriente Médio continua sendo o famoso “barril de pólvora”.

A única forma de violência que aumentou substancialmente é a que infligimos a nós mesmos. Mas que “sofisticação”!  Estou publicando o artigo por ser uma pérola de liberalismo. Segundo a Organização Mundial da Saúde, as taxas de suicídios aumentaram 50% entre os homens e 33% entre as mulheres, de 1950 a 2000. Visto de outro ângulo: para cada pessoa que é morta por outra, duas se suicidam.

A drástica queda de violência parece contraditória, considerando que o noticiário implacavelmente promove e transforma em sensacionalismo o terrorismo e as revoltas sangrentas ao redor do mundo. Como Pinker observa: “Em geral, avaliamos a probabilidade de um evento levando em conta a facilidade com a qual lembramos de exemplos e é mais provável que cenas de carnificina sejam exibidas em nossas casas e queimadas na nossa memória do que vídeos de pessoas que morrem de velhice”. Entretanto, as evidências estatísticas que Pinker resume mostram que as pessoas nunca estiveram menos em perigo de morrer pelas mãos de um semelhante do que hoje. Inacreditável. O Paquistão cheio de bombas atômicas e estamos seguros, o Iran construindo a sua, grupos terroristas com tendência a se sofisticarem e… estamos seguros. Dempsey está também correto quando diz que o número de conflitos armados – e particularmente os conflitos entre Estados – caminha para uma baixa histórica depois de atingir o ápice em 1992. O conflito armado é definido pelo Uppsala Conflict Data Program como uma “incompatibilidade contestada que diz respeito a governo ou território em que o uso das Forças Armadas entre duas partes, uma das quais, pelo menos, é o governo de um país, resulta em, no mínimo, 25 mortes relacionadas a uma batalha (ao ano).”

Em 1992, havia 53 conflitos armados em todo o mundo. Em 2010, esse número caiu para 31, mas aumentou para 37, em 2011. Além disso, nos últimos 67 anos, as grandes potências não combateram em guerras diretamente entre si, no “mais longo período de paz entre grandes potências dos últimos séculos”, segundo o Human Security Report Project.

Quando eclodem conflitos armados, hoje, eles são muito menos sangrentos do que no passado. Em todos os conflitos entre Estados, o número de mortos despencou. O ápice foi de 596.086 mortes, em 1950, para 153.485, em 1975, e 92.485, em 2000. Em outras palavras, na década de 50 houve 65 mil mortes por conflito/ano. Agora, são menos de 2 mil.

Dado que os níveis de violência caíram praticamente em todas as categorias (com a exceção dos suicídios) e 90% de toda a violência letal não está relacionada a conflitos armados, isso levanta uma questão mais ampla. Qual é o papel do Exército americano na prevenção da violência? Correr atrás de todos os núcleos terroristas ao redor do mundo, eliminá-los antes que cometam genocídio.

O sistema de alianças liderado pelos EUA, com base em seus inigualáveis recursos militares convencionais e na capacidade confiável de armas nucleares numa segunda ofensiva, provavelmente, dissuadiu algumas guerras entre países, embora seja difícil provar a dissuasão. Mediante planos de cooperação em segurança no teatro de operações, os comandos regionais de combatentes afirmam que seu engajamento militar para militar e suas atividades no que se refere ao “poder brando” determinam a ordem regional – embora eu nunca tenha visto dados que respaldem essa afirmação.

No fim, apesar do paradoxo de Dempsey, as Forças Armadas americanas desempenham um papel mínimo na prevenção.  Dá para acreditar ? Os EUA, porém, continuam com estrutura, recursos e predisposição para buscarem soluções militares, mas ignoram o uso da diplomacia ou do desenvolvimento para resolver vários desafios de política externa, entre eles a redução da probabilidade e da intensidade de todas as formas de violência. É possivel ?  Obama fala em diplomacia até quando está dormindo./ TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA  E o Estadão publica uma coisa dessas.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.- 

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.—.-.-.-.-.-.-.-.-.–.-.

O General Petraeus em seu labirinto .   A culpada de tudo é a esposa dele.  Se ela malhasse um pouquinho nada disso teria acontecido.

 

Editoria de arte/Folhapress
REDE DE SEGREDOS Entenda o escândalo que levou à renúncia do chefe da CIA
REDE DE SEGREDOS Entenda o escândalo que levou à renúncia do chefe da CIA

 

 

 

 

NOTÍCIAS DE LISBOA

 

Manoel avisa sua esposa que vai ao Jockey Clube, assistir ao chiquérrimo Grande Prêmio Brasil. Pede que ela prepare o smoking e tudo mais. Depois de horas e horas ele chega todo sujo, arranhado, ensanguentado, roupas em frangalhos. A mulher pergunta horrorizada : ” Manoel, o que aconteceu, por que estás assim ?”  Manoel : ” Pois não sabes, Maria, estava eu a ver os cavalos no padock quando um gajo pulou em cima de mim, jogou a sela, apertou, montou em mim, fincou as esporas  e ficou a chicotear-me ! Me chicoteou, me chicoteou, Maria !!!”  E a Maria desesperada : ” E o que fizestes, Manoel !?”   O portuga: ” Fiz o possivel, paguei placê!”    (chegou em segundo lugar)

 

‘Gêmeo tenta se suicidar e mata o irmão por engano’

DISK FINADOS
Lançaram em Portugal, o novo serviço por telefone, é o Disk-Finados.
Você telefona e ouve um minuto de silêncio!

ACIDENTE AÉREO
Um avião caiu no cemitério em Portugal.. O acidente foi horrível já retiraram 35.000 mortos!
CURVA PERIGOSA
O português estava dirigindo em uma estrada, quando viu uma placa que dizia:
‘Curva Perigosa à Esquerda’. Ele não teve dúvidas: virou à direita!

AGENDA DE TELEFONE
Por que os portugueses usam somente a letra ‘T’ em suas agendas de telefone?
Telefone do Antonio, telefone do Joaquim, telefone do Manoel,

LOJA DE SAPATOS
O Manuel foi, na segunda-feira, a uma loja de sapatos. Escolheu, escolheu e acabou se decidindo por um par de sapatos de cromo alemão.
O vendedor entregou o sapato, mas foi logo advertindo-o:
– Sr., estes sapatos costumam apertar os pés nos primeiros cinco dias.
– Não! tem problema. Eu só vou usá-los no domingo que vem.

NO SEXO
– Manuel, você gosta de mulher com muito seio?
– Não, pra mim dois já tá bom.

NO TRABALHO
Conversa entre o empregado e o chefe, ambos portugueses:
– Chefe, nossos arquivos estão super lotados, posso jogar fora os que tem mais de 10 anos?
– Sim, mas antes tire uma cópia de todos.

NO CHUVEIRO
Manuel está tomando banho e grita para Maria:
– Ô Maria, me traz um shampoo..
E Maria lhe entrega o shampoo. Logo em seguida, grita novamente:
– Ô Maria, me traz outro shampoo.
– Mas eu já te dei um agorinha mesmo, homem!!!
– É que aqui está dizendo que é para cabelos secos e eu já molhei os meus.

MANOEL JOAQUIM
Manoel Joaquim dos Santos, nascido em Trás-dos-Montes, no extremo bem extremo Leste de Portugal, ganhou seu primeiro lápis de colocar na orelha, quando tinha 2 anos. Aos 15 anos, já no primário, ganhou sua primeira caneta-tinteiro de orelha.. Aos 32 anos, descobriu que caneta também servia para escrever.
Hoje, já informatizado, está com orelha de abano, por causa do peso do mouse…

SORTE
O português vê uma máquina de Coca Cola e fica maravilhado.
Coloca uma fichinha e cai uma latinha. Coloca 2 fichinhas e caem 2 latinhas.
Coloca 10 fichas e caem 10 latinhas. Então ele vai ao caixa e pede 50 fichas.
Diz então o caixa:
– Desse jeito o Sr. vai acabar com as minhas fichas.
– Não adianta, eu não paro enquanto estiver ganhando.

SEGREDOS
O português passava em frente a um chaveiro quando viu uma placa:
‘Trocam-se segredos’.. Parou abruptamente, entrou na loja, olhou para os lados e cochichou para o balconista:
– Eu sou gay, e você?!

SOCIEDADE
Vocês sabem porque sociedade entre portugueses sempre dá certo?
Porque um rouba do outro e deposita na conta conjunta!

DOIS BASTAM
– Você sabe quantos portugueses são necessários para afundar um submarino?
– Dois. Um bate na porta, o outro abre!

SELF-SERVICE
– Como é restaurante por quilo de português?
– O cliente é pesado, na entrada e na saída.

NO SUPERMERCADO
– Por que o português, cada vez que compra uma caixa de leite, abre-a, ali mesmo, no supermercado?
– Porque na caixa está escrito: ‘Abra aqui.’

MARIA
Maria, a mulher do Manuel, foi fazer exame de fezes e colocou a latinha com o conteúdo do exame em cima do balcão.
A recepcionista solicitou:
– Dá pra senhora colocar o nome, por favor?
A lusitana não hesitou e escreveu: MERDA.

AINDA A MARIA
Maria vai ao ginecologista reclamando que não consegue engravidar.
*Por favor, tire a roupa e deite-se naquela maca- diz o médico, preparando-se para examiná-la…
E ela indecisa:
– Mas, doutor! Eu queria tanto que o filho fosse do meu Manuel!

17 novembro, 2012 às 23:59

Tags:

Categoria: Artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *